Polícia britânica identifica dois russos suspeitos no ataque com agente nervoso

Antigo espião duplo russo Sergei Skripal e a sua filha Iulia foram alvo de um ataque em Março.

Foto
Os dois suspeitos Imagem da Polícia Metropolitana de Londres

A polícia britânica divulgou esta quarta-feira o nome de dois homens suspeitos de terem sido os autores do ataque ao antigo espião russo e agente duplo Sergei Skripal e à sua filha Iulia, em Março deste ano. São eles Alexander Petrov e Ruslan Boshirov, ambos com nacionalidade russa.

De acordo com a Scotland Yard existem "provas suficientes" para condenar os dois suspeitos.

Alexander Petrov e Ruslan Boshirov chegaram ao aeroporto de Gatwick a 2 de Março e ficaram instalados no hotel City Stay, em Londres. No dia 4 de Março viajaram até à cidade onde aconteceu o ataque com o agente nervoso Novichok.

Este agente é uma das armas químicas mais poderosas alguma vez criadas, composto por uma série de químicos, todos com composições ligeiramente diferentes e altamente tóxicos, desenvolvido nas décadas de 1970 e 1980, na União Soviética.

Sergei Skripal, de 66 anos, e a filha, Iulia, de 33 anos, foram encontrados inconscientes num banco de uma zona comercial de Salisbury, onde viviam desde que o antigo espião foi libertado de uma prisão russa numa troca de presos entre Londres e Moscovo.

Crise diplomática

À data do ataque, o Governo de Theresa May acusou o Kremlin de envolvimento. As acusações geraram um conflito diplomático entre Londres e Moscovo que resultou na expulsão de mais de uma centena de representantes russos colocados em diversos países da Europa e América do Norte, na União Europeia e na NATO. Moscovo respondeu: expulsou diplomatas dos países que apoiaram a decisão do Reino Unido.

Meses depois do ataque, dois cidadãos britânicos foram encontrados inconscientes em casa, na mesma cidade onde decorreu o ataque ao ex-espião, vítimas do agente nervoso tóxico. Dawn Sturgess, de 44 anos, e Charlie Rowley, de 45 anos, foram assistidos no hospital, mas a mulher morreu.