Alunos dizem que a prova de Português foi "um pouco difícil"

Estavam inscritos para a prova de Português desta terça-feira mais de 77 mil alunos. O PÚBLICO questionou alguns da Escola Secundária Vergílio Ferreira, em Lisboa, no final do exame.

Cabelo facial
Fotogaleria
Tomás Mendonça, 18 anos, aluno de Ciências e Tecnologia RUI GAUDENCIO/PÚBLICO
Menina
Fotogaleria
Tércia Ferreira, 19 anos, aluna do Curso Profissional de Apoio Psico-social RUI GAUDENCIO/PÚBLICO
Bigode
Fotogaleria
Rodrigo Caio, 18 anos, aluno de Ciências e Tecnologia RUI GAUDENCIO/ PÚBLICO
Sorrir
Fotogaleria
Mariana Ramos, 18 anos, aluna de Línguas e Humanidades RUI GAUDENCIO/PÚBLICO
  1. Como correu o exame?
  2. O exame correspondeu ao que aprendeu na escola?
  3. O que gostava que tivesse saído que não saiu?
  4. Qual foi a pergunta ou tópico que correu pior? 

Tomás Mendonça, 18 anos, aluno de Ciências e Tecnologia

1. Na minha opinião, o grau de dificuldade foi moderado. Apesar de não me ter corrido muito bem, pelo menos respondi a todas as perguntas. Aconselho a que se mantenha a calma durante o exame, pois torna-o mais fácil.

PÚBLICO -
Foto
Tomás Mendonça, 18 anos, aluno de Ciências e Tecnologia RUI GAUDENCIO

2. Sim, nas aulas estudámos todas as obras que saíram na prova.

3. Não houve nenhuma obra que eu gostasse que tivesse saído, no geral estava razoavelmente preparado para todas.

4. Para mim o mais complicado foi análise da Mensagem, de Fernando Pessoa, tanto na interpretação do poema como na análise gramatical.

Tércia Ferreira, 19 anos, aluna do Curso Profissional de Apoio Psicossocial

PÚBLICO -
Foto
Tércia Ferreira, 19 anos, aluno do Curso Profissional de Apoio Psico-social RUI GAUDENCIO

1. Achei o exame muito difícil, não me correu nada bem. Sou aluna de um curso profissional e senti que não estava preparada.

2. Não, em absolutamente nada. Não entendo como os programas curriculares dos cursos profissionais diferem tanto dos cursos gerais, acho uma grande injustiça, porque prejudica — no acesso ao ensino superior — os alunos que preferem seguir esta via de ensino.

3. Houve algumas coisas que gostava que tivessem saído e que não saíram, por exemplo, os heterónimos de Fernando Pessoa.

4. Senti sérias dificuldades nas questões relacionadas com a Mensagem e Os Lusíadas, sobretudo na questão em que nos era pedido para compararmos os “heróis” das duas obras.

Rodrigo Caio, 18 anos, aluno de Ciências e Tecnologia

PÚBLICO -
Foto
Rodrigo Caio, 18 anos, aluno de Ciências e Tecnologia RUI GAUDENCIO

1. A prova correu-me muito bem e honestamente achei-a bastante acessível, sobretudo em comparação com as provas dos anos anteriores.

2. Sim, a nossa professora abordou todas as obras com alguma profundidade, não senti nenhuma discrepância entre a matéria leccionada ao longo do ano e as questões do exame. 

3. Houve duas obras que na minha opinião deviam ter sido abordadas pelas questões da prova e não foram, uma delas é Os Maias e a outra é um conto —  Famílias Desavindas, de Mário de Carvalho.

4. Onde me senti mais inseguro foi na análise da Mensagem, mais precisamente na questão onde nos era pedido para apontarmos as características do discurso lírico.

Mariana Ramos, 18 anos, aluna de Línguas e Humanidades

PÚBLICO -
Foto
Mariana Ramos, 18 anos, aluna de Línguas e Humanidades RUI GAUDENCIO

1.Honestamente, acho que correu bem, mas ao mesmo tempo, achei a prova difícil.

2. Penso que de maneira geral demos toda a matéria que saiu no exame, mas tenho de confessar que pessoalmente não estava à espera que saísse algumas obras que saíram.

3. Gostava que saísse o Sermão de Santo António aos Peixes, do padre António Vieira

4. A parte que me correu pior foi uma questão de desenvolvimento, onde era perguntado se poderíamos considerar Fernando Pessoa um profeta.

Texto editado por Andreia Sanches