Aborto

A “revolução silenciosa” na Irlanda celebra-se nas ruas

Reuters/MAX ROSSI
Fotogaleria
Reuters/MAX ROSSI

Sexta-feira foi dia de referendo na Irlanda, um dos países europeus com mais restrições no que toca ao aborto. Já antes de serem conhecidos os resultados oficiais – 66,4% dos votos a favor, num referendo onde 64% dos eleitores votaram – centenas de irlandeses festejavam pela rua com base nas projecções, por entre os balões de diálogo em cartão que diziam “Yes” (sim). “We made history” (fizemos história), lia-se em alguns autocolantes.

A pergunta feita aos eleitores irlandeses pressupunha uma de duas respostas: ou “sim” ou “não”. Garantida a vitória do “sim”, as mulheres na Irlanda passarão a poder interromper uma gravidez nas primeiras 12 semanas, com assistência médica certificada. O aborto será ainda permitido depois das 12 semanas de gravidez em casos específicos: caso haja risco de saúde ou de morte para a progenitora, caso o feto apresente malformações fatais, ou ainda se tiver sido fruto de uma violação ou de incesto.

O próprio primeiro-ministro irlandês, Leo Varadkar, assume que este resultado é o culminar de “uma revolução silenciosa” que ocorreu nas últimas décadas, num país de forte tradição católica marcado por regimes restritivos que impediam a interrupção voluntária da gravidez. Varadkar foi uma das vozes na linha da frente no apoio à liberalização do aborto. Ao lado da Irlanda no que toca a leis restritivas sobre o aborto, estão a Polónia, Malta e Chipre (na União Europeia).

Reuters/MAX ROSSI
LUSA/AIDAN CRAWLEY
LUSA/AIDAN CRAWLEY
LUSA/AIDAN CRAWLEY
Reuters/MAX ROSSI
Reuters/MAX ROSSI
Reuters/MAX ROSSI
LUSA/AIDAN CRAWLEY
LUSA/AIDAN CRAWLEY
LUSA/AIDAN CRAWLEY
LUSA/AIDAN CRAWLEY
Reuters/CLODAGH KILCOYNE
Reuters/CLODAGH KILCOYNE
Reuters/CLODAGH KILCOYNE
LUSA/AIDAN CRAWLEY
Reuters/MAX ROSSI
Reuters/MAX ROSSI
LUSA/AIDAN CRAWLEY
Reuters/CLODAGH KILCOYNE
LUSA/AIDAN CRAWLEY
Reuters/MAX ROSSI
Reuters/CLODAGH KILCOYNE
Reuters/MAX ROSSI
Reuters/MAX ROSSI