Maria Manuel Leitão Marques também é hipótese no PS para as europeias

Ex-ministra da Administração Interna, Constança Urbano Sousa, foi sondada para o PE, mas fez saber que não estava disponível. Quem deverá fazer parte da lista do PS é a deputada Sónia Fertuzinhos.

Foto
Partida de Maria Manuel Leitão Marques para o Parlamento Europeu é há muito discutida no Governo Nuno Ferreira Santos

O nome da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, é visto como uma forte possibilidade para um lugar de destaque na lista do PS às eleições para o Parlamento Europeu (PE), que será liderada pelo ministro do Planeamento e Infra-estruturas, Pedro Marques.

Maria Manuel Leitão Marques é da “máxima confiança” do primeiro-ministro e, na opinião de um membro do executivo de António Costa, representa um “factor de modernidade no Governo”. “Manuela Leitão Marques tem obra feita e está vocacionada para projectos ligados à área da inteligência artificial, ao desenvolvimento e às novas tecnologias. É sempre ela que puxa pelo Governo”, acrescenta a mesma fonte.

Além de Maria Manuel Leitão Marques, que já tinha sido referida por Luís Marques Mendes no seu comentário de domingo passado, outro nome que começou a circular nesta terça-feira foi o da ex-ministra da Administração Interna de António Costa Constança Urbano de Sousa, que se demitiu do cargo, em Outubro de 2017, não resistindo à polémica dos incêndios nesse ano. Constança Urbano de Sousa foi eleita deputada pelo Porto e a sua entrada na lista para as europeias pode ter um significado político: dar um lugar digno ao Porto. 

Ao que o PÚBLICO apurou, Constança Urbano de Sousa mostrou-se, contudo, indisponível para integrar a lista socialista.

No Porto há um grande mal-estar em relação ao lugar reservado ao distrito. Manuel Pizarro, líder da distrital do PS, deverá surgir em nono lugar (o PS elegeu oito eurodeputados em 2014), posição que muitos militantes consideram “desprestigiante” para o distrito. Mas há quem vá mais longe e atire: “É uma humilhação, é indigno para o PS- Porto e significa que a direcção do partido não tem respeito por quem está à frente da distrital”.

Nas europeias de 2014, o Porto teve direito ao primeiro lugar na lista, que foi encabeçada por Francisco Assis.

“A partir do momento em que o nome de Manuel Pizarro seja anunciado, começa a guerra na sucessão do PS-Porto entre José Luís Carneiro [secretário de Estado das Comunidades] e o Eduardo Vítor Rodrigues [presidente da Câmara de Gaia]”, vaticina fonte socialista.

O nome da deputada Sónia Fertuzinhos é dado como certo na lista ao PE que, formalmente, só será aprovado no dia 28 de Fevereiro pela comissão política do partido. Há nomes que são já dados como certos na disputa eleitoral marcada para 26 de Maio. É já certo, como o PÚBLICO noticiou, que Carlos Zorrinho e Pedro Silva Pereira continuarão no PE, pois têm lugar elegível assegurado na lista.

A eurodeputada Maria João Rodrigues, especialista em assuntos da União Europeia, fazia parte das escolhas de Costa para Bruxelas-Estrasburgo, mas a investigação de que está a ser alvo por assédio laboral por uma assistente do seu gabinete pode comprometer a recandidatura. Costa pode estar a fazer um compasso de espera pelo resultado do relatório que está na comissão e assédio do PE.

Em defesa do critério de continuidade de alguns dos principais quadros do partido, António Costa disse que o PS tem de possuir representantes nas principais comissões especializadas do PE.

A nível do PS-Açores, a escolha recai em André Bradford, que é líder parlamentar na Assembleia Regional. Ex-secretário-regional da Presidência no último executivo de Carlos César, entre 2008 e 2012, André Bradford vai substituir na lista o também açoriano Ricardo Serrão Santos.

Com a saída de Bradford para a Europa, Francisco César, filho do presidente do PS, Carlos César, pode vir a ser escolhido para a presidência do grupo parlamentar do PS-Açores na Assembleia Legislativa Regional.

Em relação à Madeira, que ocupará tal como os Açores, um lugar entre as primeiras oito posições, parece haver dúvidas sobre a recondução da eurodeputada Liliana Rodrigues. “Ainda ninguém do PS falou comigo, nem para continuar nem para não continuar. Tenho a minha vida, a minha carreira, por isso, se for para não continuar, não continuo - sem qualquer problema. Se for esse caso [sair], espero que o PS explique essa decisão”, disse ao PÚBLICO Liliana Rodrigues.

O presidente do PS-Madeira, Emanuel Câmara, recusou pronunciar-se sobre a eventual saída da lista de Liliana Rodrigues. “Não vou comentar neste momento. As coisas têm um timing próprio. No fim-de-semana temos a convenção nacional, depois vamos ouvir os órgãos regionais”, declarou Emanuel Câmara.

Depois de fechada a lista europeia dos socialistas, o que só acontecerá no dia 28 de Fevereiro, o PS convoca a sua comissão nacional – órgão máximo entre congressos – para o dia 9 de Março, no Porto, para aprovação do manifesto político com que o partido se apresentará às eleições europeias. com Márcio Berenguer