Não sabemos quem é Banksy, mas há uma exposição no Porto para o conhecer melhor

De Banksy, Barry Cawston só conhece a obra. Ou assim diz o fotógrafo inglês que apresenta retratos de Dismaland e outras peças do artista urbano na Alfândega do Porto, até 31 de Março. A exposição Banksy’s, Dismaland and Others segue depois para Lisboa.

Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues
Fotogaleria
André Rodrigues

Temos de “clarificar isto”: Barry Cawston não é o fotógrafo oficial de Banksy. Ou assim ele diz. Tanto quanto sabe, nem tão pouco o chegou a conhecer. Ou será que sim? “Acho que estou a chegar perto. Ele não tem muitos parceiros oficiais, certamente”, ri-se o fotógrafo inglês que viu algumas das imagens que tirou, agora em exposição na Alfândega do Porto, irem parar ao site oficial do artista urbano.

“A verdade é que quanto mais me aproximo, mais suspeito tudo parece.” Esta é a versão que nos conta, pouco tempo antes de uma visita guiada pela exposição que, depois da Alemanha, chega ao Porto: Cawston sempre quis fotografar Western-super-Mare, a cidade “muito peculiar, vitoriana”, junto ao Canal de Bristol, que Banksy e mais 50 artistas seus convidados assombraram durante cerca de cinco semanas do Verão de 2015, o tempo em que funcionou Dismaland um “parque de estupefacções” sombrio, anti-Disneylândia, discretamente instalado num complexo recreativo ao abandono. E, para Barry Cawston, o bilhete de visita há muito aguardado para as praias de Western. Acabou por voltar ao antiparque 15 vezes. No final, os actores contratados para lá trabalharem já lhe diziam: “Olá, Barry!” “Não posso dizer exactamente como entrei tantas vezes, mas digamos que passei à frente nas filas."

O projecto pessoal acabou por resultar num livro que sobrepõe fotografias de rua do quotidiano de uma cidade à beira mar com a distopia imaginada por alguém que “antecipou o futuro”. E nem sempre as “fronteiras entre arte e realidade” estão traçadas. “Saía dos portões do parque e percorria as ruas de Western, a tirar fotografias às pessoas nos bancos, nas lojas de fish and chips, e eu próprio não sabia a diferença entre o que era real e o que não era”. Chamou ao livro Are We There Yet? (2016), uma pergunta retórica a um “país dividido” por um referendo que ainda não tem solução à vista.

Foto
Barry Cawston entrou em Dismaland 15 vezes André Rodrigues

No Porto, não se instalou a Dismaland, mas uma exposição que nos quer guiar por uma visita ao parque. Na Banksy’s, Dismaland and Others  patente a partir deste sábado, e até 31 de Março, no Porto, e depois em Lisboa, com bilhetes a 11 euros estão ainda expostos outros trabalhos do fotógrafo, que também já esteve hospedado no Walled Off Hotel, o hotel que Banksy abriu com vista para o muro da Cisjordânia, em Belém. Foi aí que o fotógrafo que joga às escondidas com um dos nomes mais conhecidos da arte urbana decidiu, também ele, pegar na lata de spray. Com a ajuda de artistas palestinianos gravou What Is Brin? (o contrário de Brexit) numa parede junto a uma das torres de observação.

Também já fotografou sinais de Banksy por Nova Iorque e lembra-se “muito claramente” da primeira vez que encontrou uma obra do artista, na zona Este de Londres. O John Travolta com as bananas, o helicóptero e os mísseis. “Estou intrigado com o trabalho dele desde aí. Não faço a mínima ideia do que ele vai fazer a seguir. Às vezes está silencioso e de repente estamos a ver uma das peças de arte dele a destruir-se, na televisão.” Depois, salta do circuito da arte e dos milhões de euros para “a obra de um menino a brincar que é linda, discreta, voltada para a classe trabalhadora, mas com uma mensagem igualmente forte”.

É esta a marca de “um artista verdadeiramente global” que “podemos nunca vir a descobrir quem é”. “Mas isso é parte do divertimento dele, não é? Um mestre do disfarce e da insinuação, faz tudo parte do conjunto. E cada peça de arte que ele faz é chocante, por isso é uma coisa à Zorro, um Robin Hood. Ele fez isto muito bem, ou eles fizeram isto muito bem, de forma a construir um mito."

A melhor parte, e o segredo também poderá estar aí, é "que funciona igualmente ao contrário: as pessoas também não querem realmente saber quem ele é. Eles querem que o mito continue”.