Britânica de 44 anos morre após ser exposta ao agente nervoso Novichok

Londres abre uma investigação formal a suspeitas de homicídio.

Agentes britânicos investigam a residência do casal contaminado com a substância tóxica
Foto
Agentes britânicos investigam a residência do casal contaminado com a substância tóxica Reuters/HENRY NICHOLLS

Morreu Dawn Sturgess, a britânica de 44 anos que estava hospitalizada desde o último fim-de-semana após ter sido exposta, juntamente com um homem de 45 anos, ao agente nervoso Novichok. A polícia britânica anunciou este domingo a abertura formal de uma investigação por homicídio.

Citado pelo jornal The Guardian, o comissário assistente da unidade britânica de anti-terrorismo Neil Basu disse que “esta notícia terrível apenas fortalece o empenho” das autoridades para “identificar e levar à justiça a pessoa ou pessoas responsáveis” pelo que qualificou como “um acto chocante, irresponsável e bárbaro”.

No sábado, a 30 de Junho, o casal tinha sido encontrado inconsciente em casa, perto de Salisbury, tendo sido posteriormente confirmado que os dois britânicos foram intoxicados com o mesmo agente nervoso que foi usado contra o antigo espião duplo russo Sergei Skripal e a filha deste em Março.

Dawn Sturgess e Charlie Rowley tinham estado no parque Rainha Isabel na noite anterior a serem encontrados inanimados. Estavam internados em "estado crítico" no mesmo hospital onde estiveram o antigo espião russo e a filha. 

Após o primeiro incidente de Março, o Governo de Theresa May acusou o Kremlin de envolvimento na exposição de Iulia e Serguei Skripal ao agente Novichok, o que gerou um conflito diplomático entre Londres e Moscovo que resultou na expulsão de mais de uma centena de representantes russos colocados em diversos países da Europa e América do Norte, na União Europeia e na NATO — o que mereceu posteriormente uma resposta similar por parte de Moscovo, dando origem à mais grave crise entre a Rússia e o Ocidente desde o fim da Guerra Fria.