Magistrados, oficiais de Justiça, militares e GNR exigem solução idêntica à dos professores

Carreiras que dependem do tempo para progredir exigem tratamento igual ao dos professores. Fesap fala em “mais de 16 carreiras”.

,Conselho Judicial Supremo
Foto
Nelson Garrido

Magistrados, oficiais de justiça, militares, profissionais da GNR e da polícia marítima exigem que, à semelhança dos professores, todo o tempo de serviço congelado seja contabilizado para efeitos de progressão na carreira.