Carlo Allegri/REUTERS

E o mundo riu-se na cara de Donald Trump

A gargalhada colectiva na imensa sala onde decorria a última Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas não foi só um momento embaraçoso para Donald Trump. Foi uma reacção generalizada do mundo aos discursos pomposos do presidente dos EUA. E foi também um ataque a uma das afirmações principais e fantasiosas de um presidente que, de acordo com o Washington Post, fez mais de 5 mil declarações falsas ou enganadoras desde que chegou ao poder, em Janeiro de 2017.

Há já muito tempo que o presidente Trump argumenta que os outros países se têm aproveitado dos Estados Unidos – “o alvo de chacota do mundo inteiro”, publicou no Twitter em 2014 – e a sua ascensão política baseou-se na premissa de que ele teria a força e a determinação para mudar isso.

Mas na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas da última terça-feira, Donald Trump foi castigado no maior palco do mundo. Com um discurso que tinha como objectivo estabelecer a soberania dos EUA sobre as vontades e necessidades das outras nações, o momento triunfante do presidente ficou marcado logo no primeiro minuto, quando a audiência se riu – à sua custa.

O momento embaraçoso aconteceu quando Donald Trump se vangloriou de que a sua administração fez mais em dois anos do que “qualquer outra administração” na história americana, o que despertou risadas na enorme sala.

PÚBLICO -
Foto
Na tarde de terça-feira, Donald Trump emanava um ar de indiferença, dizendo aos repórteres que aquela parte do discurso tinha como objectivo “suscitar o riso” Reuters

O presidente dos EUA pareceu ter ficado surpreendido. “Não estava à espera desta reacção”, disse, “mas tudo bem.” E a audiência que o ouvia riu-se novamente – desta vez, talvez por simpatia.

Donald Trump continuou o seu discurso, que se prolongou por mais 34 minutos, mas o momento marcou a reacção da comunidade internacional a um presidente que tem adorado “picar” aliados dos EUA em assuntos como o comércio, alianças de segurança e os bons costumes diplomáticos em geral.

“[Trump] Sempre teve uma obsessão com as pessoas a rirem-se do presidente. Desde meados dos anos 1980 que ele diz: ‘O mundo ri-se de nós. Pensam que somos idiotas’”, disse Thomas Wright, um analista europeu da Brookings Institution. “Não é verdade, mas ele tem dito o mesmo sobre todos os presidentes. Que saiba, é a primeira vez que alguém realmente se riu de um presidente. Acho que isto o vai levar à loucura. Vai ao encontro de todas as suas inseguranças.”

Para Donald Trump, o momento não foi só embaraçoso. Foi também um ataque a uma das afirmações principais e fantasiosas de um presidente que, de acordo com factos apurados pelo Washington Post, fez mais de 5 mil afirmações falsas ou enganadoras desde que chegou ao poder.

À medida que as eleições intercalares se aproximam, Trump começou a vangloriar-se de uma longa lista de feitos da sua administração, chegando a recitá-los num comício de campanha recente através de duas folhas de papel que retirou do bolso do casaco.

Assim, o presidente dos Estados Unidos tem clamado um sucesso esmagador e comparou-se a si mesmo, favoravelmente, aos maiores líderes da nação. Num comício em Springfield, Missuri, na semana passada, Trump discursava para os seus apoiantes e preparava-se para terminar com uma prosa floreada no teleponto sobre a coragem dos fundadores da América quando se desviou do guião para afirmar que a sua eleição em 2016 foi “o maior movimento da história” dos EUA.

Nas Nações Unidas, a reivindicação de Trump de que fez mais em menos de dois anos do que as 44 administrações anteriores desafiou todos os limites da realidade – ou arrogância.

“Por um lado, pensas ‘Oh, meu Deus, coitado do presidente americano, todos se riem dele no palco do mundo’”, disse Julie Smith, que trabalhou para o vice-presidente Joe Biden como vice-conselheira de segurança nacional. “Mas por outro lado, sentes-te contente que Donald Trump tenha finalmente saído da bolha dos comícios políticos que continuamente lhe dão a impressão de que todos concordam com as suas falsas afirmações”, disse Smith, que viu o discurso de Trump a partir de Berlim, onde está a passar um ano como bolseira na Academia Bosch. “Houve um momento em que pensei para mim mesma, ‘Ainda bem que o presidente está ser exposto ao que o resto do mundo pensa dele.’”

Apesar de o riso dos líderes mundiais nas Nações Unidas ter sido espontâneo, pode ter havido algum aproveitamento por parte de algumas das delegações. As câmaras televisivas apanharam alguns dos diplomatas alemães a rirem-se — talvez uma forma de aliviar a tensão depois das relações entre Trump e a chanceler Angela Merkel terem começado com o pé errado e assim têm continuado.

No ano passado, os alemães presentes na conferência do Conselho Económico da União Democrata Cristã, em Berlim, riram-se e aplaudiram depois de ter sido cortada a palavra ao secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross, quando este ultrapassou o tempo destinado ao seu discurso. Merkel respondeu depois aos comentários de Ross ao longo do seu discurso.

PÚBLICO -
Foto
Para Thomas Wright, analista da Brookings Institution, este momento “teve de doer” ao Presidente dos EUA. “Foi filmado e foi espontâneo. Foi num dos maiores palcos do mundo.” Carlo Allegri/Reuters

Nas redes sociais, os críticos de Trump não perderam tempo e gozaram com ele. “Os presidentes americanos costumavam estabelecer a agenda global na Assembleia Geral das Nações Unidas. Agora riem-se de Trump”, publicou no Twitter Ben Rhodes que, como assessor de segurança nacional para Comunicações Estratégicas, ajudou o Presidente Barack Obama a escrever discursos das Nações Unidas.

“O mundo acabou de se rir de @realDonaldTrump”, publicou, por sua vez, a comediante Wanda Sykes no Twitter. Referindo-se ao famoso teatro em Harlem onde a audiência vaia e interpela os maus actores, acrescentou, “Mantenham-se sintonizados, pode ser que façam como no programa Showtime at the Apollo.’“

Na tarde de terça-feira, Donald Trump emanava um ar de indiferença, dizendo aos repórteres que aquela parte do discurso tinha como objectivo “suscitar o riso”. Mas alguns dos espectadores não acreditaram, uma vez que o presidente raramente ri de si mesmo e a sua expressão típica é um olhar furioso que não poupa ninguém.

“Teve de doer”, disse Wright, o analista da Brookings Institution. “Foi filmado e foi espontâneo. Foi num dos maiores palcos do mundo.”

Exclusivo PÚBLICO/Washington Post

Tradução de Ana Silva