Torne-se perito

Exército argelino pede afastamento de Bouteflika e precipita o fim de uma era

Desde o início do mês que a Argélia é palco de manifestações maciças contra a manutenção do Presidente no cargo que detém há mais de duas décadas.

Bouteflika (esquerda) ao lado de Salah durante uma cerimónia militar
Foto
Bouteflika (esquerda) ao lado de Salah durante uma cerimónia militar RAMZI BOUDINA / Reuters

O chefe do Estado-Maior do Exército argelino, Ahmed Gaed Salah, apresentou um pedido para que o Presidente, Abdelaziz Bouteflika, seja afastado do cargo por incapacidade. O posicionamento dos militares era visto como crucial para o futuro político do país, a braços com grandes manifestações desde o início do mês que pedem a saída do Presidente.

Salah, um próximo de Bouteflika, citou, num discurso televisivo, a crise política vivida no país desde que o Presidente anunciou a intenção de se candidatar a um quinto mandato para o cargo que ocupa há mais de 20 anos, embora não seja visto em público desde 2014 e tenha as suas capacidades muito diminuídas desde que sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) em 2012, tendo perdido a capacidade de falar.

“Tornou-se necessário, até imperativo, adoptar uma solução para sair da crise, que responda às reivindicações legítimas do povo argelino e que garanta o respeito pelas disposições da Constituição e a manutenção da soberania do Estado”, declarou o chefe máximo das Forças Armadas, citado pelo Le Monde.

Assim que Salah terminou o seu discurso, as ruas de Argel encheram-se de carros a buzinar, em sinal de celebração, diz a imprensa local. Desde o início de Março, quando Bouteflika anunciou a recandidatura a um quinto mandato presidencial, que milhares de pessoas têm participado em manifestações inéditas contra o Presidente. Há duas semanas, Bouteflika aceitou não concorrer a um novo mandato, mas propôs estender o actual até que uma nova Constituição fosse aprovada – algo rejeitado pelos manifestantes como um esquema para se manter no poder durante mais tempo.

O afastamento de Bouteflika é requerido ao abrigo do artigo 102 da Constituição, que prevê a saída do chefe de Estado nas situações em que, “por causa de doença grave e duradoura, esteja impedido de exercer as suas funções”. Bouteflika, de 82 anos, sofreu em 2013 um AVC que o deixou fisicamente muito debilitado.

Nas últimas semanas, a pressão para que Bouteflika saísse de cena só ganhou dimensão, com várias manifestações de apoio públicas aos protestos de aliados do Presidente. A grande dúvida era o posicionamento do Exército, uma das instituições mais poderosas na Argélia, em relação à manutenção de Bouteflika no poder.

A resposta foi finalmente dada, com o pedido formal de destituição do Presidente, que agora deverá ser avaliado pelo Conselho Constitucional e depois encaminhado para o Parlamento, que deverá aprovar a demissão por uma maioria de dois terços.

Sugerir correcção