Benetton sob fogo por usar refugiados do Aquarius em anúncio

“Não sou vendedor, não quero fazer publicidade, quero ser testemunha da minha era”, defende o criador de algumas das campanhas mais polémicas da marca italiana.

Uma das fotografias utilizadas na campanha
Foto
Uma das fotografias utilizadas na campanha Reuters/HANDOUT

Já conhecida pela publicidade provocadora, a marca de roupa italiana United Colors of Benetton lançou uma campanha  com imagens dos refugiados resgatados pelo navio Aquariusque chegaram ao porto de Valência no domingo, depois de terem sido recusados por Itália e por Malta. “A tragédia humana em causa no Mediterrâneo nunca deve ser usada para fins comerciais”, condenou a ONG franco-alemã SOS Méditerranée, envolvida nas operações de resgate.

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini – que tem ele próprio estado envolvido em polémica, por querer fazer o recenseamento dos ciganos em Itália e por querer expulsar e deter os imigrantes no país –, partilhou no Twitter a publicidade da Benetton e perguntou: “Sou só eu que acho isto repugnante?”.

E obteve resposta do conhecido fotógrafo da Benetton, Oliviero Toscani, responsável por grande parte das campanhas da marca. “Veja, não é repugnante, é dramático. Infelizmente muitos não entendem o que está a acontecer. O facto de um negacionista como você criticar esta acção faz com que me aperceba de que estou correcto.”

As duas fotografias, que mostram os migrantes com coletes salva-vidas e em fila à espera de auxílio, foram partilhadas pela Benetton no início da semana nas redes sociais, tendo merecido críticas por parte de outros utilizadores; a acompanhar as duas imagens está a icónica etiqueta verde com o nome da marca italiana. Como explica a organização humanitária, estas fotografias foram tiradas a 9 de Junho, quando as equipas estavam a “socorrer pessoas em dificuldade” em alto mar, depois de terem naufragado ao largo da costa líbia.

A SOS Mediterranée, que socorreu os 629 migrantes, ressalva que não tem qualquer ligação com a campanha publicitária e vinca que “a dignidade dos sobreviventes deve ser respeitada em todas as ocasiões”. Além disso, critica ainda a iniciativa dos fotógrafos de disponibilizarem estas fotografias à marca italiana. Uma das fotografias foi tirada por Kenny Karpov e outra por Orietta Scardino, da agência de notícias italiana Ansa. 

O PÚBLICO contactou a Benetton para saber quais os critérios que levaram à escolha destas imagens e questionou também se a empresa apoia financeiramente estas causas sociais, mas não obteve resposta até ao momento.

Este tipo de campanhas da Benetton, associado ao dilema de saber se ajudam a sensibilizar para questões sociais ou se se aproveita destas crises para lucrar, já tem dado que falar no passado, em grande parte devido a Oliviero Toscani.

Exemplo disso é a fotografia do activista David Kirby no leito da morte, de líderes políticos a beijarem-se, ou da roupa ensanguentada de um soldado bósnio morto na guerra. “Não sou vendedor, não quero fazer publicidade, quero ser testemunha da minha era”, adiantou Toscani ao diário italiano La Tribuna di Treviso