Obras vão fechar linha do Douro entre Caíde e Marco durante três meses

Infraestruturas de Portugal prevê que a interrupção ocorra entre Dezembro e Fevereiro quando a procura é menor.

Comunidade Vegetal, Vegetação
Foto
Manuel Roberto

Até ao final de Julho a Infraestruturas de Portugal prevê consignar a empreitada para a modernização dos 16 quilómetros de via férrea que separam Caíde (concelho de Lousada) de Marco de Canavezes. Os trabalhos deverão durar sete meses, sendo que os três últimos decorrerão com a linha fechada para se poder intervir nos túneis.

Durante esse período a CP será obrigada a assegurar transporte rodoviário alternativo entre Caíde e Marco pois a parte restante da linha do Douro (111 quilómetros entre Marco de Canavezes e Pocinho) ficará desligada das restantes vias férreas do país. As localidades mais afectadas serão Régua, Pinhão, Pocinho e Mosteiró, mas é sobretudo o turismo no Douro que fica a perder, já que – mesmo no Inverno – há uma forte componente da procura cuja motivação são as visitas aquela região que é património mundial. 

Uma solução que não agrada às câmaras nem aos operadores turísticos que temem a diminuição do número de visitantes numa altura em que o turismo não pára de crescer: entre 2014 e 2017 o número de passageiros transportados na linha do Douro foi de 737 mil, 818 mil, 838 mil e 915 mil.

Segundo a CP, no Inverno de 2016/17 foram transportados 93 mil passageiros por mês entre Caíde e Marco. A empresa diz que “é inegável que esta interrupção vai trazer perturbação à vida destes clientes, mas a CP acredita que as condições da infra-estrutura no período após a intervenção, ao permitirem melhorar a qualidade da oferta, permitirão compensar a eventual quebra da procura que se venha a verificar”.

Outro problema é como será realizada a manutenção dos comboios da CP, que não poderão vir às oficinas ao Porto durante três meses. A empresa diz que espera poder fazê-lo nas oficinas da Régua, mas não divulgou se a Infraestruturas de Portugal pagará os sobrecustos dessa solução, nem como serão assegurados os transbordos rodoviários.

Uma coisa parece certa: depois do Verão a oferta da CP na linha do Douro vai ser reduzida a mínimos nunca antes vistos por causa das obras. O PÚBLICO perguntou à Infraestruturas de Portugal se, quando ocorrer a modernização do troço Marco – Régua, a linha também vai fechar, mas a empresa não respondeu. Essas obras deveriam ter tido início há dois meses, mas ainda nem foi lançado concurso público.

Para já, a modernização do troço Caíde - Marco vai entrar na sua quarta vida, ou seja, será a quarta vez que a Refer (agora Infraestruturas de Portugal) lança esta obra pois as três anteriores tentativas correram mal, quer pela falência do empreiteiro, quer porque se descobriu que o projecto estava mal feito e era necessário uma intervenção mais aprofundada.

Ainda assim, o resultado final não trará quaisquer aumentos de velocidades, que se manterão nos 80 e 90 Km/hora naquele troço, não tendo a Infraestruturas de Portugal aproveitado esta obra para permitir que os comboios circulem mais rápido, encurtando o tempo de viagem entre o Vale do Douro e o Porto.

A odisseia deste projecto começou em 2013 com a ainda Refer a anunciar que os trabalhos começariam em 2014. Mas até Maio de 2015 nada aconteceu. Nessa altura, o então secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, realizou um evento no Entroncamento para a assinatura da consignação da obra. No mês seguinte, o mesmo governante e o então presidente da Infraestruturas de Portugal, António Ramalho, fariam um novo evento em Marco de Canavezes para apresentar o projecto, que deveria estar concluído em 2016.

O governo de António Costa herdou esta obra e incluiu-a no Ferrovia 2020, que foi apresentado em Fevereiro de 2016 para estar concluído até ao fim do ano. Agora haverá uma nova consignação, mas a Infraestruturas de Portugal não respondeu ao PÚBLICO se haverá um novo evento público no final do mês para essa assinatura.

O que aconteceu nestes anos que impediu a conclusão da obra? Empreiteiros em dificuldades financeiras, mas sobretudo a percepção, por parte da Infraestruturas de Portugal, de que não bastava electrificar a linha, mas que era necessário intervir também na superestrutura de via e substituir tudo (carris, travessas, balastro). O pior, porém, foi quando descobriram que para introduzir a catenária (cabo de alta tensão) no túnel de Marco de Canavezes, não bastava altear o tecto, mas sim rebaixar a própria galeria, o que implicou mais alterações ao projecto inicial.