“Estava a comer carne e pensei ‘e se isto fosse um corpo humano?’”

O que leva muitos jovens a tornarem-se vegetarianos ou vegan? Falámos com seis para perceber. O exemplo de uns influenciou os outros, mas é, acima de tudo, uma questão de coerência. “Comecei a sentir-me hipócrita”.

Maria foi a primeira. Tinha 14 anos quando se começou a interrogar sobre “o que é matar os animais para os comer”. Foi nessa altura que fez a primeira tentativa de se tornar vegetariana. “Não deu, não consegui”. Mas continuou a ler, a juntar informação sobre a indústria, a saber mais sobre os direitos dos animais e, quando fez 17, tomou a decisão. “Acordei um dia e pensei que não queria continuar a compactuar com este tipo de indústria. Estava já muito consciente e a sentir-me hipócrita. Ia ter um almoço e pensei ‘não vou comer aquela carne, não quero, fazia-me mesmo uma certa repulsa”.

Marta foi a segunda. Tinha visto o exemplo da Maria da Paz Carvalho, sua prima mais velha, hoje com 20 anos, e não teve grande dificuldade. “Desde pequena nunca gostei assim tanto de carne e peixe era aquela coisa que não queria, os meus pais tinham que me obrigar.” Nessa altura, era ainda apenas uma questão de gosto. Só mais tarde, por causa de Maria e do que começou a ler sobre o assunto, é que se tornou, para Marta Novais, também uma questão ética.

“Em 2016, tinha 16 anos, era Páscoa e disse à minha mãe que não queria almoçar carne, ela disse que estava bem e a partir daí nunca mais comi carne nem peixe.” Em três meses, Marta tinha deixado também os ovos, o leite e o queijo. “Na Páscoa fiz-me vegetariana, no Verão já era vegan.” No seu caso, a transição para o veganismo foi natural e muito mais fácil do que a mudança de Maria, que teve mais dificuldade em abandonar coisas como “um bolo que leva manteiga”, por exemplo. “Já não cozinhava omeletes há um ano, mas continuava a comer bolachas com ovos. Foi das coisas que mais me custou. E o queijo também.”

A “repulsa da carne”

A seguir, foi Francisco. Primo de Maria e de Marta, Francisco Silva Dias tinha assistido à mudança nas duas e, nesse mesmo ano de 2016, em Dezembro, também ele se tornou vegetariano. “Nós conversamos imenso, a minha família discute sobre tudo e é muito fácil as modas espalharem-se entre nós”, diz. “Comecei a ganhar noção do que era a indústria, nunca me tinha questionado sobre isso. Mas depois de perceber, senti também um bocado essa repulsa da carne. Ainda comi peixe durante algum tempo. Hoje, praticamente não como produtos de origem animal, mas ainda não posso dizer que sou vegan.”

Leonor foi a última, entre os quatro primos (mas, diz, sorrindo, ainda há lugar para mais conversões, porque os irmãos não são vegetarianos). “Antes disto acontecer na minha família, nunca me tinha passado esta ideia pela cabeça.” Como os pais e os irmãos sempre tinha comido carne e achava “a coisa mais normal do mundo”. Mas de repente “a Maria começou, depois a Marta e nos Natais já estávamos a ver documentários sobre veganismo, depois o Francisco tornou-se e eu comecei a sentir cada vez mais empatia, a dar mais importância àquilo que fazia, e deixou de fazer sentido achar normal e não questionar.”

Às vezes, a decisão já foi tomada, a convicção está lá, mas não é fácil dar o passo. Sabe-se que vai acabar por acontecer, mas é preciso escolher a altura para começar. “Um dia”, conta Leonor Novais, “cheguei à escola, estava com isto na cabeça, a perguntar-me quando é que vou começar e a minha melhor amiga disse ‘parei de comer carne’ e eu pensei ‘pronto, é impossível, não posso mesmo continuar’”. Aconteceu há um ano e meio. Depois, nos últimos seis meses, cortou com o peixe também. Mas reconhece que é tudo muito mais fácil quando está rodeada por pessoas que fizeram a mesma opção. “Já tinha todo o apoio possível, com eles [os primos] é super fácil, temos este sentimento comum e é muito bom.”

Curiosamente, foi o momento de cortar com o peixe que deu uma outra realidade à decisão. “Aí tornava-se mais real, chegar ao restaurante e dizer ‘quero o prato vegetariano’, já não tinha mais a escolha do peixe. Mas soube-me muito melhor, por coerência, para não me sentir hipócrita.”

PÚBLICO -
Foto
Paulo: "À medida que o tempo vai passando, parece que o corpo se adapta à ideia e [comer carne] torna-se cada vez mais inimaginável"

Mas esta não é apenas uma história de primos. Combinamos a conversa com Maria, Marta, Francisco e Leonor em casa de Francisco, em Lisboa, e juntam-se a nós mais dois amigos dele, também vegetarianos (ou quase, dado que Paulo ainda come peixe, ocasionalmente). As histórias não são muito diferentes e percebe-se que nos meios em que circulam este é um tema que começa a interessar a um círculo cada vez maior de rapazes e raparigas das suas idades.

Também no caso do Paulo Frazão Silva, a decisão estava lá algum tempo antes da passagem à prática. “Tinha uns 14 anos e tinha pensado que quando fizesse 16 ia tornar-me vegetariano. Era um plano, quando lá chegasse pensava nesse assunto. Não sei porquê, mas parecia-me lógico.” Acabou por acontecer mais cedo. Tem hoje 16 anos e já não come carne há um ano e meio.

Lembra-se bem do momento. “Estava a comer carne e pensei ‘e se isto fosse um pedaço de um corpo humano?’. Isso deixou-me com tanta repulsa que virei-me para a minha mãe e disse que não queria comer mais carne.” Para surpresa dele, a mãe disse que também não queria e decidiram começar essa aventura juntos. “Vivendo numa casa com mais três pessoas que comiam carne, a minha mãe não se sentia à vontade para fazer isso sozinha”, explica. “O meu pai come carne, o meu irmão mais novo também. Comíamos todos, como come a maior parte das pessoas, que é muito.”

A adaptação acabou por ser mais fácil do que poderiam imaginar. As refeições à base de peixe aumentaram para todos em casa e “há aquelas ocasiões em que acaba por haver bifes para um lado e soja para o outro, mas funciona bem”.

Um bocado hipócrita

Para Joana Semedo, outra amiga também convidada para esta conversa, tudo começou por uma questão de coerência. “Desde o oitavo ano que me interessava imenso por alimentação e nutrição”, diz. A informação ia-lhe chegando, mas confessa que não se sentia ainda suficientemente motivada para agir. Até que um dia a professora de Filosofia pediu aos alunos para escreverem um texto sobre um tema à escolha e ela resolveu escrever sobre vegetarianismo.

Empenhou-se em explicar “porque é que era mais ético, melhor para a saúde e porque é que se devia prestar mais atenção ao assunto”. Havia, no entanto, um problema que a incomodava. “Cheguei ao final do texto e pensei que estava a ser um bocado hipócrita. Decidi nesse dia deixar de comer carne.”. Admite que “não foi por especial empatia” com os animais – “foi por achar que era errado criticar uma coisa que eu estava a fazer”.

Comunicou aos pais e a primeira coisa que a mãe lhe disse foi que achava que seria uma fase, mas, fosse como fosse, Joana teria que cozinhar para ela. “Os meus pais fizeram questão de dizer que ia ser uma coisa que eu ia fazer sozinha e pela qual ia ter que me esforçar.” Isso acabou por ser bom. “Descobri que gostava mesmo de cozinhar e ganhei o gosto de descobrir novos vegetais e coisas diferentes.”

PÚBLICO -
Foto

É com humor que descreve os jantares com a família mais alargada e as perguntas que ainda lhe fazem: “Joana, já não comes carne? Mas ainda comes frango, não? O que é que se passou?” É sempre motivo de conversa e de curiosidade. “Algumas pessoas acham ofensivo por pensarem que nós estamos a criticá-las por não fazerem o mesmo.” No entanto, garante, não quer “impingir” nada aos outros e muito menos ofendê-los. “As pessoas demoram a processar as coisas. Eu tive esta informação toda e mesmo assim demorei tempo.”

Marta partilha da opinião de que mais vale “não ser chato”. Quando vêem a comida dela, alguns interessam-se e pedem para provar. “É melhor isso do que dizer-lhes ‘acabaste de matar não sei quantos animais e gastar não sei quantos litros de água nesse hambúrguer’. Aí a pessoa diz ‘esquece, não gosto de vegetarianos’”.

Não começar de repente

Todos concordam que, mesmo em termos físicos, este é um processo que pode demorar mais ou menos tempo, mas durante o qual o corpo se vai desabituando de certas coisas. “Quando se começa ainda se sente um bocado aquela saudade do chouriço, do presunto”, confessa Paulo. “Depois, à medida que o tempo vai passando, parece que o corpo se adapta à ideia e [comer carne] torna-se cada vez mais inimaginável.” Joana garante que percebe imediatamente se há carne ou peixe num prato. “Arroz com caldo de carne, por exemplo, nota-se logo”, concorda Paulo.

Têm cuidados porque sabem que isso é essencial numa mudança de alimentação deste tipo. Paulo conta que quando foi à médica, já chegou dizendo que era vegetariano e levando com ele toda a informação sobre o equilíbrio nutricional. E ela “ah, ok, estás bem, não perdeste 25 quilos, não estás muito pálido, ok, se acontecer alguma coisa, avisa”.

Francisco assegura, por seu lado, que há hoje tanta informação disponível sobre o tema que “é uma coisa que se aprende a aplicar rapidamente”. Sim, reforça Paulo, explicando que já teve pessoas a fazer-lhe perguntas: “Eu digo, vai vendo, não comeces de repente, se comias arroz com carne não tires a carne e não comas só o arroz, por favor.”

A escola, por outro lado, ajuda pouco. “A única coisa de que me lembro é uma referência em Filosofia, no 10.º ano, um pequeno texto de um filósofo que falava do vegetarianismo”, recorda Paulo. Maria lembra-se de terem “estudado a sobrepesca” e nada mais. É verdade, intervém Joana, com uma gargalhada, “mas nunca apresentavam como solução comer menos peixe.”

É verdade que as cantinas escolares passaram a ter opções vegetarianas, mas não lhes parece que haja ainda todo o cuidado para que o equilíbrio nutricional seja sempre garantido. “Não é como na Ásia”, diz Paulo, “em que há uma grande tradição vegetariana. Nós não temos isso e quando queremos fazer comida vegetariana é uma lasanha vegetariana. As pessoas nem conseguem imaginar o que podem fazer com ingredientes vegetarianos.”

Eles, os quatro primos e os dois amigos, estão felizes com a opção que tomaram e tudo o que lêem ou vêem reforça as convicções que já tinham. Paulo conclui: “Quando uma pessoa começa, pensa só ‘coitados dos animais’, mas depois descobre que há implicações a todos os níveis, não só éticos, mas de sustentabilidade, de utilização de recursos, de desperdício de recursos. E há muitas implicações que acredito que nem nós conhecemos.”