Maioria dos americanos culpa Trump pela paralisação do Governo

Sondagem da Reuters diz que 47% responsabilizam o Presidente, enquanto 33% apontam o dedo aos democratas no Congresso. O shutdown vai prolongar-se até Janeiro

Foto
Reuters/JAMES LAWLER DUGGAN

A maioria dos americanos culpa o Presidente norte-americano, Donald Trump, pela paralisação do Governo (shutdown) que começou há uma semana com um impasse sobre o muro na fronteira entre os EUA e o México: Trump não assina nada que não contemple uma verba de quase 6 mil milhões para o muro; os democratas não assinam nada que preveja dinheiro para este muro.

Não se espera uma solução rápida para a paralisação, que afecta 800 mil trabalhadores (chama-se paralisação do Governo mas são os serviços que estão paralisados) que ou estão a trabalhar sem pagamento (no caso dos serviços essenciais, estes funcionários serão pagos quando houver um acordo) ou estão de licença sem vencimento.

Na quinta-feira, ambas as câmaras do Congresso encerraram sem qualquer voto, e tornou-se claro que não haveria progressos nos próximos dias, empurrando o problema para 2019. 

No dia 3 de Janeiro, toma posse o novo Congresso saído das eleições intercalares com uma maioria democrata na Câmara dos Representantes. Os democratas já anunciaram que vão tentar outros caminhos para prever verbas para estes departamentos sem financiar o muro.

Os republicanos dizem não estar interessados em aprovar leis que vão esbarrar na falta de assinatura do Presidente, que insiste em ter as verbas para o muro, uma das suas maiores promessas eleitorais.

Segundo a sondagem Ipsos/Reuters, 47% dos inquiridos acham que a culpa da paralisação é de Trump (que chegou a dizer que ficaria "orgulhoso de um shutdown”, e mais tarde disse que a culpa era dos democratas).

Na sondagem, 33% acham que a responsabilidade é dos democratas no Congresso. Há ainda 7% que responsabilizam os republicanos no Congresso.

Apenas 35% dos inquiridos disseram apoiar a inclusão de verbas para o muro na lista dos gastos federais aprovados pelo Congresso e ainda menos, 25%, afirmaram apoiar a paralisação do Governo por essa razão.

Clinton e Obama "venceram" shutdowns

As duas maiores paralisações anteriores ocorreram com Presidentes democratas em conflitos com congressos de maioria republicana, e em ambos os Presidentes saíram vitoriosos: entre 1995 e 1996 aconteceu a maior paralisação de sempre, 21 dias, por causa de um conflito entre o então Presidente Bill Clinton e um congresso republicano sobre o financiamento do Medicare (Clinton foi considerado o vencedor); e em 2013, houve uma paralisação durante 16 dias por causa da medida chave do então Presidente Barack Obama, que prejudicou os republicanos, que acabaram por desistir.

Trump teve já dois dias de paralisação do Governo em Janeiro, por causa de uma medida relacionada com imigração. Este acabou com uma cedência dos democratas.