Demissão de Rajoy coloca na ordem do dia a refundação do PP

O Partido Popular não foi apenas afectado pela corrupção. É uma formação envelhecida e que perdeu os eleitores do centro. Ou se renova ou está condenado à irrelevância

Mariano Rajoy, Pedro Sánchez, Espanha, Festa do Povo
Foto
Ao fim de quase 40 anos de militância no PP, Rajoy, 63 anos, ocupou quase todos os cargos possíveis Sergio Perez/REUTERS

Mariano Rajoy encerrou uma era na política espanhola. Afastado do poder pela moção de desconfiança do PSOE, anunciou que abandona a liderança do Partido Popular (PP) após 14 anos na sua liderança. “Chegou o momento de pôr um ponto final nesta etapa. (...) É melhor para o PP e para mim, e creio que também para a Espanha”, disse. Abre-se a fase da sucessão ou da “refundação” de um partido no poder desde 2011 e que se encontra envelhecido e manchado por escândalos de corrupção. Se não se renova arrisca-se a definhar.

Ao fim de quase 40 anos de militância no PP, Rajoy, 63 anos, ocupou quase todos os cargos possíveis, “excepto o de rei”, anota o jornalista Fernando Garea. Vereador e deputado autonómico na Galiza, membro do governo regional, deputado ao Congresso. Nos governos de José Maria Aznar, foi ministro da Administração Pública, da Educação, do Interior, da Presidência, porta-voz do Governo e vice-primeiro-ministro. Em 2003, foi designado por Aznar como seu sucessor.

Os adversários, a começar por Pablo Iglesias, passam a reconhecer as suas qualidades. “É um político elegante e inteligente, com uma grande capacidade de escutar. Foi uma honra ser seu rival e combatê-lo politicamente. Ganhou o meu respeito”, escreve Iglesias num tweet. Os jornalistas que o entrevistavam temiam a sua simpatia.

O seu estilo político era inconfundível. Era um mestre da gestão do tempo e da impassibilidade. A sua máxima era: “Não tomar nenhuma decisão é já uma decisão.” De resto, era opaco e indecifrável. Era a máscara, que agora pode retirar.

Sobreviveu a tudo até que a corrupção tudo submergiu. Na sondagem de Maio da Metroscopia, 86% dos inquiridos, entre eles 63% dos eleitores do PP, pensavam que o tempo de Rajoy já tinha passado.

Apesar de se declarar orgulhoso da herança do seu governo na gestão da crise económica, com o PIB a crescer 3% e uma importante redução do desemprego, a sua liderança estava gravemente enfraquecida. A crise do sistema bipartidário fez emergir o Podemos e o Cidadãos, o que mudou as regras do jogo. A falta de iniciativa na crise catalã agravou o desgaste. Por fim, a sentença do caso Gürtel, em fins de Maio, que acusa o PP de montar esquemas de corrupção, precipitou a queda. Uma “coligação negativa”, de repúdio pelo PP, destituiu o seu governo no dia 1 de Junho. A máxima “é a economia, estúpido” pode ser uma falácia, tanto na Espanha como na América.

PÚBLICO -
Foto
Soraya Saénz de Santa Maria foi durante anos "a mulher mais poderosa de Espanha". Conseguirá impor-se no PP? Susana Vera/REUTERS

A “guerra da sucessão”

A sucessão será decidida num congresso extraordinário em Julho. Um analista de El Diario anuncia a iminência da “III guerra mundial dentro do PP”. O líder desempenhava um papel de árbitro entre facções. Resistiu a “conspirações” utilizando com habilidade as divisões entre adversários. E, até ao congresso, vai manter as rédeas na sua mão para conter as ambições e impedir que o partido se balcanize.

Os três nomes óbvios de que se fala são os de Soraya Sáenz de Santamaria, ex-vice-presidente do governo, Dolores de Cospedal, secretária-geral do PP, e Alberto Nuñez Feijóo, presidente da Junta da Galiza, aquele que passa por ser o “mais moderno”.

Estaria já aberta uma “guerra” entre as rivais Sáenz de Santamaria e Cospedal. A primeira foi durante demasiado tempo a mão direita de Rajoy — “a mulher mais poderosa de Espanha — e poderá pagar por isso. Não há sucessor natural. E, por vezes, há surpresas.

A sucessão não se limita a uma questão de nomes e facções. “Deveriam afrontar um congresso de refundação porque a sigla do Partido Popular está muito tocada”, diz à AFP o politólogo Pablo Simón. “A reputação da sua marca política está associada à corrupção”, frisa um jornal de marketing.

Um partido velho

O PP é um partido enraizado na realidade espanhola e tem demonstrado uma invejável estabilidade eleitoral, nunca descendo abaixo dos 28%. Mas as sondagens são hoje assustadoras. Os problemas são estruturais.

June 5, 2018/ Rajoy se va y deja camino libre para que el PP busque su líder.
Todas las miradas apuntan a Alberto Núñez Feijóo. Otra vez puede haber líder de la oposición fuera del Congreso">

Diagnosticava em 2016 José Juan Toharia, presidente da Metroscopia: “Um eleitorado envelhecido, conservador e que tem nostalgia do seu passado.” Os maiores de 55 anos constituem 60% dos que se declaram votantes do PP. Ora, este grupo etário representa 40% da população. “No eleitorado popular predomina a população economicamente passiva: 40% de reformados e pensionistas, 6% de estudantes e 13% de pessoas com trabalho doméstico.” Estas três categorias somam 55% do voto PP, mas apenas 34% no conjunto da população. Por outro lado, o PP deslocou-se para a direita, abrindo caminho à conquista do centro pelo Cidadãos.

A aposta de Rajoy agora é a “celeridade”, explica El Confidencial. Como não se recandidata, conta ter a máxima legitimidade para ser o pacificador do congresso. Não designará nenhum delfim. Como o PSOE não quer eleições tão cedo, o PP tem uma oportunidade: precisa de tempo para se reorganizar e “limpar” a sua imagem antes da longa série de eleições de 2019.

Depois da derrota, foi Rajoy quem animou as hostes do partido devastado. Observa Garea: “É o único caso na história em que o morto acaba a consolar os que assistem ao funeral.” Será assim o congresso?