Dois dias de luto pela morte do primeiro autarca eleito do Porto

Cerimónias fúnebres de Aureliano Veloso decorrem esta tarde em Matosinhos. Presidente da República elogia a sua verticalidade e caracter.

Aureliano Veloso, numa recepção aos reis de Espanha na Câmara do Porto, em Maio de 1978
Foto
Aureliano Veloso, numa recepção aos reis de Espanha na Câmara do Porto, em Maio de 1978 Fernando Baião/Lusa

O autarca Rui Moreira decretou esta quinta-feira dois dias de luto municipal pela morte de Aureliano Veloso, primeiro presidente da Câmara do Porto democraticamente eleito. A morte do antigo edil foi tornada pública na noite de quarta-feira quando decorria uma reunião da Assembleia Municipal do Porto. Por proposta do presidente deste órgão, Miguel Pereira Leite, foi-lhe dedicado, de imediato, um minuto de silêncio em sua memória.

As cerimónias fúnebres de Aureliano Veloso, irmão do general Pires Veloso, antigo comandante da Região Militar do Norte e candidato à presidência da República, em 1980 - e pai do músico Rui Veloso, decorrem esta tarde, em Matosinhos. De manhã, também o Presidente da República lamentou a morte de Aureliano Veloso, sublinhando a sua dedicação à causa pública e o seu “contributo decisivo” para a afirmação do poder local.

“Figura destacada na vida cívica e política do Norte do país, Aureliano Veloso deu um contributo decisivo para a afirmação e consolidação do nosso poder local”, refere Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota publicada na página electrónica oficial da Presidência da República. Destacando a sua “verticalidade de carácter” e as suas qualidades “pessoais e profissionais”, Marcelo Rebelo de Sousa diz que Aureliano Veloso “será recordado como um democrata e como um homem de princípios e valores, e como um cidadão empenhado, de forma exemplar, no serviço à causa pública e ao bem comum”.

Aureliano Veloso, que morreu na quarta-feira aos 95 anos, foi eleito como independente pelo Partido Socialista, após o 25 de Abril, tendo governado o concelho entre 1977 e 1979, num período de afirmação do poder local democraticamente eleito. Governou sem maioria uma câmara que tinha também eleitos da APU (antecessora da CDU) e do PPD e do CDS. Em 2011, foi agraciado com a Medalha Municipal de Honra da cidade do Porto.

Nascido na freguesia de Folgosinho, em Gouveia, em 25 de Fevereiro de 1924, Aureliano Capelo Pires Veloso, licenciou-se em Engenharia Químico-Industrial pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto em 1949.

Num comunicado emitido ao início da noite de quarta-feira, a Federação Distrital do Porto do Partido Socialista expressou “um enorme pesar face à notícia do falecimento” do antigo autarca. “O engenheiro Aureliano Veloso é uma figura de um enorme relevo na vida cívica da cidade do Porto. Liderando a lista do Partido Socialista, foi o primeiro presidente eleito após o 25 de abril, sendo uma referência para todos os socialistas do Porto”, afirma o presidente da distrital do PS, numa nota enviada às redacções.

Manuel Pizarro destaca que, “embora o Engenheiro Aureliano não seja natural do Porto, radicou-se na nossa cidade ainda muito jovem, manifestando sempre um enorme apego aos valores da Invicta. Também por isso, o Porto não o esquecerá”, afirma, na nota de pesar da distrital. “No Partido Socialista, Aureliano Veloso será sempre recordado pela dedicação e afectividade que entregou à cidade do Porto”, conclui Manuel Pizarro.

Esta quinta-feira, também o presidente do PSD, Rui Rio, homenageou também Aureliano Veloso. Rio autarca do Porto entre 2002 e 2013, lembrou, no Twitter, o seu antecessor como "um homem sério e bem-intencionado” com quem teve “o gosto de privar” enquanto presidente da Câmara do Porto.