Lisboa recebe a “primeira grande exposição” de obras de Banksy — sem o aval de Banksy

Banksy: Génio ou Vândalo chega em Junho a Lisboa sem o reconhecimento do artista e com cerca de 70 obras vindas de colecções privadas.

Fotogaleria
Algumas das obras em Lisboa
Arte
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
,Arte
Fotogaleria
Fotogaleria
Mural por Banksy
Fotogaleria
Fotogaleria
,Ifema
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Provavelmente o mais conhecido artista urbano do mundo mesmo sem o mundo conhecer o seu rosto, Banksy vai ter a sua primeira exposição em Portugal. A Cordoaria Nacional vai receber em Lisboa, a partir de 14 de Junho, a exposição Banksy: Génio ou Vândalo com mais de 70 obras originais, anunciou a promotora da mostra na manhã desta segunda-feira. A exposição itinerante, que já passou pela Rússia e Espanha, não tem o aval do artista, que se manifestou contra ela.

A exposição tem por base obras — “esculturas, instalações, vídeos e fotografias” além de serigrafia — em empréstimo por “vários coleccionadores privados internacionais”, escreve a Everything is New em comunicado. A entidade, associada sobretudo à promoção e organização de concertos e festivais de música, tem feito várias incursões na produção de exposições de arte, como foi o caso da mostra recordista dedicada ao trabalho de Joana Vasconcelos no Palácio da Ajuda. Agora, traz a Portugal uma exposição que tem curadoria do geórgio Alexander Nachkebiya, gestor da IQ Art Management Corporation que se apresenta como empresa de “produção e apresentação comercial de arte e multimédia” e que já esteve em Moscovo, São Petersburgo e Madrid em 2018 a ser vista por mais de 600 mil pessoas, diz a organização.

A mostra, que terá bilhetes à venda a partir de sábado, tem como título internacional Banksy: Genius or Vandal e conta com a colaboração, diz a promotora na mesma nota, da “Lilley Fine Art / Galeria de Arte Contemporânea”, que no seu site se apresenta como a “curadora líder de obras do artista ‘Banksy’” e que “foi uma das pioneiras a negociar impressões secundárias de Banksy há mais de 10 anos”. No final do comunicado enviado às redacções, a organização indica que esta exposição, “como todas as que foram dedicadas anteriormente a Banksy, não é autorizada pelo artista, que busca defender seu anonimato e a sua independência do sistema”. No seu site, Banksy tem um aviso na secção “exposições": “Os membros do público devem estar cientes de que tem havido uma vaga recente de exposições Bansky, nenhuma das quais consensuais. Foram inteiramente organizadas sem o conhecimento ou envolvimento do artista. Por favor tratem-nas como tal”.

Conhecido como artista de intervenção, Banksy manifestou-se publicamente desagradado com esta mostra, que inclui na lista de exposições “falsas” no seu site, acompanhadas dos preços de bilhetes cobrados. “Não cobro às pessoas para ver a minha arte a não ser que haja uma roda gigante”, disse Banksy na troca de mensagens que publicou em Agosto de 2018 na sua conta de Instagram e onde mostraria o momento em que alguém lhe deu a conhecer a existência da exposição. Referia-se ao seu anti-parque de diversões Dismaland que montou em 2015 nos arredores de Bristol e para o qual convidou um dos Young British Artist, o consagrado Damien Hirst, ou a artista portuguesa Wasted Rita.

“Banksy é sempre contra exposições que ele próprio não organize”, argumentou na altura Alexander Nachkebiya à televisão estatal russa, citado pelo Guardian em Agosto do ano passado. “Mas sobre o Banksy posso dizer que ele ainda trabalha na rua, ainda é um rebelde, ainda faz trabalho muito relevante e urgente. Por isso acho que isto não é importante para ele.” Na troca de mensagens partilhada na mesma altura, Banksy escreve “gostava de poder achar isto engraçado. O que é o contrário de LOL [o acrónimo sorridente para “laugh out loud”, rir alto]?”.

PÚBLICO -
Foto
Big Gold Frame é uma das obras que vai estar em exposição em Lisboa Banksy

O facto de produzir trabalho não autorizado e de resistir ao circuito convencional da arte levou o próprio artista, na mesma troca de mensagens que publicou online, a admitir que não seria “a melhor pessoa para se queixar de pessoas que exponham imagens sem obter autorização”. Mas a conclusão, “por uma questão de princípio” por se estar a fazer dinheiro com a exposição do seu trabalho segundo o interlocutor na mesma conversa, foi de que publicar a dita troca de mensagens mostraria a sua posição. Banksy é um artista da rua, mas não , com enorme valor no mercado institucional da arte — proliferam as exposições da serigrafia, desaparecem os trabalhos murais para reemergir em leilão.

A exposição estará em Lisboa até 27 de Outubro e os bilhetes normais custam 13 euros. Este ano, também o Porto acolheu uma mostra, desta feita de um fotógrafo que se dedicou a recolher imagens do trabalho do artista. A exposição de Lisboa incluirá “a serigrafia original da série ‘Menina com um balão’, semelhante à recentemente destruída pelo próprio artista em uma acção inédita na Sotheby's”, entre outras obras, diz a Everything is New em comunicado.