Temperatura do Mar Mediterrâneo sobe 3 graus durante onda de calor

A temperatura da água chegou perto dos 30 graus Celsius no Mediterrâneo e dos 25 graus no Cantábrico, revelam os números da agência meteorológica espanhola.

Fotogaleria
A praia de Barceloneta, em Barcelona, durante a vaga de calor LUSA/ANDREU DALMAU
Fotogaleria
Em San Sebástian, País Basco, a Norte LUSA/ANGEL DIAZ

Na semana passada, o mar Mediterrâneo e o Cantábrico oriental (no Golfo da Biscaia), que banham o Este e o Norte de Espanha, chegaram a temperaturas recorde: entre três e quatro graus superiores ao normal, de acordo com a agência meteorológica estatal espanhola. O pico de temperatura coincidiu com o da onda de calor que também atingiu o território espanhol, mas é um dos episódios que reforçam a tendência de aquecimento dos oceanos e preocupa os especialistas em alterações climáticas.

A temperatura da água chegou perto dos 30 graus celsius no Mediterrâneo e dos 25 graus no Cantábrico, revelam os números da agência meteorológica espanhola. São valores superiores ao normal para o início do mês de Agosto para ambas as zonas, de acordo com a mesma agência. Os dados europeus são corroborados pelos norte-americanos: também a Administração Nacional Atmosférica e Oceânica dos Estados Unidos (NOAA) afirma que o Mediterrâneo esteve entre três e 4,5 graus mais quente do que o habitual.

A forte insolação, associada ao episódio de calor extremo e a estabilidade atmosférica justificam os registos porque provocam “o aquecimento rápido” das águas à superfície, diz o porta-voz da agência meteorológica espanhola, Rubén del Campo, à agência Europa Press.

Explica o porta-voz que estes dados são medições da água superficial realizadas por satélite e que são também resultado do vento fraco sentido na costa espanhola nos últimos dias. Quando chegam ventos fortes, a temperatura desce rapidamente e volta aos valores normais, continua del Campo.

De acordo com os registos da Rede de Bóias dos Portos do Estado, o recorde absoluto da temperatura da água no Mediterrâneo e Cantábrico foi quebrado durante a onda de calor. Escreve o diário ABC que os registos ainda têm de ser verificados, mas que a bóia de Tarragona (na Catalunha) chegou aos 29,1 graus no dia 7; a de Barcelona II alcançou 28,8 no dia 6 e a de Bilbau, a Norte, registou 26,2 graus a 5 de Agosto.

Quatro dias depois do fim da onda de calor, a bóia de Tarragona ainda apontava para os 28 graus e a de Bilbau para os 22,7.

Temperatura da água do mar a aumentar

A temperatura da água é habitualmente mais elevada em meados de Agosto, mas este ano o pico registou-se no início do mês. Rubén del Campo acrescenta que é cada vez mais “frequente” que a camada superficial do mar esteja “mais quente do que o habitual”, seguindo a mesma linha da temperatura do ar.

De acordo com o painel de peritos de alterações climáticas da ONU, a temperatura da água do mar está a aumentar um décimo de grau (0,1 graus) por década. E o nível médio da água do mar subiu 0,19 metros entre 1901 e 2010. No caso específico do Mediterrâneo, um estudo publicado na revista Pure  and  Applied Geophysics constatou que entre 1982 e 2016, a temperatura subiu mais de um grau centígrado e que em algumas áreas específicas o aumento foi entre 1,2 e 1,5 graus.

Não são apenas os mares espanhóis que estão a ficar mais quentes. Também o Mar Báltico, que banha a península escandinava, esteve, durante a onda de calor a Norte, mais quente do que o Mediterrâneo — seis graus acima do normal, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial. “Levou à proliferação de algas mais grave alguma vez registada no Báltico nas últimas décadas, resultando em água insalubre para seres humanos e animais”, informou a mesma fonte.