CP está a ficar sem comboios e à beira do colapso

Com uma frota envelhecida, comboios avariados e oficinas sem pessoal, a CP está à beira da ruptura. Concurso público para comprar material circulante ainda nem tem caderno de encargos e a empresa está a ficar sem comboios.

Carro
Foto
Depois dos comboios regionais, a falta de pessoal nas oficinas começa a afectar também os Intercidades e o Alfa Pendular.

Em Agosto, a CP - Comboios de Portugal vai reformular os horários, o que passará inevitavelmente por uma redução da oferta, com menos comboios em praticamente todas as linhas e serviços.

A empresa depara-se com uma dramática falta de material circulante, oficinas que não têm pessoal para manter e reparar os comboios, que estão velhos e sujeitos a rotações cada vez maiores, o que aumenta a probabilidade de avarias. A situação tenderá a piorar nos próximos meses com o período de férias na EMEF (oficinas da CP) e um aumento na procura por parte dos passageiros.

As alternativas encontradas pela administração da empresa, liderada por Carlos Nogueira, não primam pela originalidade. A CP suprime comboios e substitui-os por autocarros ou então substitui comboios por outros de categoria inferior.

É o que tem acontecido com o Intercidades para Évora, que deveria ser realizado com locomotiva e carruagens, mas que a empresa troca por uma vulgar automotora UTE (Unidade Tripla Eléctrica) que é normalmente afecta ao serviço regional. Compreende-se: três em cada dez carruagens da CP para o serviço de longo curso têm estado imobilizadas nas oficinas à espera de manutenção.

Noutros casos, é o Alfa Pendular para Braga ou Guimarães que chega ao Porto e tem de ir para a oficina, sendo os passageiros obrigados a mudar para uma UTE para poderem prosseguir viagem.

A situação é igualmente grave no Algarve, no Alentejo e no Oeste, onde as supressões de comboios este ano têm sido diárias. O mais grave é que nem sempre a CP substitui os comboios suprimidos por autocarros e são frequentes os casos de passageiros que ficam abandonados nas estações e apeadeiros – sem qualquer informação – à espera de um transporte que não chega.

Na linha do Oeste, só entre Janeiro e Maio foram suprimidos 357 comboios, dos quais 333 na totalidade do trajecto e 24 parcialmente. Neste período, a CP gastou 16 mil euros em aluguer de autocarros para realizar transportes alternativos nesta linha.

A situação bateu no fundo na sexta-feira, 6 de Julho, com a totalidade de comboios suprimidos a norte das Caldas da Rainha. Nesse dia, em vez das cinco automotoras que a CP necessita para assegurar a oferta regular na linha do Oeste, só havia uma disponível.

Linha de Sintra

As supressões começam também já a atingir os suburbanos, sobretudo na linha de Sintra que começa igualmente a ter falta de material. Para já, só foram atingidos os primeiros comboios da madrugada, procurando a CP que o constrangimento não atinja a hora de ponta.

Com a situação já incontrolável nas margens da rede ferroviária (Algarve, Alentejo e Oeste), a empresa tem procurado manter a sua oferta no Douro (devido à elevada procura turística) e naquele que é o principal eixo ferroviário do país – a linha do Norte.

Mas aqui até os clientes mais distraídos e menos exigentes já repararam numa progressiva degradação do serviço. Não são só os atrasos – muitas vezes da responsabilidade da Infraestruturas de Portugal (IP) –, mas também a falta de manutenção, quer dos alfas pendulares, quer dos intercidades, que contribuem para essa degradação. Portas que não funcionam, casas de banhos avariadas, carruagens grafitadas, vidros sujos, assentos danificados, lâmpadas fundidas, demonstram graves falhas de manutenção, que se explicam devido à falta de pessoal da EMEF.

Como há falta de material, exige-se às oficinas que mantenham os veículos imobilizados o mínimo de tempo possível, centrando-se a manutenção na parte que diz respeito à segurança em detrimento da que tem a ver com o conforto e comodidade dos passageiros.

A CP possui dez comboios pendulares, dos quais um está sempre no Entroncamento devido à revisão de meia vida. Com os nove restantes, a empresa deveria manter um na oficina em manutenção corrente e os oito na operação. Mas desta forma, não conseguiria assegurar a sua oferta, pelo que é frequente estarem os nove a circular entre Braga e o Algarve. 

Quanto aos Intercidades (composições que são compostas por uma locomotiva que reboca um número variável de carruagens), já se disse que 30% estão parados à porta das oficinas. Daí os comboios esgotados, sobretudo aos fins-de-semana, situação que tenderá a agravar-se nos próximos meses porque não há capacidade para os aumentar com mais carruagens.

O material a diesel – que tem uma idade média de 50 anos – é o que está em pior estado. Dentro de pouco tempo, 25% das automotoras a diesel estarão imobilizadas, o que agravará as supressões, que já hoje serão diárias. A CP já paga cinco milhões de euros por ano à sua congénere Renfe pelo aluguer de 20 automotoras a diesel que têm estado a operar no Douro e no Minho. Mas até este material é velho e sujeito também a constantes avarias, sobretudo agora no período do Verão devido ao calor.

Este aluguer, que se iniciou em 2010, era para durar apenas cinco anos, o tempo que à data se esperava que a então Refer demorasse a electrificar as linhas para depois se usar material eléctrico. Mas os projectos da agora IP não avançaram.

Oito anos depois a situação é pior. Mesmo quando as linhas forem electrificadas, a CP também já não terá comboios eléctricos para nelas colocar ao serviço, como já admitiu um dos seus administradores, Abrantes Machado, numa sessão em Faro sobre a modernização da linha do Algarve.

Este ano ainda deverá ficar concluída a electrificação do troço Nine – Viana do Castelo, mas fonte oficial da empresa disse ao PÚBLICO que o parque de material eléctrico que lá poderia circular está imobilizado e sem perspectivas de que a EMEF possa vir a pô-lo em estado operacional.

Na empresa o grau de motivação dos seus trabalhadores, sobretudo dos quadros intermédios e dos operacionais, é muito baixo, tendo em conta as supressões permanentes, as queixas dos passageiros e a sensação de que tudo vai piorar e que tardará muito tempo até a situação reverter. E à baixa motivação associa-se a incredulidade perante uma administração que não foi apanhada de surpresa, mas que nada fez para evitar o caos (anunciado) a que a CP chegou.

A equipa de Carlos Nogueira deixou-se ficar sem soluções. A compra de novos comboios é um processo que demora, no mínimo, três anos. O recrutamento de 50 profissionais para as oficinas da EMEF, anunciado recentemente pelo ministro Pedro Marques, também não produz efeitos em menos de um ano, tendo em conta o processo de aprendizagem e a recuperação dos muitos comboios imobilizados nas oficinas. E o recurso a mais composições alugadas à Renfe, sendo a solução mais imediata, exige um processo moroso de homologação do material para circular nas linhas portuguesas.

Por isso, no curto prazo esperam-se em Agosto novos cortes na oferta, sobretudo no serviço regional, com a linha do Oeste à cabeça. Em Maio, a CP preparava uma forte redução nesta linha para entrar em vigor em Junho, mas na sequência de uma notícia do PÚBLICO o Governo adiantou que “defende o reforço e não a redução do serviço ferroviário”. A empresa recuou, mas procurou entretanto convencer a tutela que não tem outras alternativas que não seja cortar na oferta.

A linha de Sintra ficará também com menos comboios a partir de Agosto devido à falta de material circulante. E o mesmo acontecerá nos suburbanos do Porto, mas aqui a causa tem a ver com as obras da IP na linha do Norte.

A redução da oferta atenua, mas não resolve o problema da falta de comboios. À medida que uns ficam imobilizados, os que restam são obrigados a um esforço acrescido, que exige mais manutenção e potencia as avarias. A situação é de ruptura.

O PÚBLICO contactou a CP, mas não obteve resposta.