Polícia chamada a casa de Boris Johnson após discussão doméstica

Autoridades desvalorizam o caso. Johnson é líder destacado na corrida à sucessão a Theresa May no Partido Conservador e no governo britânico.

Boris Johnson venceu terceira votação do Partido Conservador e aumentou o número de apoios entre os deputados.
Foto
Boris Johnson venceu a terceira votação do Partido Conservador e aumentou o número de apoios entre os deputados. Reuters/PETER NICHOLLS

A polícia britânica foi chamada na noite de quinta para sexta-feira à residência do candidato favorito à liderança conservadora, Boris Johnson, e da sua namorada, Carrie Symonds, depois de vizinhos terem telefonado às autoridades ao ouvirem uma acesa discussão entre o casal, gritos e o som de objectos a bater.

Segundo um vizinho de Boris e Symonds disse ao jornal The Guardian, a discussão era audível no exterior do edifício. O vizinho gravou o incidente e partilhou o registo áudio com o diário, onde é possível ouvir Carrie Symonds a gritar “larga-me” e “sai do meu apartamento”. Ouve-se também Boris Johnson a recusar abandonar a casa.

O referido vizinho bateu à porta, mas não obteve resposta, acabando por ligar o número de emergência. Três patrulhas da polícia chegaram rapidamente, mas acabaram por abandonar o local, depois de Boris Johnson e Carrie Symonds terem garantido que estava tudo bem.

O jornal britânico The Guardian contactou a polícia, que afirmou inicialmente não haver registo de nenhum incidente na morada do provável futuro líder dos conservadores britânicos, acabando posteriormente por confirmar a ocorrência. No entanto, a polícia garantiu que não foram “detectados motivos para a acção policial”. 

Boris Johnson e Carrie Symonds, que trabalha na candidatura deste à chefia dos conservadores e do cargo de primeiro-ministro, mantêm uma relação há cerca de um ano – depois de Johnson terminar o relacionamento com a ex-mulher, Marina Wheeler. Na quinta-feira, Boris Johnson venceu terceira votação do Partido Conservador e aumentou o número de apoios colhidos entre os deputados. 

Sugerir correcção