Morreu Kofi Annan, o ex-secretário-geral que "era, de muitas formas, as Nações Unidas"

O diplomata ganês morreu este sábado, aos 80 anos, na Suíça. Actual secretário-geral, António Guterres, equipara a sua figura à da própria organização.

Fotogaleria
DENIS BALIBOUSE/Reuters
Fotogaleria
Kofi Annan numa visita a Portugal em 2005 José Manuel Ribeiro/Reuters

Kofi Annan, que foi secretário-geral da ONU entre 1997 e 2006, morreu neste sábado aos 80 anos. Foi o primeiro negro africano a ocupar o cargo e o primeiro funcionário das Nações Unidas a ascender ao secretariado-geral, tendo também sido responsável pelas Missões de Paz em períodos críticos como o genocídio no Ruanda ou a Guerra dos Balcãs na década de 1990.

Um dos feitos do seu mandato, entre vários processos de reforma interna e o estabelecimento de metas para o planeta, foi a mediação no processo de independência de Timor Leste. Estava no cargo no 11 de Setembro e na guerra do Iraque e não saiu incólume dos seus muitos desafios. "Kofi Annan era, de muitas formas, as Nações Unidas", considera António Guterres, actual secretário-geral da ONU.

"Estadista global"

A informação da sua morte foi confirmada pela Fundação Kofi Annan e pela família do diplomata, que o recorda como "um estadista global". Morreu num hospital de Berna, na Suíça.

Kofi Annan, nascido em Kumasi, no actual Gana, a 8 de Abril de 1938, recebeu ainda o Prémio Nobel da Paz em 2001, numa distinção partilhada com as próprias Nações Unidas. Era "uma força condutora para o bem", disse ainda António Guterres através do Twitter, manifestando "profunda tristeza".

Foi pela mesma via que a família e a fundação com o seu nome partilharam a notícia da morte do diplomata ganês. “É com tristeza imensa que a família Annan e a Fundação Kofi Annan anunciam que Kofi Annan, antigo secretário-geral das Nações Unidas e Prémio Nobel da Paz, morreu pacificamente no sábado 18 de Agosto após uma curta doença”, diz o comunicado partilhado na conta do próprio Annan no Twitter.

“Kofi Annan era um estadista global e um internacionalista profundamente empenhado que lutou ao longo da sua vida por um mundo mais justo e mais pacífico. Durante a sua distinta carreira e liderança das Nações Unidas foi um defensor ardente da paz, desenvolvimento sustentável, dos direitos humanos e da justiça.” A mesma nota assinala que o diplomata esteve acompanhado pela sua mulher e pelos três filhos nos últimos dias de vida e que após ter deixado o cargo de secretário-geral da ONU continuou a trabalhar “na causa da paz” através da sua fundação e como membro da direcção da organização The Elders, fundada por Nelson Mandela.

“Era uma inspiração”, lê-se no comunicado, que o destaca como “filho do Gana” que “sentia uma responsabilidade especial para com África”. “Emanava bondade genuína, era caloroso e brilhante em tudo o que fazia.” O Gana declarou uma semana de luto.

PÚBLICO - Kofi Annan teve um papel fulcral no processo de independência de Timor-Leste. Aqui, em 2000, visita sobreviventes do massacre de Liquiçá
Kofi Annan teve um papel fulcral no processo de independência de Timor-Leste. Aqui, em 2000, visita sobreviventes do massacre de Liquiçá Reuters/Darren Whiteside
PÚBLICO - Annan com o chefe da diplomacia indonésia, Ali Alatas, e o MNE português, Jaime Gama
Annan com o chefe da diplomacia indonésia, Ali Alatas, e o MNE português, Jaime Gama BOB STRONG
PÚBLICO - Com António Guterres por ocasião do dia da ONU na Expo 98
Com António Guterres por ocasião do dia da ONU na Expo 98 Reuters
PÚBLICO - Em 2001, Annan recebeu o Prémio Nobel da Paz juntamente com as Nações Unidas
Em 2001, Annan recebeu o Prémio Nobel da Paz juntamente com as Nações Unidas LUSA/HEIKO JUNGE
PÚBLICO - Em 1997, no Vaticano, Annan teve uma audiência privada com João Paulo II
Em 1997, no Vaticano, Annan teve uma audiência privada com João Paulo II Reuters/POOL Old
PÚBLICO - Annan e Nelson Mandela, num encontro em 2006
Annan e Nelson Mandela, num encontro em 2006 LUSA/KIM LUDBROOK
PÚBLICO - Annan na Tailândia, numa conferência internacional sobre a sida, outra das suas frentes de batalha na ONU
Annan na Tailândia, numa conferência internacional sobre a sida, outra das suas frentes de batalha na ONU LUSA/UDO WEITZ
PÚBLICO - Em 1999 com o líder histórico palestiniano Yasser Arafat, em Davos, na Suíça
Em 1999 com o líder histórico palestiniano Yasser Arafat, em Davos, na Suíça LUSA/PATRICK AVIOLAT / POOL
PÚBLICO - Carismático, Annan era um comunicador nato
Carismático, Annan era um comunicador nato Reuters/Jeff Christensen
PÚBLICO - Em 2012, Annan foi nomeado enviado especial da ONU para a Síria, chegando a encontrar-se em Damasco com Bashar al-Assad. Não conseguiu evitar o agravamento da guerra civil
Em 2012, Annan foi nomeado enviado especial da ONU para a Síria, chegando a encontrar-se em Damasco com Bashar al-Assad. Não conseguiu evitar o agravamento da guerra civil Reuters/Sana Sana
PÚBLICO - Em 1997, com Bill Clinton, durante uma visita à Casa Branca
Em 1997, com Bill Clinton, durante uma visita à Casa Branca Reuters/Rick Wilking
PÚBLICO - Com os músicos e activistas Bono Vox e Bob Geldof, em 2005, à margem da cimeira do G8 na Escócia
Com os músicos e activistas Bono Vox e Bob Geldof, em 2005, à margem da cimeira do G8 na Escócia Reuters/POOL New
PÚBLICO - Annan foi primeiro africano negro a liderar as Nações Unidas. Boutros-Ghali, egípcio, tinha já liderado a organização
Annan foi primeiro africano negro a liderar as Nações Unidas. Boutros-Ghali, egípcio, tinha já liderado a organização Reuters/Mark Wessells
Fotogaleria

O reformador de carreira

Annan sucedeu ao egípcio Boutros Boutros-Ghali na liderança das Nações Unidas e foi o primeiro funcionário da ONU a ascender ao cargo de secretário-geral vindo das fileiras da própria organização.

Foi o sétimo secretário-geral da ONU depois de crescer numa família da aristocracia ganesa e que tinha como avós chefes tribais. Estudou no sul do Gana durante os anos em que este se tornou um país independente do então Império Britânico e estudou economia na Universidade Kwame Nkrumah de Ciência e Tecnologia do Gana e depois na Macalester College no Minnesota norte-americano, graças a uma bolsa da Fundação Ford, tendo ainda aprofundado os estudos em relações internacionais em Genebra. 

A sua carreira nas Nações Unidas começou na Organização Mundial de Saúde, logo em 1962, tendo sido brevemente responsável pelo Turismo no Gana (1974-76), regressando à ONU em 1980 para chefiar os recursos humanos do Alto-Comissariado para os Refugiados, passando para outro cargo, administrativo, já em Nova Iorque em 1983.

Até 1996 foi ocupando vários papéis na ONU, sendo a sua última missão antes do secretariado-geral a direcção das Missões de Paz (1993-1996), estando no cargo durante o genocídio ruandês ou durante a guerra dos Balcãs. Anos mais tarde assumiria a posição, como secretário-geral da ONU, de considerar ilegal a invasão norte-americana e britânica do Iraque em 2003.

Descreveria no seu discurso do Nobel que, com os atentados de 11 de Setembro, "entrámos por um portão de fogo no terceiro milénio". Despedia-se, cinco anos mais tarde, do secretariado-geral da ONU, no mesmo Minnesota que o receber nos EUA quando jovem universitário, dizendo que "a solidariedade global é tanto necessária quanto possível".

Defendeu que os países devem ser responsáveis uns perante os outros e o multilateralismo. Como escreve este sábado o Washington Post, "o seu legado mais importante como secretário-geral foi a sua rejeição da ideia duradoura de que a ONU não podia interferir nos assuntos internos de um país-membro". Foi, como titula o New York Times, "o diplomata que redefiniu a ONU". 

PÚBLICO -
Foto
Kofi Annan com Bill Clinton em Janeiro de 1997, no início do seu primeiro mandato à frente da ONU Rick Wilking/REUTERS

Fundamental para Timor

Uma das intervenções mais directas de Annan na geopolítica tocou directamente Portugal, através do processo de independência de Timor-Leste. Como recordava o PÚBLICO em 2012, a chegada de Kofi Annan ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas foi fundamental para o reanimar do tema da independência de Timor-Leste, uma causa que se tornou transversal à sociedade portuguesa nesses anos 1990.

Nomeia, no seu primeiro ano de ONU, o embaixador paquistanês Jamsheed Marker como seu representante pessoal para Timor-Leste e é com António Guterres como primeiro-ministro português que tem o primeiro encontro ao mais alto nível com o Governo indonésio, onde identificou um “problema político” que anos depois desaguaria na criação de condições para o referendo que deu independência a Timor.

Jamsheed Marker escreveria nas suas memórias que Kofi Annan “não tem ‘desencorajamento’ no seu vocabulário”.

A sua reputação resistiu, mas não estava de facto incólume. O escândalo de corrupção do programa Petróleo por Alimentos, no qual o próprio filho foi envolvido, atingiu-o, bem como as muitas mortes no terreno no Darfur, Sudão, Iraque ou Balcãs. 

Nunca isento de críticas quanto ao seu papel nos vários conflitos e crises em que interveio directa ou indirectamente - como no Ruanda, na Bósnia e no Iraque -, manteve sempre o seu "prestígio moral", como escrevia o académico e deputado canadiano Michael Ignatieff numa análise ao livro de memórias de Annan, Intervenções - uma Vida de Guerra e Paz (2012). "Poucas pessoas passaram tanto tempo em mesas de negociações com bandidos, senhores da guerra e ditadores", escreveu Ignatieff, mas era dono de um "temperamento sereno", portanto "perfeito" para a ONU.

Líderes mundiais reagem

Theresa May, primeira-ministra britânica, enviou já as suas condolências pela morte de Annan, "um grande líder e reformador da ONU" que, considera, "deu um enorme contributo para tornar o mundo que deixou num lugar melhor". A ministra dos Negócios Estrangeiros sueca, Margot Wallström, escreveu no Twitter que "ele personificava o que há de melhor na ONU e também teve de lidar com alguns dos seus mais duros desafios. Um grande ouvinte, e alguém que fazia com que todos quisessem ouvir". 

O antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair reagiu lamentando a perda "de um bom amigo" que vira há poucas semanas. "Kofi Annan era um grande diplomata, um verdadeiro estadista e um maravilhoso colega que era amplamente respeitado". O Presidente francês, Emmanuel Macron, recorda "o seu olhar calmo e resoluto" e a "força dos seus combates". 

"Era uma dádiva para a raça humana", escreveu o reverendo Jesse Jackson a partir dos EUA. "Amado filho de África, agora em paz. Um dos melhores secretários da ONU. Tinha a capacidade e visão de reconciliar oponentes."

Jeremy Corbyn, líder trabalhista britânico, lembrou como "Kofi Annan dedicou a sua vida a construir um mundo mais justo e pacífico. Os seus esforços no apoio à resolução de conflitos e aos direitos humanos serão lembrados. Ele procurava um caminho pacífico quando os outros procuravam a guerra". 

PÚBLICO -
Foto
Com uma AK47 transformada em guitarra, na sede da ONU em Viena, em 2007 Herwig Prammer/REUTERS

Também o Presidente russo, Vladimir Putin, disse admirar a inteligência e coragem de Annan, "a sua capacidade de tomar decisões bem pensadas mesmo nas situações mais complexas e críticas. A sua memória ficará sempre no coração dos russos".

Angela Merkel, a chanceler alemã, descreveu que "no tempo actual, em que a busca comum de soluções para prpblemas globais é mais urgente do que nunca, vamos sentir muito a falta da voz de Kofi Annan".

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, lamenta a morte de um amigo e diz que "o maior reconhecimento que podemos dar a Kofi Annan é manter o seu legado e o seu espírito vivos. Nunca foi mais importante do que no mundo de hoje". 

"Portugal curva-se perante si"

Os tributos a Kofi Annan chegam também de Portugal. António Costa homenageou através da rede social Twitter "um líder mundial da causa da paz, do desenvolvimento e dos direitos humanos", bem como "uma das personalidades que mais contribuíram para a independência de Timor-Leste".

Através de uma nota oficial no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa expressa "consternação e tristeza" pela morte de Kofi Annan, que considerou ter sido "um amigo constante de Portugal e um aliado inquebrantável na luta pela autodeterminação do povo de Timor-Leste".

O ex-presidente da República Jorge Sampaio disse em comunicado ter recebido com "mágoa" a notícia da morte de um "amigo" que recorda pela "estatura intelectual e força moral", "dinamismo" e solidez de presença e convicções.

"São raras as pessoas que dificilmente imaginamos que possam um dia desaparecer, mas Kofi Annan era seguramente uma delas. A sua estatura intelectual e força moral, o seu dinamismo, a solidez da sua presença e convicções sempre se sobrepuseram ao sentido da vida efémera e à mortalidade própria dos humanos", afirmou o antigo chefe de Estado, expressando um "sentimento de choque e injustiça que não são facilmente superáveis" pela notícia da morte de Annan.

A eurodeputada socialista Ana Gomes, que era embaixadora de Portugal na Indonésia na altura do referendo sobre a independência de Timor-Leste, também manifestou pesar pela morte de "um corajoso, honesto e decisivo secretário-geral da ONU". "Portugal curva-se perante si", escreveu na rede social Twitter. "Foi uma honra para mim trabalhar consigo, nomeadamente no Iraque sob ataque dos EUA e no processo de libertação/independência de Timor Leste."