O fóssil de crocodilo mais antigo do mundo é de Tentúgal

Origem dos crocodilos recua agora 20 milhões de anos, no período do Cretácico. O fóssil vai ser exposto no Museu da Lourinhã.

Fotogaleria
crocodilo Portugalosuchus azenhae Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
crocodilo Portugalosuchus azenhae Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
crocodilo Portugalosuchus azenhae Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
crocodilo Portugalosuchus azenhae Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Octávio Mateus com o fóssil do crocodilo Portugalosuchus azenhae Nuno Ferreira Santos

Até agora, pensava-se que os crocodilos mais antigos tinham surgido há 75 milhões de anos. A descoberta de um crânio e uma mandíbula de crocodilo com 95 milhões de anos, perto de Tentúgal, vem mudar a visão sobre a origem dos crocodilos. Afinal, surgiram na Terra 20 milhões de anos mais cedo do que se supunha.

“É o mais antigo de todos os verdadeiros crocodilos. Chamamos ‘crocodilos’ a répteis do Jurássico que têm aspecto de crocodilo, que são crocodilomorfos, mas não são verdadeiros crocodilos. Tecnicamente, um crocodilo é um animal que faz parte de um clado, de um grupo, que se chama Crocodylia”, explica ao PÚBLICO o paleontólogo Octávio Mateus (da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa e do Museu da Lourinhã), um dos autores do artigo científico que dá agora conta da descoberta, na revista Zoological Journal of the Linnean Society.

PÚBLICO -
Foto
Pedro Callapez, Octávio Mateus e Eduardo Puértolas Pascual

Ora o Portugalosuchus azenhae, o nome científico que lhe foi atribuído pela equipa de cientistas, já é um verdadeiro crocodilo. “Pensava-se que o grupo Crocodylia tinha aparecido há 75 milhões de anos, mas este fóssil surgiu em rochas com 95 milhões de anos. Portanto, a origem dos crocodilos é mais antiga, sendo este o mais antigo de todos”, acrescenta Octávio Mateus, que assina o artigo sobre a descoberta com Eduardo Puértolas Pascual, também da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, e Pedro Callapez, da Universidade de Coimbra.

Como o crânio e a mandíbula inferior descobertos perto de Tentúgal apresentam uma série de características nunca antes observadas, a equipa de cientistas classificou este crocodilo do período do Cretácico não só como uma espécie nova mas também como um género novo para a ciência. Talvez seja um antepassado de todos os crocodilos modernos. 

“A mandíbula tem uma abertura que ajuda a definir o que é um verdadeiro crocodilo em contraste com répteis parecidos com crocodilos, os crocodilomorfos, que ainda não faziam parte do grupo Crocodylia, e não tinham essa abertura nos ossos da mandíbula”, explica por sua vez Eduardo Puértolas Pascual, especialista em crocodilos, citado num comunicado de imprensa sobre o trabalho.

PÚBLICO -
Foto
Ilustração dos fósseis do Portugalosuchus azenhae Joana Bruno

O nome científico, além de conter uma referência clara a Portugal, é também uma homenagem à geóloga que descobriu o fóssil – a geóloga Matilde Azenha. Conta Octávio Mateus que Matilde Azenha encontrou o fóssil perto de Tentúgal (em Casal dos Carecos) quando estava na Universidade de Coimbra e foi fazer trabalho de campo na região. Agora Matilde Azenha é professora no ensino secundário, e doou o fóssil do crocodilo ao Museu da Lourinhã. É aí que em breve estará em exposição, para que todos possamos apreciar um crocodilo muito cretácico.