Um príncipe arrogante e Trump a esquivar-se de Putin marcam arranque do G20

Acusações contra o herdeiro do trono saudita poderão ser debatidas na cimeira. Presidente dos EUA usa a crise na Ucrânia para justificar ter anulado encontro com o líder russo uma hora depois de o confirmar.

Foto
Trump em declarações antes de voar para Buenos Aires LUSA/SHAWN THEW

A incómoda presença do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman – o primeiro a aterrar em Buenos Aires para o G20 – e a crise no estreito de Kerch, com a Ucrânia a pedir ajuda à NATO para se defender da Rússia, invadiram definitivamente a agenda e o tom do fórum que reúne anualmente os líderes da União Europeia e das maiores economias do mundo com os seus homólogos das economias emergentes.

Com confirmações e desmentidos sobre encontros bilaterais e um juiz argentino a aceitar analisar uma denúncia da Human Rights Watch contra MBS (como o príncipe gosta de ser tratado) por causa do assassínio do jornalista Jamal Khashoggi e da guerra no Iémen, o único dado certo é que a cimeira de líderes continua marcada; começa esta sexta-feira e prolonga-se até sábado.

Muito se especulou sobre se o líder da Arábia Saudita (único membro árabe do G20) obrigaria os restantes chefes de Estado e Governo a conviverem com ele em Buenos Aires – exactamente dois meses depois de Khashoggi ser morto e desmembrado por um “esquadrão da morte” enviado por Riad ao seu encontro, no consulado saudita de Istambul; uma semana após ser noticiado que 85 mil crianças com menos de cinco anos já morreram à fome no Iémen desde que o príncipe começou a bombardear o país.

Desafio inédito

O Presidente americano, Donald Trump, insiste que o reino continua a ser um “aliado firme” e mostrou-se agradado com a perspectiva de ver MBS na Argentina. Isto apesar de a CIA ter concluído com grande probabilidade que foi ele a ordenar o assassínio do jornalista que vivia há um ano nos EUA. Quarta-feira, num desafio sem precedentes, o Senado (controlado pelos republicanos) aprovou (63-37) o início de um procedimento para impedir Washington de continuar a apoiar a guerra de Riad no Iémen.

A questão MBS tomou de tal forma conta do encontro que o anfitrião, o Presidente Mauricio Macri, admitiu que as acusações contra o saudita poderão ser discutidas na cimeira. Isto sem nunca estar em causa uma possível detenção; o príncipe goza de “imunidade especial” durante a sua estadia, confirmou o Governo Macri.

MBS foi a Buenos Aires mostrar que as pressões das últimas semanas não o abalaram nem puseram em causa o seu papel de líder absoluto no reino, mas talvez não tenha antecipado todas as consequências da sua presença.

A juntar a um encontro à margem da cimeira já marcado com o Presidente russo, Vladimir Putin, sabe-se que Riad pediu à Turquia para o príncipe se reunir com Recep Tayyip Erdogan. Entretanto, o Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que também se vai sentar com MBS, e o secretário-geral da ONU, António Guterres, fez saber que gostaria de ter uma conversa com o saudita por causa do Iémen.

PÚBLICO -
Foto
O líder saudita fez questão de ser o primeiro a aterrar em Buenos Aires, na quarta-feira Reuters

Resta saber se Trump, que não tem previsto encontrar-se com o príncipe, decidirá fazê-lo depois da iniciativa do Senado – horas antes da votação, a Casa Branca tentou convencer os senadores que abandonar os sauditas no Iémen “também põe a América em risco”, que “o reino é uma poderosa força de estabilidade num Médio Oriente repleto de crises” e fundamental para “conter o Irão”. Não resultou e o Presidente dos EUA pode agora querer sossegar MBS.

Sim, não, talvez

Um encontro que aparentemente Trump já não terá é aquele que estava há muito marcado com Vladimir Putin. Quatro dias depois de a Marinha russa ter capturado três navios e detido 24 marinheiros ucranianos ao largo da Crimeia (que a Rússia anexou em 2014), Trump comentou pela primeira vez a crise afirmando que não “gosta” de “agressões de nenhum tipo” e, sem nunca referir o nome de Putin, sugerindo que “a reunião talvez nem chegue a existir”. 

Um dia depois e Moscovo continuava esta quinta-feira a garantir que a cimeira bilateral teria lugar. “Provavelmente vou encontrar-me com o Presidente Putin”, disse Trump aos jornalistas no relvado da Casa Branca. “Penso que é uma altura muito boa para esta reunião.” Uma hora depois, tinha Trump acabado de entrar no avião que o levou a Buenos Aires, e anunciava no Twitter: “Com base no facto de os navios e de os marinheiros ainda não terem sido devolvidos à Ucrânia pela Rússia, decidi que é melhor para todas as partes cancelar a minha reunião na Argentina com o Presidente Vladimir Putin”.

Isto é o contrário do que queria de Trump o Presidente Petro Peroshenko. Em declarações à NBC News, o líder ucraniano pediu a Trump para dar um recado a Putin na Argentina: "Saia da Ucrânia".

Segundo a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, a decisão foi tomada já no voo a seguir a Trump falar com o secretário de Estado, Mike Pompeo, com o chefe de gabinete, John Kelly, e com o conselheiro para a Segurança Nacional, John Bolton. Mas antes das segundas declarações do dia aconteceu mais do que essa conversa: o ex-advogado do Presidente Michael Cohen declarou-se culpado de ter mentido ao Congresso sobre um projecto imobiliário de Trump na Rússia – num sinal de que a investigação federal sobre as ligações à Rússia da sua campanha de 2016 está quase a terminar.

Os “sherpas”, técnicos que negoceiam durante o ano para chegar a pré-acordos sobre o que estará em debate no G20, já temiam que o comunicado final deste ano não viesse a ter mais do que frases vazias sobre problemas graves como as divergências comerciais entre os EUA e a China ou as consequências das alterações climáticas. É provável que tenham razão. Certo é que – mais do que habitualmente – as atenções vão estar centradas nos encontros bilaterais, fotografias e apertos de mão, ou seja, tudo o que acontecerá à margem da cimeira.