Autora de Como Matar o Seu Marido é suspeita de matar o marido

Norte-americana de 68 anos escrevia livros sobre homicídios conjugais e casamentos falhados. É agora a principal suspeita da morte do marido.

Fotografia da suspeita no momento da detenção
Foto
Fotografia da suspeita no momento da detenção DR

Nancy Crampton Brophy escrevia livros sobre relações que correm mal entre “homens robustos e mulheres fortes”, como descrevia a própria autora. Em Como Matar o Seu Marido, a norte-americana de 68 anos tece um ensaio sobre como é que uma mulher pode matar o marido sem ser descoberta: Contratar um assassino profissional ou agir sozinha? Que armas usar? Tudo isto num universo supostamente ficcionado. Mas as descrições eram muito detalhadas e os sinais de alerta somavam-se. E foi detida a 5 de Setembro pelas autoridades norte-americanas como a principal suspeita pelo homicídio do marido.

Daniel C. Brophy tinha 63 anos quando, a 2 de Junho, foi encontrado baleado na escola de culinária onde era professor em Portland, estado norte-americano do Oregon. Acabou por não resistir aos ferimentos. Daniel estava casado com Nancy há 27 anos, numa relação que a escritora descrevia como “de mais momentos bons do que maus”. Os colegas e alunos da vítima recordam-no como uma “enciclopédia de conhecimento”, um professor detentor de uma “abordagem criativa de ensino” e um “excelente sentido de humor”.

Humor negro era também atribuído à mulher de Daniel que, através das redes sociais, falava do casamento num tom satírico que parecia divertir os seus leitores e seguidores, como relata o Washington Post. Em 2011, por exemplo, partilhou os votos de casamento e escreveu que a união não iria “acabar em divórcio”. “No entanto, sublinho, não excluímos um episódio trágico como um tiro seguido de fuga ou um acidente suspeito".

As autoridades norte-americanas acreditam que Nancy terá usado a arma do marido para cometer o crime, seguindo um dos métodos que a própria descreve no ensaio do livro Como Matar o Seu Marido. Nele, Nancy aconselha a não recorrer a um assassino profissional, porque “acabam por contar tudo à polícia”, e a não pedir ajuda ao amante — “nunca é uma boa ideia”. “[Usar] veneno também não, porque é possível identificar a sua origem”, acrescentava.

Numa publicação feita no seu Facebook e entretanto já colocada em estado privado, Nancy Crampton Brophy argumentava: “Se é suposto o homicídio libertar-me, de certeza que não quero acabar na prisão”, cita o Washington Post.