Material roubado em Tancos esteve para ser afundado na barragem de Castelo de Bode

Autores do furto eram “pilha-galinhas” que só queriam as munições. “Só foi recuperado o que eles quiseram”, disse ex-chefe da PJM, sobre a Chamusca.

Foto
O coronel Luís Vieira no Parlamento LUSA/TIAGO PETINGA

O material de guerra roubado em Tancos, na noite de 27 para 28 de Junho de 2017, esteve para ser afundado pelos autores do furto na barragem de Castelo de Bode. Foi a iminência deste facto que levou a Polícia Judiciária Militar (PJM) ao achamento, afirmou esta quarta-feira o coronel Luís Vieira, ex-director-geral da PJM e um dos arguidos no processo.

“Eles só queriam as munições de nove milímetros, só foi recuperado o que eles quiseram, as munições não foram recuperadas”, disse o oficial na comissão parlamentar de inquérito. "Os agentes deste crime não passam de pilha-galinhas, o difícil era recuperar o material de guerra”, destacou.

Foi por isso que, logo após o roubo, eram claras as prioridades para a Judiciária Militar. Primeiro, recuperação do material de guerra; e, depois, deter os autores do furto com os outros órgãos de polícia criminal e a PJ. O coronel Luís Vieira, que se encontra detido em prisão domiciliária na sequência da Operação Húbris, estabeleceu uma ligação entre os autores do assalto a Tancos e os do roubo das 57 pistolas Glock da PSP. “Eram os mesmos”, garantiu.

Quanto ao achamento do material, o antigo responsável da PJM nega que tudo tenha sido uma encenação. “Não lhe chamo encenação, chamo recuperação de material de guerra, ainda não sei hoje as tarefas que fizeram”, repetiu por duas vezes, referindo-se aos seus oficiais envolvidos na operação. Do mesmo modo, assegurou que o memorando entregue a 20 de Outubro ao tenente-general Martins Pereira, então chefe de gabinete do ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, não estava relacionado com a forma como o armamento foi recuperado.

“Quando fui à reunião de 20 de Outubro não sabia que tinha sido encenação, só passado algum tempo é que o coronel Manuel Estalagem [chefe do núcleo de investigação criminal da PJM] me informou do telefonema”, precisou numa referência à chamada anónima para a Judiciária Militar com a localização do material.

Depois do material recolhido, disse ter dado a novidade ao ministro Azeredo Lopes que lhe requereu a redacção de um comunicado de imprensa com a colaboração dos seus assessores de comunicação. Do que disse aos deputados, depreende-se que o antigo titular da Defesa estava à margem do enredo do achamento. Mas estava a par das más relações da PJM com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

O director desta polícia considerava que o caso era da sua órbita, enquanto acusou a então procuradora Joana Marques Vidal de violação da lei. “Em democracia e no Estado de Direito, todas as competências são estabelecidas por lei”, argumentou. Revelou que a 4 de Julho, aquando da visita do Presidente da República a Tancos, manifestou o seu desagrado. Na sua versão, o Presidente comprometeu-se a falar com a procuradora, tendo sugerido que o titular da Defesa fizesse o mesmo com a sua colega da Justiça.

A 4 de Agosto, Luís Vieira entregou ao ministro Azeredo Lopes um documento para memória futura sobre as competências deste caso. Curiosamente, este memorando tem a mesma data do parecer do jurista Rui Pereira divulgado esta quarta-feira pelo PÚBLICO. “Foi o capitão Bengalinha que falou com ele, e o meu documento é independente”, garantiu. Quanto ao futuro da PJM surpreendeu: “Não me oponho que, no estado em que está, seja integrada na PJ.”