As muitas caras do bacalhau, por Ana Moura

Depois de se ter estreado na Cave 23 com uma cozinha criativa, a chef aceitou um desafio completamente diferente: explorar todo o potencial do bacalhau, do clássico ao experimental. Bem-vindos à Bacalhoaria Moderna, em Lisboa.

Foto
Andreia Carvalho

É possível reinventar um produto tão marcante da gastronomia portuguesa como o bacalhau? Num país onde há mil e uma receitas e onde toda a gente tem uma opinião sobre bacalhau, dos profissionais da cozinha aos “treinadores de bancada”, dedicar um restaurante a este peixe vindo das águas dos mares do Norte pode ser uma ousadia.

Por isso, quando surgiu o convite de Susana Almeida e Sousa, Ana Moura, a chef portuguesa que se tinha estreado na Cave 23 do Palácio do Tourel, pediu algum tempo para pensar. Depois, disse que sim. E a Bacalhoaria Moderna abriu, na zona de Picoas (no mesmo espaço onde no passado funcionou o japonês Assuka), em Lisboa, no dia 1 de Fevereiro, com Ana na cozinha, trabalhando à vista dos clientes, e muitos bacalhaus de louça da Bordallo Pinheiro a voarem pelas paredes.

“Achei que num produto tão nosso era interessante tentar dar alguma modernidade”, explica Susana, que vem da arquitectura e antes de lançar este projecto teve um outro espaço de restauração no Mercado da Ribeira. Dessa vontade de introduzir a modernidade num clássico surgiu a ideia de convidar Ana Moura, que na Cave 23 fazia uma cozinha de autor, muito diferente desta (embora tivesse já um prato de bacalhau).

Andreia Carvalho
Andreia Carvalho
Fotogaleria
Andreia Carvalho

Ana, por seu lado, achou piada à proposta de explorar todas as potencialidades de uma mesma proteína e começou a ter ideias. “Comprámos muito bacalhau [da Islândia e de cura tradicional portuguesa]”, conta, “e fomos pensando os pratos e experimentando”.

A carta que propõe parte de um desejo de equilíbrio entre pratos clássicos e outros mais autorais, nos quais se permite ser mais criativa. Um exemplo destes é, logo nas entradas, o tártaro de bacalhau com vinagreta de mostarda (11€), mas também, já nos pratos principais, o cachaço com couves, estragão e tomate (16€). O mais surpreendente é, contudo, o lombo de bacalhau com molho de galinha assada (16€), combinação surpreendentemente bem conseguida.

Andreia Carvalho
Andreia Carvalho
Andreia Carvalho
Fotogaleria
Andreia Carvalho

O que se confirma na Bacalhoaria Moderna é que, apesar de os lombos serem a parte nobre, aparecendo nomeadamente no saboroso arroz (14€) e com grão e broa (16€), há outras partes do bacalhau com características muito próprias, o que evita a sensação de repetição. Nas entradas há também umas gulosas línguas de bacalhau com gema e, no futuro, Ana quer apresentar pratos com os sames (a bexiga natatória do peixe) e as caras.

A preocupação, tanto de Ana como de Susana, é que os pratos clássicos sejam fiéis às receitas – é o caso do à Brás, feito com batatas finíssimas, colocadas no final sobre o bacalhau, para se manterem crocantes, ou da açorda alentejana de bacalhau. A carta inclui ainda dois pratos de carne, o entrecôte com batatas e pimentos assados (17€) e leitão confitado, numa longa cozedura (16€), e dois vegan, migas de espargos verdes, migas de grelo e brocolini (13€) e fideua de legumes (14€).

Foto

Ana faz questão de dedicar uma atenção especial aos acompanhamentos – todos os dias passa pelo Mercado 31 de Janeiro e compra os produtos que estão na época (por exemplo, no prato com molho de galinha, o acompanhamento anunciado na carta eram couves-de-bruxelas, mas, não as tendo encontrado, substituiu-as por alho francês).

Por fim, as sobremesas (todas a 6€), também da autoria de Ana: mousse de chocolate com chocolate branco e amendoim, tarte de queijo e toffee e torta de laranja, Moscatel e rum. “A ideia é ter sempre uma mais cítrica, uma com ovo e outra com chocolate”, explica.

Andreia Carvalho
Andreia Carvalho
Fotogaleria
Andreia Carvalho

A carta de vinhos, não sendo longa, revela algumas escolhas mais personalizadas: nos brancos, por exemplo, a região que surge com mais opções é Trás-os-Montes, uma preferência de Susana, com vinhos como o Valle Pradinhos ou o Quinta Serra d’Oura, enquanto a Bairrada está ausente. No Dão, uma das possibilidades, tanto em tinto como em branco, é o Casa de Mouraz Biológico. Há também opções para diferentes carteiras, do Soalheiro Alto, por 16€, ao Quinta do Vale Meão por 125€. Uma nota, que Susana destaca: é possível trazer o próprio vinho e o restaurante não cobra taxa de rolha. “Se a pessoa quer beber um vinho especial aqui é porque a nossa comida merece”, diz, com um sorriso.