Suspeito dos ataques em Christchurch declara-se não culpado

Suspeito transmitiu em directo na Internet o ataque que fez 51 mortos e dezenas de feridos.

Brenton Tarrant assistiu à audiência em videoconferência a partir da prisão de alta segurança de Auckland, na Nova Zelândia
Foto
Brenton Tarrant assistiu à audiência em videoconferência a partir da prisão de alta segurança de Auckland, na Nova Zelândia EPA/Martin Hunter /POOL

O australiano Brenton Tarrant, acusado da morte de 51 pessoas em Março em duas mesquitas de Christchurch, na Nova Zelândia, declarou-se não culpado.

Numa transmissão audiovisual a partir da prisão de alta segurança de Auckland para o tribunal de Christchurch, o advogado Shane Tait disse que o seu cliente se declarava “não culpado” de tudo o que é acusado. Tarrant permaneceu em silêncio ao lado do advogado durante a sessão.

A 21 de Maio, a polícia neozelandesa acusou Brenton Tarrant de terrorismo. E, no total, o australiano enfrenta 51 acusações por homicídio e 40 por tentativa de homicídio.

No dia 15 de Março, 51 pessoas morreram e várias dezenas ficaram feridas num ataque contra muçulmanos em duas mesquitas em Christchurch, antes da oração do meio-dia.

O suspeito transmitiu o ataque, em directo, na rede social Facebook. O vídeo de 17 minutos foi copiado e visto amplamente na Internet, mesmo depois das empresas de tecnologia o terem removido das suas plataformas. Tarrant foi preso no mesmo dia.

Desde então, o Nova Zelândia já aprovou legislação para proibir armas do tipo militar e abriu um período de dois anos no qual as famílias das vítimas podem solicitar o estatuto de residentes permanentes.