Facebook admite ter contratado empresa de relações públicas para criticar George Soros

A informação vem no seguimento de uma investigação do New York Times sobre as estratégias utilizadas pela rede social para lutar contra os seus críticos.

Foto
Mark Zuckerberg diz que não tinha conhecimento do caso até ler a história do New York Times LUSA/STEPHANIE LECOCQ

O Facebook admitiu ter contratado uma empresa de relações públicas em 2017 para ajudar a limpar a sua imagem. O processo incluía enviar dicas a jornalistas sobre as relações financeiras entre os opositores do Facebook e George Soros, o multimilionário norte-americano que descreveu o Facebook como um “perigo para a sociedade” no Fórum Económico Mundial de Davos.

A informação – confirmada pelo próprio Facebook num comunicado publicado esta quarta-feira – vem no seguimento de uma investigação do jornal The New York Times sobre as estratégias utilizadas pela rede social para lutar contra os seus críticos. 

Enquanto activista político e filantropo judeu, Soros está frequentemente no centro de várias teorias da conspiração da extrema-direita (em parte, porque já doou somas avultadas a causas próximas do Partido Democrata). As teorias acusam-no de orquestrar ataques por grupos antifascistas, de manipular a economia mundial, e de querer financiar um projecto de genocídio da raça branca. Em Outubro, Soros uma foi uma das figuras publicas norte-americanas ligadas ao Partido Democrata, a receber no correio pacotes com bombas artesanais prontas para serem detonadas. O grupo incluía também o ex-Presidente Barack Obama e a antiga secretária de Estado Hillary Clinton. 

“[Em 2017] estávamos a enfrentar uma pressão crescente dos nossos concorrentes em tecnologia, e empresas de media que querem que o governo nos regule”, explicou Elliot Schrage, o responsável pela política e comunicação do Facebook, em comunicado. “A pressão tornou-se particularmente aguda em Setembro, depois de publicarmos detalhes sobre a interferência russa nos nossos serviços. Decidimos contratar empresas [de comunicação] associadas tanto aos republicanos como aos democratas – a Definers era uma das empresas associadas ao Partido Democrata.”

O trabalho da empresa passava por recolher notícias da imprensa sobre o Facebook, contactar jornalistas, e fazer trabalho de investigação. Depois de Soros “atacar o Facebook” durante o seu discurso em Davos, Schrage diz que a Definers ficou encarregue de perceber o motivo. “Nunca tínhamos ouvido tais críticas da parte dele antes. Por isso, queríamos determinar se existia uma motivação financeira”, disse Schrage.

No processo, o Facebook descobriu que Soros estava a financiar vários grupos a participar na campanha “Freedom from Facebook” (uma campanha criada em 2018 para criticar o comportamento da rede social). “[A Definers] preparou então documentos para distribuir à imprensa e mostrar que isto não era um movimento popular independente.”

Zuckerberg diz que não sabia

Tanto Mark Zuckerberg como a directora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg – que são ambos judeus –, alegam que não tinham conhecimento concreto do caso. Numa conferência por telefone com a imprensa internacional, Zuckerberg disse que só soube da história depois de ler a peça do New York Times. Sandberg admite que “não se lembrava de uma empresa chamada Definers” quando leu a notícia do jornal, mas diz que, quando foi confirmar a situação, encontrou um pequeno número de emails onde a equipa era mencionada.

O desconhecimento dos líderes não os impede de ser criticados pelo comportamento do Facebook. “Tem sido uma desilusão ver-vos a falhar em monitorizar o ódio e a desinformação na plataforma do Facebook. Descobrir que têm um papel activo em promover estas distorções é chocante”, criticou Patrick Gaspard, presidente da Open Society Foundation, a organização de direitos humanos financiada por George Soros.

O número de teorias da conspiração a mencionar Soros tem aumentado no último ano, em parte devido às acusações do presidente norte-americano Donald Trump, feitas no Twitter, de que os seus críticos são actores pagos pelo filantropo. “Olhem, todos os actores fizeram cartazes iguais. Pagos pelo Soros e por outros”, escreveu em Outubro.

Nas redes sociais, surgem também criticas que comparam o trabalho do Facebook contra Soros a campanhas anti-semitas.

É algo que Sandberg nega. “A ideia de que o nosso trabalho foi interpretado como anti-semita é repugnante – e profundamente pessoal”, escreveu sobre o trabalho da Definers. “Nunca foi a intenção de ninguém entrar numa narrativa anti-semita contra o senhor Soros ou qualquer outra pessoa. Ser judia é uma parte central de quem eu sou e a nossa empresa é firmemente contra a difusão do ódio.”

Apesar de admitir a colaboração com a Definers e o trabalho feito sobre Soros, o Facebook não pediu desculpas pelo método. “Seria irresponsável e pouco profissional de nós não querer perceber o passado e a história dos potenciais conflitos de interesse dos nossos críticos”, lê-se no comunicado da empresa.

Além da controvérsia com a Definers, a investigação do New York Times revela que o Facebook recebeu indícios de que existia interferência russa nas eleições americanas a ocorrer na rede social em 2016, e que a empresa contratou novos profissionais de comunicação depois do escândalo com a Cambridge Analytica.