Mart’nália canta Vinicius de Moraes, o senhor de boina que visitava o pai

Filha de sambistas célebres, Mart’nália está em Portugal para cantar Vinicius de Moraes. Esta quinta-feira no Porto, dia 22 em Ponte da Barca e dia 7 de Julho em Lisboa.

,Música
Foto
Mart'nália DR

Vinicius de Moraes era visita lá de casa, mas ela ainda era demasiado pequena para saber quem era aquele senhor de boina que visitava regularmente o seu pai, Martinho da Vila. E estava bem longe de imaginar que um dia iria ser cantora e gravaria um disco só com canções dele. Mas foi o que sucedeu.

Mart’nália, nascida em 7 de Setembro de 1965 no Rio de Janeiro, numa família de sambistas célebres (o seu nome cruza o nome dos pais, os cantores Martinho da Vila e Anália Mendonça), editou este ano pela Biscoito Fino um disco intitulado Mart'nália Canta Vinicius de Moraes. E está a apresentá-lo ao vivo em Portugal, tendo pelo meio vários concertos na Europa. Esta quinta-feira estará no Hard Club, no Porto (22h) e dia 22 em Ponte da Barca, no Jardim dos Poetas (22h). Depois cantará em Dublin, Londres, Amesterdão, Malmo, Zurique, Lugano e Paris, voltando a Portugal para encerrar a digressão em Lisboa, no Estúdio Time Out (7 de Julho, 19h).

Mart’nália já gravara um tema de Vinicius e Baden Powell (Tempo feliz) no álbum que de certo modo a lançou na ribalta, Pé do Meu Samba, produzido por Caetano Veloso. Isso foi em 2002, depois de dois discos com que deixou de se identificar: Mart’nália (1987) e Minha Cara (1997). Depois viriam outros: Menino do Rio (2006), Madrugada (2008), Não Tente Compreender (2012) e +Misturado (2017), além de quatro registos ao vivo.

O actual tem 14 temas, parcerias de Vinicius de Moraes (1913-1980) com compositores como Tom Jobim, Carlos Lyra, Toquinho, Baden Powell ou Hermano Silva. Voltando atrás: na sua meninice, Mart’nália via-o apenas como visita de casa. “Só depois liguei o nome com a pessoa, com a figura daquele ‘coroa’ de boina”, diz ela ao PÚBLICO. “Mas isso foi mais tarde, quando eu já lia poesia e ouvia música como música mesmo.”

Leveza do amor, mesmo na dor​

A ideia do disco resultou da decantação de várias experiências. Primeiro, ela fez um espectáculo reunindo quatro compositores: Vinicius, Martinho da Vila, Noel Rosa e Chico Buarque. “Cantava oito músicas de cada um.” Depois, quando a convidaram para o Blue Note do Rio, cantou “só dois: Vinicius e Noel.” E esteve para gravar “um projecto paralelo, não de carreira”, com essa dupla. Mas a cantora carioca Teresa Cristina avançou com um projecto próprio só com Noel Rosa e a ideia caiu. “Aí ficámos com Vinicius. Ainda pensei em juntar outro compositor, mas achei que ele sozinho ficava melhor.” Sozinho não é bem, já que traz consigo vários dos seus parceiros de composição.

Depois, foi escolher. “Eu já cantava Onde anda você e a Tonga da mironga do kabuletê (nem sei porquê). Além delas, escolhi as músicas que tinham mais a ver comigo, sem que parecesse estranho cantá-las. Eu acho legal essa leveza dele, do amor, mesmo na dor.” Com direcção, produção musical e arranjos de Arthur Maia e Celso Fonseca (Arthur morreu em Dezembro de 2018, antes do lançamento), o disco teve como convidados Maria Bethânia (que escolheu e diz o Soneto do Corifeu em Eu sei que vou te amar), Toquinho, a voz gravada de Vinicius no Samba da bênção e a cantora francesa Carla Bruni em Insensatez, com versão em francês do músico cabo-verdiano Mário Lúcio.

Ao vivo, o disco foi estreado em Varginha, Minas Gerais, seguindo para Florianópolis, Salvador da Bahia, Rio de Janeiro (Vivo Rio) e Guarulhos, no Estado de São Paulo, onde foi inaugurar uma nova sala de espectáculos, da rede Sesc. Finda a digressão europeia, a carreira do espectáculo continuará no Brasil, por outras cidades e palcos.