Foi libertada a capitã alemã do navio Sea Watch 3 que estava detida em Lampedusa

Carola Rackete foi detida no sábado depois de ter desafiado a “política de portos fechados” imposta pelo ministro do Interior italiano, Matteo Salvini.

Foto
Carola Rackete salva refugiados em associação com a Sea Watch, nome adoptado para a navegação que aguarda autorização para entrar em Itália Reuters/Guglielmo Mangiapane

Um juiz italiano decidiu esta terça-feira a favor da libertação da capitã do navio humanitário Sea Watch 3, Carola Rackete, que foi detida no sábado e estava em prisão domiciliária por ter atracado, sem autorização, na ilha italiana de Lampedusa.

O juiz encarregue do inquérito preliminar recusou o pedido dos procuradores italianos para manter a prisão domiciliaria, salientando que a capitã alemã estava a “cumprir o seu dever de salvar vidas”.

Carola Rackete foi detida no sábado depois de ter desafiado a “política de portos fechados” imposta pelo ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, e as autoridades portuárias italianas ao ter atracado, sem autorização, o navio Sea Watch 3 no porto de Lampedusa. O objectivo era o desembarque de 40 migrantes resgatados ao largo da Líbia que estavam há mais de 15 dias a bordo do navio humanitário.

Carola Rackete foi colocada em prisão domiciliária em Lampedusa e é acusada de resistência ou violência contra um navio de guerra estrangeiro, bem como da tentativa de abalroamento, por ter chocado com uma patrulha de uma unidade policial militarizada (Guardia di Finanza) durante as manobras no porto de Lampedusa. É também acusada de ter entrado em águas territoriais italianas sem autorização. Estas acusações podiam ter valido uma pena de prisão de dois a dez anos.

A acusação alega que a capitã atacou deliberadamente a embarcação da unidade policial que bloqueava o seu caminho, enquanto os advogados de Rackete dizem que ela não pretendia prejudicar ninguém.

Acusada de tentar uma manobra perigosa, Carola Rackete garante que nunca pensou na sua acção como “um ato de violência, mas apenas de desobediência”. A jovem capitã alemã arrisca igualmente enfrentar um processo judicial por suspeita de ajuda à imigração ilegal.

A política imposta por Salvini também prevê a apreensão do navio humanitário e uma coima de 50 mil euros.

Sugerir correcção