Audição do ministro da Educação arranca de forma atribulada

Na base do diferendo estará a mudança da sala de audição para uma mais pequena, que não permitia a presença da delegação da Fenprof, encabeçada por Mário Nogueira.

Mário Nogueira assiste à audição que decorreu no parlamento
Foto
Mário Nogueira assiste à audição que decorreu no parlamento LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

A audição desta terça-feira do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, no parlamento arrancou de forma atribulada, numa sala mais pequena do que o previsto, impedindo a presença de uma delegação da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), que protestou pelo sucedido.

Mário Nogueira, secretário-geral da Fenprof, e que encabeça a delegação da Federação, disse à Lusa que ponderou apresentar queixa no Livro de Reclamações do Parlamento, uma possibilidade que ficou em suspenso depois de ter sido garantida a presença na sala a pelo menos dois elementos da delegação.

Foi já depois de a deputada do PCP Ana Mesquita ter feito uma interpelação à mesa sobre a condução de trabalhos, a pedir que fosse possível encontrar uma solução que permitisse a subida à sala de pelo menos alguns elementos da delegação, que Mário Nogueira e outro dirigente da Fenprof tiveram autorização para assistir à audição, ocupando lugares reservados a assistentes parlamentares e assistentes técnicos do Parlamento.

A Fenprof quis estar na audição, sem aviso prévio, para pressionar presencialmente o Governo nas negociações que decorrem em relação à contagem do tempo de serviço, e que estão agora pendentes do apuramento de custos reais dessa contagem.

Para já o ministro está a ser ouvido apenas no que diz respeito ao requerimento apresentado pelo Bloco de Esquerda sobre a recuperação na íntegra do tempo de serviço congelado aos professores, mas logo de seguida terá início a audição regimental para prestar esclarecimentos sobre a política geral de Educação, que o presidente da comissão parlamentar de Educação e Ciência, Alexandre Quintanilha, disse esperar que possa acontecer na sala prevista inicialmente, e onde à hora marcada para o arranque desta audição ainda decorriam outros trabalhos.

Apesar do espaço reduzido, a audição iniciou-se com o ministro debaixo de fortes críticas da oposição pelo arrastar de negociações que continuam sem previsão de desfecho.