Incêndio de grandes proporções em Barcelos dominado durante a noite

Incêndio florestal de grandes proporções levou 123 operacionais e 36 meios terrestres ao local.

Fumo pode ser visto a grande distância
Foto
Incêndio pode ser visto a grande distância DR

O incêndio que deflagrou neste sábado em Tamel, na freguesia de Santa Leocádia, concelho de Barcelos, foi controlado cerca das 21h15, disse a comandante Marinha Esteves, da Protecção Civil de Braga. “O incêndio encontra-se dominado, mas mantém-se no terreno o dispositivo envolvido no combate”, disse à agência Lusa a responsável da Protecção Civil, especificando tratar-se de cerca de uma centena de bombeiros apoiados por 32 viaturas​.

O incêndio florestal de grandes proporções lavrou durante toda a tarde e início da noite numa zona de mata e nunca esteve próximo das casas​. A situação levou à mobilização de quatro meios aéreos, 36 meios terrestres e 123 operacionais durante a tarde de sábado, de acordo com informações da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC). Os meios aéreos foram retirados do local ao cair da noite, devido à falta de visibilidade, ainda antes de o incêndio estar controlado, segundo fontes da Protecção Civil. Na altura, a responsável da Protecção Civil explicava à Lusa que “o incêndio está dominado em 80%, restando uma frente, que espero venha a ser dominada ainda esta noite, apesar dos ventos fortes que se estão a levantar”.

PÚBLICO -
Foto
Fotografia do incêndio pouco depois de ter sido dado o alerta DR

O alerta foi dado por volta das 13h35. Ao PÚBLICO, o capitão Rui Brito, do Destacamento Territorial da GNR de Barcelos, esclarece que o incêndio terá tido origem numa fogueira abandonada numa zona de mata. O autor da queima de sobrantes foi um homem de cerca de 60 anos, “residente próximo do local”, que já foi constituído arguido. Até ao final da tarde, não tinha sido solicitada a evacuação de nenhuma área habitada nas redondezas.

À agência Lusa, ao início da tarde, fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Braga adiantou que o incêndio tinha três frentes activas, não estando próximo de habitações. Às 18h50, o site da ANPC indicava duas frentes activas. Fonte dos Bombeiros Voluntários de Barcelos confirmou ao PÚBLICO a dimensão do incêndio que motivou “a presença de várias corporações de territórios vizinhos”. 

A combater as chamas começaram por estar dois meios aéreos, 25 viaturas e 81 operacionais, incluindo corporações de bombeiros da zona oeste do distrito de Braga, da Força Especial de Bombeiro e do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) da GNR. De acordo com o Diário do Minho, a combater o incêndio estão os Bombeiros Voluntários de Barcelos, Barcelinhos e Viatodos, assim como corporações dos concelhos vizinhos, como Esposende, Braga e Famalicão.

Governo apela a portugueses para não terem comportamentos de risco

Na sexta-feira, a Protecção Civil tinha emitido um comunicado a alertar que o risco de incêndios em zonas rurais iria aumentar já a partir deste sábado, altura em que se prevê uma subida gradual da temperatura máxima até à próxima terça-feira, com valores de acima do habitual para esta época do ano.

“Este cenário meteorológico traduz-se num aumento dos índices de risco de incêndio, entre este sábado e segunda-feira com condições favoráveis à rápida propagação de incêndios, em especial na região de Lisboa e Vale do Tejo, distritos de Viseu, Aveiro, Guarda, Braga, Vila Real e Bragança, com níveis Elevado a Muito Elevado”, alertava a entidade.

Já neste sábado, ao final da manhã, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, apelou aos portugueses para não terem “comportamentos de risco” nos próximos dias, tendo em conta a previsão de subida das temperaturas máximas em algumas regiões do país.

“O país está preparado, mas sobretudo aquilo que queria dizer é fazer um apelo aos portugueses que nos próximos dias face a um crescimento do risco não tenham comportamentos de risco”, disse o ministro em declarações à margem do 21.º Congresso Extraordinário da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), que decorreu durante todo o dia, em Aveiro.

O governante assegurou ainda que a estrutura “está preparada nas suas diversas componentes”, adiantando que existe um pré-posicionamento de meios, de acordo com as áreas de risco que foram definidas pela Protecção Civil. “O apelo que fazemos é que os cidadãos estejam à altura dos riscos que iremos enfrentar”, afirmou.

Na tarde de sábado, às 15h30, o site da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) ​registava ​um total de 25 incêndios rurais, que mobilizavam um total de 318 operacionais, 95 viaturas e seis meios aéreos. Dos 25 fogos, cinco estavam activos e os restantes em resolução e em conclusão.