A lava do vulcão Kilauea continua imparável e, com um salpico, desfez a perna a um homem

A vítima estava em casa quando foi atingida por um salpico de lava, destruindo a parte inferior de uma das suas pernas. Na sequência de semanas de destruição, as autoridades temem agora as nuvens tóxicas criadas quando a lava entra em contacto com a água do mar.

Kilauea, Pahoa, vulcão, lava, vulcão
Fotogaleria
A lava chega a ser expelida a 70 metros de altura e tem obstruído estradas, dificultando a retirada da população Reuters/TERRAY SYLVESTER
Kilauea
Fotogaleria
Reuters/TERRAY SYLVESTER
Parque nacional dos vulcões de Hawai?i, vulcão
Fotogaleria
A lava a entrar em contacto com a água salgada, provocando nuvens tóxicas Reuters/TERRAY SYLVESTER
Kilauea, Observatório do Vulcão Havaiano
Fotogaleria
LUSA/USGS HANDOUT
Kilauea, Pahoa, vulcão, vulcão, lava
Fotogaleria
LUSA/BRUCE OMORI/PARADISE HELICOPTERS
Kilauea, vulcão, Pahoa, vulcão, lava
Fotogaleria
Reuters/TERRAY SYLVESTER
Kilauea, Pahoa, lava, ventilação de fissura, vulcão, vulcão
Fotogaleria
Reuters/TERRAY SYLVESTER

Foi registado o primeiro ferido grave decorrente da lava que está a ser expelida por várias fissuras perto do vulcão Kilauea, no Havai, EUA. Segundo o Washington Post, as autoridades deram conta no sábado de um morador havaiano que foi atingido por um salpico de lava enquanto estava na sua varanda, num terceiro andar — a lava desfez a perna do homem, desde a canela até ao pé, disse a porta-voz do condado do Havai, Janet Snyder, à Reuters.

Um salpico de lava pode parecer inofensivo, mas o facto de a lava estar a altas temperaturas (é possível que chegue aos 1093ºC) e de poder pesar tanto quanto um frigorífico pode ser fatal, explicou Snyder — mesmo que o projéctil de lava seja de menores dimensões. Não foram dadas mais informações sobre o ferimento nem sobre o estado do ferido.

A Reuters refere ainda que as autoridades locais estão preocupadas com a grande quantidade de lava à superfície, que está a criar nuvens de fumos ácidos quando entra em contacto com a água salgada do Oceano Pacífico. As autoridades pedem que os cidadãos se mantenham afastados dessas nuvens, que podem causar lesões nos pulmões, assim como irritação na pele e nos olhos. Com o vento forte de domingo e a chegada constante de lava ao oceano, estas nuvens podem chegar aos 24 quilómetros de extensão.

PÚBLICO -
Foto
A chegada da lava ao oceano TERRAY SYLVESTER/REUTERS

Desde o início de Maio, a destruição espalhou-se pelo Havai: dezenas de casas ficaram destruídas e milhares de pessoas foram retiradas das suas casas por causa do avanço da lava do vulcão Kilauea. Das fissuras no chão, chega a ser expelida lava a uma altura de 70 metros, e os habitantes referem que o barulho das erupções é estrondoso.

Os especialistas temem ainda que haja uma erupção explosiva do vulcão, algo que seria mais perigoso do que as torrentes de magma que ascendem das fendas e que têm uma progressão relativamente lenta.

Há ainda gases tóxicos como o dióxido de enxofre no ar – em algumas zonas mais afectadas, os níveis destes gases triplicaram –, assim como um risco mais elevado de sismos. A lava do Kilauea, um dos vulcões mais activos do mundo e que está em constante erupção há 35 anos, faz com que algumas estradas e pontos de acesso fiquem obstruídos, dificultando a saída dos moradores.