Cada um é arquitecto à sua maneira e Pedro Ramalho prefere a discrição

A Casa da Arquitectura inaugura este sábado Orgânico Racional Pedro Ramalho, a revisitar meio século da carreira deste arquitecto da Escola do Porto. Uma obra “discreta, elegante e rigorosa”, diz Nuno Brandão Costa, curador da exposição.

Fotogaleria
Pedro Ramalho na Casa da Arquitectura Nelson Garrido
Fotogaleria
Exposição Orgânico racional. Pedro Ramalho, na Casa da Arquitectura Nelson Garrido
Fotogaleria
Maqueta das casas do SAAL na Zona das Antas, no Porto,Maqueta das casas do SAAL na Zona das Antas, no Porto Nelson Garrido,Nelson Garrido
Fotogaleria
Fotografias de André Cepeda das obras na actualidade Nelson Garrido
Fotogaleria
Exposição Orgânico racional. Pedro Ramalho, na Casa da Arquitectura Nelson Garrido
Fotogaleria
Exposição Orgânico racional. Pedro Ramalho, na Casa da Arquitectura Nelson Garrido

“Cada um de nós é arquitecto à sua maneira e esse ser arquitecto releva da sua história pessoal.” A exposição Racional Orgânico Pedro Ramalho, que este sábado é inaugurada na Casa da Arquitectura, responde bem a esta citação com que Pedro Ramalho (n. Caminha, 1937) se apresenta aos visitantes. Trata-se da amostragem de “uma arquitectura discreta, elegante e rigorosa, à semelhança do seu autor”, escreve Nuno Brandão Costa, curador desta exposição que vai poder ser visitada na Galeria da Casa até 8 de Setembro.

Em Novembro do ano passado, na passagem do primeiro aniversário da Casa da Arquitectura, Pedro Ramalho fez a doação dos seus arquivos à instituição de Matosinhos: uma dúzia de maquetas, 60 trabalhos do seu tempo de estudante de Arquitectura na Escola de Belas Artes do Porto (onde se formou na década de 60, e onde depois foi também professor), 140 projectos diversos e cerca de 2600 desenhos.

Foi a partir deste acervo que Nuno Brandão Costa foi convidado a organizar a exposição Orgânico Racional Pedro Ramalho. Optou por fazê-lo com a selecção de uma dezena de projectos de obras construídas exclusivamente no distrito do Porto, desde a Casa Emílio Peres (1963-66), na Foz, até à Casa-atelier Ângelo de Sousa (2007-10), passando também por equipamentos urbanos de grande dimensão, como a Piscina Municipal (1975-79) e o Conjunto Habitacional Sete Bicas (1987-94), ambos em Matosinhos, ou a Biblioteca Geral da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (1988-94).

“A cultura racionalista de Pedro Ramalho explica a formalização de uma arquitectura geometricamente simples, de origem clássica”, escreve Nuno Brandão Costa no catálogo que será lançado na inauguração da exposição. Mas acrescenta também que a sua arquitectura “insinua sempre uma raiz organicista que traduz uma sensibilidade específica relativa aos sítios e aos lugares no momento da construção”.

Pedro Ramalho reconhece-se nesta visão e também no roteiro de Orgânico Racional. “Quando comecei a projectar, no início da década de 60, estava muito evidente essa relação com o organicismo que vinha da arquitectura nórdica e em particular do Alvar Aalto, mas nunca perdi essa ideia da racionalidade dos projectos; a atenção que dava à organização das plantas foi sempre muito racional, e muito de dentro para fora”, disse o arquitecto aos jornalistas, quinta-feira, na visita guiada à exposição.

Racional orgânico reconstitui meio século de actividade profissional deste arquitecto da Escola do Porto, que assume como prioritário conciliar a encomenda e o programa com o sítio da construção, mas também com as circunstâncias históricas – foi um dos intervenientes no Processo SAAL [Serviço de Apoio Ambulatório Local], que nos anos a seguir ao 25 de Abril de 1974 se ocupou em suprir as necessidades mais básicas em habitação social no país, e para o qual desenhou um conjunto habitacional para a zona das Antas, no Porto.

“Eu não sou muito pela exuberância, acho que a arquitectura deve ser discreta”, diz Pedro Ramalho, partilhando a afirmação do brasileiro Paulo Mendes da Rocha quando este defende que “o edifício é muito menos importante do que a cidade”. “Cada vez mais me sinto mais limitado pela envolvente, e não estou nada interessado em entrar numa linha de exibicionismo; não quero deixar essa pegada”, acrescenta.

Pedro Ramalho é autor de uma arquitectura que “associa a ética à estética”, diz Nuno Sampaio, director artístico da Casa da Arquitectura, realçando que Racional orgânico, “olhar de um arquitecto sobre outro arquitecto, é apenas uma primeira leitura” da sua obra com base no acervo doada à instituição.

Além da amostragem dos dez projectos construídos na região portuense – uma mesa com as plantas originais, as maquetas respectivas e fotografias desses edifícios na actualidade de autoria de André Cepeda –, a exposição comissariada por Nuno Brandão Costa contém algumas intervenções feitas expressamente para esta ocasião: uma instalação da artista conceptual de Zurique Marianne Mueller, uma caixa de luz de André Cepeda e ainda três “pequenos exercícios gráficos” dos arquitectos Carlos Prata, João Pedro Serôdio e José Miguel Rodrigues – este último é também o autor de uma entrevista inédita ao também arquitecto da Casa das Artes de Famalicão e da recuperação do Teatro Rivoli (Porto), que sairá no catálogo.