Temperaturas mais altas de sempre registadas na Alemanha, Bélgica, Holanda e Paris

Depois da onda de calor de Junho, a Europa volta a ser assolada por temperaturas altas – que estão a quebrar recordes em várias cidades e países. O especialista Filipe Duarte Santos diz ao PÚBLICO que as alterações climáticas fazem com que estes fenómenos se tornem cada vez mais frequentes, com efeitos na saúde humana e no ambiente.

Fotogaleria
Piscina pública em Essen, na Alemanha EPA/FRIEDEMANN VOGEL
Fotogaleria
Haltern am See, cidade alemã onde os termómetros já chegaram aos 40ºC EPA/FRIEDEMANN VOGEL
Fotogaleria
Alemanha EPA/FRIEDEMANN VOGEL
Fotogaleria
Piscina pública em Essen, na Alemanha EPA/FRIEDEMANN VOGEL
Fotogaleria
Um tanque arrefece com água fria a pista do aeroporto de Schiphol, nos Países Baixos EPA/ROBIN VAN LONKHUIJSEN
Fotogaleria
Florença, Itália. As autoridades italianas aumentaram o alerta para o nível 3 (vermelho) nas cidades de Bolzano, Brescia, Florença, Perugia e Turim, devido a “condições de emergência que podem afectar a saúde de pessoas activas e saudáveis, não apenas subgrupos de risco, como idosos, crianças muito jovens e pessoas com doenças crónicas”. EPA/CLAUDIO GIOVANNINI
Fotogaleria
Florença, Itália EPA/CLAUDIO GIOVANNINI
Fotogaleria
Florença, Itália EPA/CLAUDIO GIOVANNINI
Fotogaleria
Serviços municipais de Noordenveld, na Holanda, tentam arrefecer as estradas com máquinas que lançam água fria para os pavimentos EPA/KEES VAN VEEN
Fotogaleria
Serviços municipais de Noordenveld, na Holanda, tentam arrefecer as estradas com máquinas que lançam água fria para os pavimentos EPA/KEES VAN VEEN
Fotogaleria
Participantes do Festival Paleo, em Nyon, na Suíça, tentam combater o calor com mergulhos na piscina local EPA/SALVATORE DI NOLFI
Fotogaleria
Viena, Áustria Reuters/LISI NIESNER
Fotogaleria
Termómetro junto a um edifício das Nações Unidas marca mais de 36ºC em Bonn, na Alemanha REUTERS
Fotogaleria
Viena, Áustria REUTERS
Fotogaleria
Viena, Áustria REUTERS
Fotogaleria
Pembrokeshire, País de Gales REUTERS
Fotogaleria
Deauville, França. Os termómetros chegaram aos 38ºC. REUTERS
Fotogaleria
Berlim, Alemanha REUTERS
Fotogaleria
Parque aquático em Frankfurt, Alemanha REUTERS
Fotogaleria
Hanau, Frankfurt, Alemanha REUTERS
Fotogaleria
Parque aquático em Frankfurt, Alemanha REUTERS
Fotogaleria
Munique, Alemanha REUTERS
Fotogaleria
Callella, Espanha REUTERS
Fotogaleria
Sangatte, França REUTERS
Fotogaleria
Sangatte, França REUTERS
Fotogaleria
Málaga, Espanha REUTERS
Fotogaleria
Bruxelas, Bélgica REUTERS
Fotogaleria
Jutlândia, Dinamarca REUTERS
Fotogaleria
Berlim, Alemanha REUTERS
Fotogaleria
Bruxelas, Bélgica REUTERS

A vaga de calor na Europa está a fazer com que vários países batam os seus recordes de temperatura máxima: a Alemanha chegou na tarde desta quinta-feira aos 41,5 graus Celsius; a Bélgica atingiu os 40,6 graus Celsius; a Holanda ultrapassou pela primeira vez a barreira dos 40ºC; e a cidade de Paris chegou aos 42,6ºC – tudo temperaturas que nunca tinham sido observadas desde que existem registos meteorológicos em cada um destes locais. 

Esta é a segunda vaga de calor na Europa em menos de um mês. Numa nota do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) é explicado que esta subida de temperatura na Europa é explicada pelo “transporte de ar muito quente do Norte de África”, que acontece “por causa da persistência de uma região de altas pressões sobre o Mediterrâneo Ocidental e França”.

O especialista em alterações climáticas Filipe Duarte Santos explica ao PÚBLICO que sempre houve ondas de calor, mas que se estão a tornar “cada vez mais frequentes” e com registo de temperaturas cada vez mais altas – além disso, afectam vários países ao mesmo tempo.

“É uma questão probabilística: no passado podia acontecer, mas era uma probabilidade ínfima. Agora, a probabilidade destes fenómenos é cada vez maior por causa das alterações climáticas”, argumenta. O aumento de emissões de dióxido de carbono, que faz aumentar a temperatura média do planeta, está por trás das alterações climáticas.

No fim deste século, diz, estas vagas de calor podem passar a ser “o novo normal”, tornando-se mais frequentes, com todos os riscos associados ao nível da saúde e do ambiente. “Os sinais e os efeitos das alterações climáticas são cada vez mais claros e devíamos ser mais eficazes” na prevenção, alerta.

PÚBLICO -
Foto
Imagem composta do satélite Copernicus Sentinel-2 que mostra as temperaturas na Europa a 24 de Julho Copernicus Sentinel-2

A Organização Meteorológica Mundial confirmou a existência de uma “onda de calor ampla e intensa” na Europa, pela segunda vez em menos de um mês. Já as temperaturas altas de Junho estão inseridas numa “onda de calor precoce e excepcionalmente intensa”. Como explica o IPMA, as ondas de calor correspondem a um intervalo de pelo menos seis dias consecutivos em que a temperatura máxima diária é superior em cinco graus Celsius ao valor médio diário do período de referência – para a altura do ano e para o local em questão.

Holanda teve falhas, mas termómetros ultrapassam 40ºC

Pouco depois de anunciar um recorde de temperatura de 41,7ºC na Holanda, o instituto real de meteorologia holandês KMNI disse que estava a “investigar” para ter a certeza de que os valores estavam correctos — e acabou por esclarecer que a temperatura anunciada não era válida e que o verdadeiro valor era de 40,4ºC (que é, na mesma, a temperatura mais alta já registada no país). Os valores anteriormente registados tinham “subido com uma rapidez inacreditável” em poucos minutos, diz o KMNI. Tanto a Holanda como a Bélgica e a Holanda tinham já batido os seus recordes de temperatura na quarta-feira.

Também no Reino Unido as previsões meteorológicas apontam para que se registe nesta quinta-feira o dia mais quente de sempre, com temperaturas que podem chegar aos 39ºC. A temperatura mais alta alguma vez registada no país até hoje é de 38,5ºC. “As alterações climáticas aumentaram a probabilidade e a gravidade destes episódios de onda de calor pela Europa”, alertou o serviço meteorológico do Reino Unido. A temperatura mais alta de sempre registada no Reino Unido num mês de Julho foi já atingida nesta quinta-feira, em Londres: 36,9ºC​. 

A cidade de Paris, capital francesa, atingiu nesta quinta-feira a temperatura mais alta desde que existem registos (1873), revelou o serviço de meteorologia do país, Meteo France: os termómetros chegaram aos 41 graus Celsius ao início da tarde, algo “nunca antes visto”; durante a tarde, voltou a bater-se o recorde, com 42,6ºC. O recorde de temperatura anterior na cidade era de 40,4 graus Celsius e tinha sido registado em Julho de 1947. Em Junho deste ano, França registou pela primeira vez uma temperatura superior a 45 graus Celsius: o recorde de temperatura nacional foi batido durante a onda de calor de 28 de Junho, em Villevieille, onde os termómetros chegaram aos 45,1ºC.

Menos calor e mais chuva nos próximos dias

Ainda que estes países estejam a registar temperaturas muito altas, os próximos dias serão de tempo ameno, acompanhado de chuva e tempo nublado em algumas regiões.

Segundo o Méteo France, as temperaturas elevadas obrigaram a que vários departamentos do Norte de França estejam em alerta vermelho até sexta-feira, prevendo-se “fenómenos perigosos de intensidade excepcional”. As temperaturas vão baixar já na sexta-feira – em alguns locais há uma descida de mais de dez graus – e está prevista chuva e tempo nublado para os próximos dias no território francês.

Grande parte do território holandês está em alerta laranja (o resto sob aviso amarelo) devido às temperaturas altas. A partir de sexta-feira haverá uma descida das temperaturas na Holanda e há também possibilidade de chuva, de vento e de trovoada. Na Bélgica (tal como na Alemanha), as temperaturas também ficarão mais amenas a partir de sábado e está previsto tempo nublado e chuva no fim-de-semana.