Minoria de Daniel Adrião ameaça votar contra a lista de candidatos do PS

Dez elementos da corrente de Daniel Adrião subscrevem a ameaça de votar contra a lista de candidatos que será apresentada à comissão política no dia 28.

Daniel Adrião
Foto
Daniel Adrião Direitos Reservados

A corrente minoritária liderada por Daniel Adrião ameaça votar contra a lista de candidatos a eurodeputados proposta pela direcção socialista, na próxima quinta-feira, durante a reunião da comissão política nacional do PS.

Esta posição foi transmitida através de um comunicado enviado à agência Lusa e é subscrito por dez elementos da corrente de Daniel Adrião membros da Comissão Política do PS, entre eles o antigo secretário de Estado Paulo Campos.

O cabeça-de-lista do PS às eleições europeias será Pedro Marques, devendo ter em segundo lugar a ex-ministra da Presidência e da Modernização Administrativa Maria Manuel Leitão Marques.

"Não podemos deixar de constatar como prejudicial aos valores do PS a necessidade de proceder a uma remodelação governamental, fazendo sair ministros directamente para a lista do Parlamento Europeu, reforçando a ideia de que a política em Portugal funciona como uma porta giratória, onde os mesmos protagonistas vão sucessivamente ocupando os diferentes cargos políticos, através de um processo de cooptação, sem qualquer intervenção ou escrutínio por parte dos cidadãos", refere o comunicado.

"O PS, que sempre se apresentou como o grande baluarte da liberdade e da democracia, deve aos portugueses outro tipo de exemplo sobre o exercício da democracia no seu próprio seio", apontam os membros desta tendência.

Também segundo esta corrente minoritária, ao contrário do que está escrito na moção de estratégia do próprio secretário-geral socialista, António Costa, o aperfeiçoamento das condições de exercício da democracia partidária "está, mais uma vez, totalmente ausente do processo de elaboração da lista do PS às próximas eleições europeias".

"Ao contrário do que foi defendido, está a ser recusada a prometida maior facilitação da capacidade electiva dos militantes que se queiram candidatar a titulares de cargos políticos. Os militantes socialistas têm assim vedada qualquer possibilidade de poderem participar activamente neste processo e apresentar a sua candidatura a integrar a lista do seu partido ao Parlamento Europeu", criticam.

Face a estas razões, os eleitos pela lista do movimento "Resgatar a Democracia/Reinventar Portugal", que representa cerca de 15% da Comissão Política do PS, "anunciam que votarão contra a lista ao Parlamento Europeu proposta pelo secretário-geral [António Costa], na próxima reunião da Comissão Política Nacional, caso ela não respeite e não espelhe a vontade directa do conjunto dos militantes e da base social de apoio do PS.