Volume de negócios da Sonae cresceu 8% para seis mil milhões

Resultados de 2018 garantem dividendo de 4,4 cêntimos de euro por acção, mais 5% que em 2017.

Fotogaleria
Paulo e Claudia Azevedo Nelson Garrido
Fotogaleria
Nelson Garrido

Com todas as áreas de negócio a crescer, embora a ritmos e com peso diferente, o volume de negócios da Sonae aumentou 8,1% em 2018, para 5951 Milhões de euros. O último ano de mandato do actual Conselho de Administração, com Paulo Azevedo e Ângelo Paupério Co-CEO, cargo que passará a ser desempenhado por Cláudia Azevedo, fica marcada por um crescimento na rentabilidade, com subida de 8,4% do EBITDA subjacente, para 372 milhões de euros.

O resultado do último ano exercício, dominado por gestores do sexo masculino, situação que se vai alterar após a Assembleia Geral (AG) anual, a realizar brevemente, onde serão eleitas três mulheres para o Conselho de Administração, termina com um crescimento nos lucros de 33,7%, passando de 166 milhões de euros para 222 milhões de euros. No comunicado enviado esta quinta-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o grupo (proprietário do PÚBLICO) destaca que o resultado directo que aumentou 58,3%.

No ano em que investiu 702 milhões de euros, com destaque para o reforço da participação na Sonae Sierra, de 50% para 70% (passando a ser consolidada integralmente nas contas do grupo), a dívida líquida caiu 222 milhões de euros, em base comparável, situando-se em 1317 milhões de euros no final de 2018.
A proposta de dividendo a levar à AG é de 4,4 cêntimos de euro por acção, mais 5% que no ano anterior, correspondendo a um dividend yield de 5,4%.

De saída de Co-CEO, Ângelo Paupério, destaca, na informação enviada ao mercado, que “2018 foi um ano de sucesso para a Sonae, que cresceu significativamente, melhorou rentabilidade e concluiu uma importante fase do seu desenvolvimento estratégico”.

Para os resultados apresentados esta quinta-feira, o gestor destaca o contributo positivo de todas as áreas, com destaque para a Sonae MC, que “num contexto de mercado exigente” cresceu 7%, o maior aumento da década, para 4 mil milhões de euros. E para a Worten, a crescer 7,6%, 1,1 mil milhões de euros.

Ângelo Paupério conclui a sua mensagem de apresentação de resultados referindo que “a intensa actividade” do grupo coincidiu com o último ano de mandato do actual Conselho de Administração, integrou enquanto Co-CEO.  Crescimento que “contribuiu para que a transferência de responsabilidades que agora ocorre se processe com redobrado conforto e confiança, na certeza de que a nossa empresa está preparada para os novos desafios e na profunda convicção e sincero desejo que a nova equipa executiva liderada pela Cláudia Azevedo continue a potenciar o sucesso deste projecto único e que tanto nos une que é a Sonae”, declara no comunicado.