Nasce em Londres uma galeria para Banksy e em Paris um museu de arte urbana

Os admiradores de Banksy já não têm de procurar as obras nas paredes.

Fotogaleria
Uma das obras de Banksy Banksy
Fotogaleria
Obra de Banksy Banksy

Os admiradores de Banksy, o afamado artista urbano de quem não se conhece a identidade, já não têm de passar os olhos pelas paredes de Londres à procura de obras da sua autoria. Pelo menos é o que dizem, exageradamente, alguns órgãos de comunicação ingleses por estes dias.

Tudo isto porque abriu na capital inglesa um espaço expositivo que mostrará em permanência obras da sua autoria. Situa-se no bairro de Dalston, trata-se da galeria Hang-Up e o espaço foi baptizado de “Banksy Bunker”. A galeria estará aberta seis dias por semana, de terça-feira a domingo, e mostrará continuamente os mais diferentes trabalhos do artista, incluindo peças em tela ou esculturas. Todas as peças que ali forem apresentadas serão colocadas à venda para o público em geral.

O director da galeria, Ben Cotton, justificou a aposta declarando que actualmente não existe nenhum lugar que tenha em permanência apenas obras do enigmático artista. O espaço irá hospedar obras do início da sua carreira até ao presente. Estas novidades acontecem numa altura em que a sua aura está em alta, depois do sucesso o ano passado da operação Dismaland ou dos contínuos rumores sobre a sua possível identidade.

Na rua e na galeria

Também em Paris a arte urbana tem agora um espaço permanente com a inauguração do Arte 42 – Museu de Arte Urbana, onde poderão ser vistas cerca de 150 obras de artistas como Banksy, Futura 2000, JR, Invader, Okuda ou do português Alexandre Farto (VHILS). As obras pertencem à colecção particular de Nicolas Laugero-Lasserre, que as cedeu.

O primeiro museu de arte urbana de Paris funciona de terça-feira a sábado, com a particularidade de acontecer apenas no modelo de visita guiada gratuita. O lugar fica na inovadora escola de informática 42, situada no 17º bairro de Paris (96 Boulevard Bessières, 75017) e mais do que um lugar isolado e dedicado exclusivamente às obras, o invulgar espaço museológico é a própria escola pela qual estão espalhadas as obras.

Todas estas iniciativas acontecem numa altura em que as opiniões se dividem acerca da arte urbana. Existe quem sustente que perde a sua força e sentido se retirada do contexto da rua. Há quem argumente que as qualidades estéticas e interpeladoras se mantêm mesmo quando inseridas num espaço expositivo. E quem sustenha que o conflito não existe verdadeiramente a partir do momento em que muitos dos artistas em questão concebem peças exclusivamente para espaços expositivos, ao mesmo tempo que também criam intervenções urbanas específicas.

Recorde-se que em Lisboa existe uma galeria – a Underdogs – que se tem vindo a dedicar em exclusivo a este tipo de dinâmica, mostrando artistas que concebem peças propositadamente para galeria, sendo depois convidados também a conceber intervenções no espaço citadino. Até 5 de Novembro, na Underdogs, é possível ver uma exposição do espanhol Okuda, que também se encontra representado no novo espaço expositivo de Paris.