Curta-metragem de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos na corrida aos Césares

Entre Sombras, ficção lúdica em tom de film noir, é uma das quatro finalistas aos prémios do cinema francês na categoria de melhor curta-metragem de animação.

Foto
DR

O filme Entre Sombras, de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos, está nomeado para os Césares, os Óscares do cinema francês, na categoria de Melhor Curta-Metragem de Animação. Vencedora do Prémio do Público no Curtas Vila do Conde 2018, trata-se da segunda colaboração entre as duas realizadoras depois de Amélia e Duarte (2015), uma outra curta animada que fez uma invejável carreira internacional, tendo acumulado uma dúzia de prémios e duas centenas de exibições.

Entre Sombras é uma conjugação de animação fotograma-a-fotograma, efeitos digitais e imagem real, ambientada num universo de film noir e contando a história de uma funcionária no “Banco do Coração” que um homme fatal arrasta para uma aventura – personagens interpretadas por Sara Costa e Gilberto Oliveira, já protagonistas de Amélia e Duarte. Em comum, ambas as curtas têm o mesmo recurso à imagem real como base de trabalho de animação, embora Entre Sombras tenha implicado um trabalho mais extenso ao nível da pixelização e dos efeitos digitais gráficos.

A nomeação para o César surge visto que o filme, estreado em 2018 no festival de Zagreb, é uma co-produção franco-portuguesa; desde então, Entre Sombras foi seleccionado para 50 festivais e venceu dez prémios e menções honrosas. Nos Césares, o filme português competirá com La Mort, Père et Fils, de Denis Walgenwitz e Winshluss, Raymonde ou l'Évasion Verticale, de Sarah van den Boon, e Vilaine Fille, de Ayce Kartal.

A cerimónia de entrega dos Césares vai decorrer no próximo dia 22 de Fevereiro. O título de melhor filme, soube-se esta quarta-feira, será disputado por La Douleur, de Emmanuel Finkiel, En Liberté!, de Pierre Salvadori, Les Frères Sisters, de Jacques Audiard, Le Grand Bain, de Gilles Lelouche, Guy, de Alex Lutz, Jusqu'à la Garde, de Xavier Legrand, e Pupille, de Jeanne Henry. Ao prémio de melhor filme estrangeiro, por sua vez, concorrem Três Cartazes à Beira da Estrada, de Martin McDonagh, Cafarnaum, de Nadine Labaki, Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski, Girl, de Lukas Dhont, Hannah, de Andrea Pallaora, Nos Batailles, de Guillaume Senez, e Shoplifters – Uma Família de Pequenos Ladrões, de Hirokazu Koreeda.