No Gambuzino, dá-se azo à imaginação e só é vegetariano quem quer

A chegar ao Largo do Intendente, na Rua dos Anjos, em Lisboa, serve-se “comida e bebida honesta”. O cliente pode ser o que quiser, como se de um gambozino se tratasse.

Foto

Nos Verões, enquanto os miúdos da sua idade mergulhavam nas ondas das praias do Algarve, Vasco Snelling, 29 anos, passava os três meses das férias escolares rodeado de pratos e alguidares na cozinha de um restaurante em Lagos. “Comecei a lavar loiça com 15 anos numa pizzaria durante o Verão. A verdade é que se ganhava bem para um puto daquela idade”, recorda. Passados uns tempos, ganhou-lhe o gosto, e começou “não só a lavar a loiça, mas a fazer saladas e pizzas ao longo dos primeiros anos”.

Daí até abrir o Gambuzino, na Rua dos Anjos, em Lisboa, demorou uns anos. Mas o que podemos contar, para já, é que tudo o que se serve neste espaço é um espelho das suas vivências pelo mundo. Ora vamos então a uma volta ao mundo que termina num antigo prostíbulo do Intendente transformado em restaurante com “consciência ética”.

Filho de pai inglês, Vasco tardou em descobrir o que lhe enchia de facto as medidas. Com 18 anos, mudou-se para a capital e foi estudar Engenharia do Ambiente, na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, mas cedo percebeu que não era o que gostava de fazer.

Dois anos depois, em 2010, foi estudar para a Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril e foi então que descobriu a sua verdadeira paixão: cozinhar. Saído do curso, percorreu uma série de estabelecimentos conhecidos, mas resolveu voltar a casa, no Sul, antes de se lançar na primeira aventura. Em 2015, partiu para bem longe. Primeiro para Sydney, na Austrália, e depois para Melbourne, a segunda maior cidade do país.

PÚBLICO -
Foto

Em Melbourne, o amor bateu-lhe à porta e juntou-se a Monica Graulund, de 27 anos. A namorada de Vasco nasceu na Dinamarca, mas mudou-se para a Austrália ainda muito nova. Conheciam-se de outros tempos, mas só quando perceberam que tinham ido para a mesma cidade, ao mesmo tempo, é que as coisas mudaram.

Em 2016, Vasco ficou responsável por um restaurante, mas quando o seu visto de trabalho terminou passados dois anos, foi altura de fazer as malas. Desta vez com companhia. Durante seis meses, percorreram a Ásia. “Entrámos pela Malásia, fizemos por terra a Tailândia, Camboja e Vietname”, descreve. No final da viagem, à boleia de uns amigos, ainda passaram pelo Japão, antes de aterrarem definitivamente em Portugal. “A Monica queria vir para a Europa, e então decidimos voltar.”

No Verão de 2018, Vasco teve oportunidade de arregaçar as mangas para juntar algum dinheiro e rumou ao Algarve para trabalhar como chef privado nas vivendas de turistas estrangeiros. Às tantas, conta, “estava com uma certa comichão” de querer fazer coisas, e decidiu mudar-se para Lisboa. O objectivo? Abrir um espaço onde pudesse dar azo à criação e deixar fruir no prato todas as experiências dos últimos anos.

PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO -
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

O Gambuzino, o nome, esse surge de uma sugestão de Monica. Quando Vasco a ouviu soube que estava encontrada a identidade do espaço. “Isto é lindo”, pensou. Com esse nome, poderia fazer uma carta cujo objectivo seria pôr a imaginação a trabalhar, um pouco à semelhança do animal imaginário que povoa as mentes de milhares de pessoas em todo o mundo. “Não há imagens do gambozino e cada história contada por uma pessoa é sempre diferente. Então, pensámos em ter uma carta com elementos que desaparecem.”

Os produtos vão variando consoante a sazonalidade e disponibilidade. Há brunch e tostas para todos os gostos. Para as barrigas à procura de uma refeição mais composta, há hambúrguer de beterraba com chips de batata-doce (9,5€), caril de legumes (8€), shakshuka (algo que se assemelha a uma tomatada com ovo escalfado e especiarias, 7€) e petiscos que vão desde a cenoura algarvia (2€) aos cogumelos salteados com alho, vinho e malagueta (5€).

Para quem quiser beber um copo, o Gambuzino pode tentar ser encontrado entre as 12h e as 00h, de quarta-feira a domingo. A regar uma boa conversa ou somente a refeição, há cervejas artesanais e vinhos vegan, todos eles filtrados através de processos de origem vegetal. Há também cocktails clássicos como a caipirinha e mojito ou o expresso Martini algarvio (6,5€) e o spritzer não alcoólico (2€). A Surf Brewery, um dos tipos de cerveja servida, é um projecto português em que todo o dinheiro obtido com a venda do produto é revertido para ajudar na limpeza dos oceanos.

PÚBLICO -
Foto

“Os pratos e as bebidas são tudo influências dos sítios onde estivemos. Gostamos muito de viajar e há sempre aquelas nostalgias”, explica. “Tentamos relembrar-nos dessas memórias e fazer algo vegetariano”. Ainda assim, o Gambuzino não se rotula como um restaurante vegetariano.

Vasco e Monica decidiram “fazer esta casa porque as pessoas deveriam perceber e ter consciência de onde os alimentos vêm”. Ali, junto ao Largo do Intendente, a comida e bebida são simples. “Não é alta cozinha, é mais comida honesta. Com consciência e saudável. Assim sabemos de onde vêm as coisas.”

No Gambuzino, cada um pode ser o que quiser. Carne e peixe ali não entram, mas há opções para todos os gostos. “As pessoas não associam uma imagem ao gambozino, pois quero que o mesmo se passe aqui com o que servimos”, assegura Vasco. Este é um sítio que não é só vegetariano. A ética ponderada em relação ao consumo é o prato principal da casa.