Nash Does Work

Entrevista

Dino d’ Santiago e também do Algarve, do Porto e da nova Lisboa

Nasceu em Quarteira, viveu no Porto, andou pela Europa dos sons urbanos, encontrou a sua voz na ilha de Santiago em Cabo Verde, antes de se fixar em Lisboa e de ser o guia da cidade crioula para Madonna. Agora lança um álbum e diz-nos que isso está lá tudo.

Eis Dino, algarvio, lisboeta, portista, português, d’ Santiago, Cabo Verde. “Sinto-me tanto da Quarteira, onde nasci, como da ilha de Santiago, em Cabo Verde, de onde são os meus pais e onde estão as minhas as raízes, ou do Porto, onde vivi dez anos, e de Lisboa, onde agora resido e tudo isto acaba por adquirir significado”, diz-nos Claudino de Jesus Borges Pereira, mais conhecido por Dino d’ Santiago, 35 anos, com álbum novo a editar a 19 de Outubro.

Um disco onde recria sonoridades cabo-verdianas como o batuque ou o funaná com o filtro da electrónica e por uma voz envolvente próxima dos territórios R&B. Um som mais sensual que sexual, consciente das suas raízes mas também das dinâmicas globais, um todo que nos devolve jovialidade mas também alguma melancolia. Um universo – ou um Mundu Nôbu, nome do álbum – que descola das suas obras anteriores, cantando em crioulo e em português, e que acaba por dar conta de um novo período da sua existência.

“Em 2008 quando o primeiro álbum surgiu foi por necessidade de agradecer às pessoas que estiveram comigo desde o início, juntando o pessoal que fazia parte da Jaguar Band no acompanhamento aos Expensive Soul e chamando quem me inspirava, como o Sam The Kid, o Virgul ou o Valete, e depois abriu-se um novo ciclo com os Nu Soul Family. São fases da vida. Agora estou com uma tribo renovada e existem outras histórias.”

Ele começou por dar nas vistas em 2003 num concurso de talentos da TV (Operação Triunfo). De seguida envolveu-se na música urbana globalizada, fazendo parte de várias aventuras com soul, R&B ou hip-hop lá dentro. Nos últimos anos, desde que surgiu em versão solitária, foi-se renovando. E agora, diz, tem “uma nova tribo”, que tanto aglomera a produtora-promotora Enchufada, como Mayra Andrade ou Madonna. “Estive cinco anos fora. Andei em concertos pela Europa, Coreia do Sul, Brasil ou Nova Iorque, e às tantas toda a gente me dizia: mas como é que tocas tanto lá fora e aqui nada? Tinha a ver com a estratégia da editora Lusafrica, com sede em Paris, mas cujo mercado não é Portugal. A verdade é que tinha saudades. E queria voltar.”

Por um lado sentia saudades da família. Mas era mais do que isso. “Sentia que tinha algo para dizer. E também que a ligação entre Santiago e Lisboa era mais forte aqui. E por outro lado havia várias pessoas a chegar aqui e sentia que esta era a altura certa para estar em Lisboa. E foi aí que também encontrei o Kalaf Epalanga, aquando de um concerto na Alemanha, que me pareceu ser a pessoa que podia entender esse meu lado mais tradicional e fazê-lo coincidir com o movimento urbano ao qual estava ligado.”

No meio dessas movimentações viajou até Cabo Verde e isso viria a revelar-se determinante para as suas opções. “Fui lá tentar perceber porque é que o meu pai, depois de 40 anos a viver em Portugal, queria reformar-se num local que eu havia conhecido em 1989, sem luz e água potável, no interior da ilha, no meio do nada?”, ri-se ele. “E a verdade é que foi nesse Cabo Verde rural que eu sinto que encontrei a minha voz e me reconciliei com o crioulo, que eu em criança rejeitava, porque não o dominava.”

Quando regressou a Lisboa não tinha dúvidas do que queria alcançar. “Desejava conciliar o Dino da soul e funk, com o funaná lento e o batuque do universo de Cabo Verde, com a electrónica do afro-house ou do hip-hop.  Era isso que me fazia sentido.” Para alcançar semelhante resultado, para além da produção executiva de Kalaf, percebeu que tinha de trabalhar com alguém que entendesse de ritmos, mas também de musicalidade, melodias e harmonias. Foi aí que apareceu o inglês Paul Seiji, na altura a viver em Berlim, co-fundador dos Bugz In The Attic, um colectivo que se destacou na transição dos anos 1990 para os 2000, na cena electrónica londrina. “Foi há cerca de três anos que tudo começou”, lembra. “Fui para a Alemanha e foi árduo encontrar esse som”, ri-se. “Há músicas que têm cerca de 27 versões”, lembra, acrescentando que, mais uma vez, foi uma viagem até Cabo Verde que ajudou a desbloquear algumas ideias.

Estiveram 15 dias na ilha de Santiago, tendo sido acompanhados também pelo músico e produtor americano Rusty Santos. “A sua função foi identificar qual dos ritmos da ilha transpostos para o som electrónico iriam ter mais pujança”, esclarece, lembrando que quando regressaram voltou a interpretar todos os temas. As canções passaram por diversos estádios, parecendo ter havido um processo de depuração ao longo do tempo, com o resultado final a revelar-se mais despojado e simples do que se previra. “Houve realmente uma reavaliação”, concorda. “O Seiji foi para Londres, voltou a ouvir tudo e concluiu que as maquetas iniciais – só voz, guitarra e produção – já continham tudo o que era essencial. E concluímos que faltava apenas dar-lhe um amparo mais etéreo, vestindo aqui e ali aquela sonoridade, e retirar o ruído à volta.”

A maior parte dos temas são espaçosos, fazendo sobressair a voz melodiosa, com os ritmos optando quase sempre por uma celeridade a meio tempo, inspirados numa série de tipologias (funaná, batuque, tarraxo, kizomba, afro-house) que adquirem formas electrónicas. É isso que acontece em Nova Lisboa, com a ajuda de Branko & Pedro, ou em Nôs crença, com o dedo de Loony Johnson, numa aproximação envolvente à kizomba. O mesmo sucede em Fidju poilon ou Nós funaná, com o balanço rítmico a perder a sua carga electrizante, para assumir tonalidades mais enleantes, ou na delicadeza afro-house de Raboita Sta. Catarina.  

Apesar de procurar um novo híbrido desejava que o sentir mais tradicional fosse discernível. “E aí os meus pais e familiares foram uma boa bússola. Quando lhes dei a ouvir o resultado sentiram-me nas canções e a roupagem não lhes pareceu estranha e isso foi um bom indicador. De alguma forma, apesar de ser um álbum com pulsações de Nova Iorque, Berlim e Cabo Verde, sinto que encontrei a minha voz nele. Não se sente tanto as influências dos cantores que sempre admirei como, por exemplo, o Marvin Gaye.”

É uma obra menos herdeira de uma tradição anglo-saxónica, procurando uma nova identidade transcontinental, reinventando uma série de ritmos. “O que importa é comunicar. Tenho amigos de muitos países europeus e domino algumas línguas, não sinto necessidade de empunhar uma bandeira. Sinto-me de Quarteira, Lisboa, Porto ou Santiago. É difícil conseguir identificar o que tem mais força dentro de mim.” Pelo menos, neste momento, talvez até seja Lisboa, mas porque representa para ele tudo o resto. É a súmula. Não é por acaso que uma das canções se chama Nova Lisboa.

Tal como não constituiu uma coincidência ter marcado a nossa conversa na casa de um amigo, no Campo de Santa Clara. “Nos últimos anos quase todos os momentos musicais importantes que vivi foram dentro de casas particulares como esta, talvez porque aí te ligas mais às pessoas”, revela, apontando uma série de agentes que se foram tornando importantes nesse gravitar à volta da música em Lisboa, como Mayra Andrade, Sara Tavares, Lura, Nelson Freitas, Djeff Afrozila, Kalaf, Branko ou DJ Marfox. “Toca-se música, ouve-se, conversa-se, trocam-se ideias. Vamos a casa de alguém, leva-se uma cachupa e o pessoal junta-se assim.”

PÚBLICO -
Pluma

E depois existiu um momento em que todas essas sessões caseiras ganharam novos contornos. “Foi quando ‘aquela’ senhora chegou à cidade”, diz ele, numa alusão a Madonna, de quem se tornou amigo e guia pelas vielas sonoras da cidade. “De repente, pedia-me para conhecer música de Angola, de Cabo Verde ou de Moçambique. Havia uma curiosidade genuína. E por incrível que pareça o que ela mais sentiu foi a cena do batuque. Foi numa dessas sessões caseiras que aquelas mulheres, algumas acordadas desde as 6 da manhã para irem para o trabalho, criaram ali um universo muito próprio capaz de arrepiar qualquer pessoa.”  

No último ano e meio muito se falou de Dino por causa dessa associação com Madonna, algo que o pode dar a conhecer a novas audiências, mas que também pode provocar resistências noutras. Não se diz preocupado. “Estou grato, apenas. Eu dei-lhe a conhecer algo que ela não conhecia, mas foi ela que puxou por mim para dar esses passos. E nessa dinâmica fui reencontrando pessoas e dali nasceram outras coisas. Nesse processo de dar-lhe a conhecer essa Lisboa que me estava a fascinar, fui recebendo mensagens que provinham de todos os cantos do mundo da maneira mais louca e tu aí tens noção da grandiosidade daquela pessoa que está sentada no chão a comer contigo. Mostrou-se sempre simples. Quis saber sobre a minha vida e dos que nos rodeavam e mostrou uma curiosidade genuína sobre a música. Fez-me a mim próprio ir procurar e querer saber mais.”

E ouviu Madonna o presente álbum de Dino? “Sim. Sentiu-o. Fui-lhe mostrando. E expressou a sua opinião em alguns temas o que respeitei porque senti que estava a ouvir com interesse e não apenas por ouvir. E depois escolheu canções minhas, como Pensa na Oji e Nova Lisboa, para a banda-sonora da história da Vogue. Enfim, só me posso sentir grato.” E não existe o risco de ficar conotado como sendo um protegido da cantora? “Não, de todo. Não tenho falado de forma aprofundada sobre essa relação. Esta é aliás a primeira vez que o faço desta forma, porque estamos a falar do meu disco e eu acho que isso fez parte deste processo. Mas nada existe em toda esta história que não seja real. Portanto não existe nada que me intimide. Sinto que foi ela mais a absorver do meu mundo do que eu do dela e fê-lo num contexto familiar onde as pessoas presentes foram aquilo que são todos os dias.”

E para o sublinhar revela que a Lisboa que foi mostrando à cantora irá estar presente no seu novo álbum. “Deixa-me orgulhoso saber que as batucadeiras, Cabo Verde e esta Lisboa vão estar de alguma forma nesse disco porque alguém do seu alcance chegou aqui, foi absorvendo esta cultura, abraçou-a, sentiu-a e inspirou-se nela.”

Curiosamente o álbum de Dino, que celebra a Lisboa crioula, miscigenada ou transcontinental, é lançado numa altura em que o tema do racismo volta a ser omnipresente no espaço público. Pode parecer uma contradição. Ou não. Porque é por norma em alturas de grande visibilidade da cultura urbana negra que também existe mais reactividade. “Não saberia traduzir da melhor forma”, afirma ele, “é mesmo isso sim, embora não sinta que do ponto de vista do movimento cultural essa segmentação que se sente noutras cidades seja tão real aqui. Pelo menos nesta altura. Sinto que Lisboa ainda abraça quem vai chegando.”

Para já, depois do lançamento do disco, seguir-se-ão concertos, havendo para já duas datas próximas: Hard-Club do Porto a 27 de Outubro e festival Super Bock Super Rock de Lisboa a 23 de Novembro. “O caminho de encontrar uma formação para o palco foi quase tão longo como a criação do disco”, ri-se ele, “mas como o álbum vive muito dos coros, queria vozes femininas a dar corpo às canções e é isso que irá acontecer, com a banda a ser constituída por três multi-instrumentistas em vozes, sintetizadores, guitarra e baixo.” Participações especiais nos concertos, tal como no disco, é que não haverá. Quer dizer, no álbum, existe uma que se faz ouvir por vezes. “Houve a participação da minha avó, que é muito especial, feita a partir de testemunhos que fui gravando e que usei no meio dos temas”, revela com agrado, como se o tempo lhe tivesse feito perceber que, afinal, a memória é essencial na construção de um mundo novo.