Com papoilas e cante se protestou contra o “desdém” do Governo pelo Baixo Alentejo

Comoção tomou conta dos manifestantes quando a PSP abriu alas para que os autocarros com meio milhar de alentejanos do distrito de Beja chegassem ao Parlamento e pudessem exigir maior atenção para a região.

,
Foto

Partiram de Beja às 8h de ontem com um propósito: apresentar a todas as forças políticas com assento parlamentar um documento reivindicativo que pretende contrariar o fraco investimento público na região que tem sido a “marca” de sucessivos governos. Mas quando entraram na Ponte Vasco da Gama, não evitaram um reflexo de contrariedade quando viram dois elementos da brigada de trânsito da PSP à espera da caravana. Aprontavam-se já os comentários cáusticos à autoridade pela inesperada paragem, quando Florival Monteiro, coordenador do movimento Beja Merece +, que organizou a deslocação a Lisboa, travou a língua afiada: “Calma! São os agentes que vão abrir caminho para a caravana até à Assembleia da República.” A previsível onda de protestos foi substituída pela moda alentejana: “Quinta-feira da Ascensão/ Saem as moças prò campo/de vestido cor-de-rosa/ No chapéu um laço branco.”

A caravana de dez autocarros seguia lenta mas segura com os dois agentes a mandarem parar o trânsito nos cruzamentos. Numa primeira reacção, o motorista da primeira viatura ouviu das boas por passar um sinal vermelho. Passa outro. E mais ainda. “Mas o que é que se passa? Olha para os sinais encarnados”, gritaram-lhe. Mas o motorista bem-disposto seguia os agentes da PSP por uma estrada em contramão. Foi então que explodiu a comoção. Pela primeira vez, havia alguém que usava da deferência, do respeito e de uma simpatia que os membros da delegação vinda de Beja nem em sonhos achariam possível. Por momentos sentiram-se possuídos de um estatuto que lhes atribuía dignidade. São muitas as mãos que recorrem aos lenços para limpar os olhos húmidos.

Quando a caravana chegou ao Largo do Rato, o trânsito abriu alas ao pessoal do Baixo Alentejo. À entrada da Rua de S. Bento, uma fiada de pinos bloqueava o caminho. Uma agente da PSP afastou o obstáculo e fez uma vénia em forma de saudação. À medida que os autocarros iam passando, os passageiros retribuíam a simpatia da “senhora polícia”.

Depois da eficácia dos agentes da PSP, “que foram do mais simpático que há”, comentou Florival Monteiro, a caravana vinda do Sul tinha à sua espera alentejanos que residem na Área Metropolitana de Lisboa, um grupo de motards, grupos corais alentejanos e muito cante: “Eu sou devedor à terra/ A terra me está devendo/ a terra paga-me em vida. Eu pago à terra em morrendo.”

Por ser Quinta-feira de Ascensão, os molhinhos de espiga e de papoilas tomaram o lugar dos cravos. Já no largo fronteiro à Assembleia da República, fora dos autocarros, cantou-se, ao som das violas: “Beja merece/pelas pessoas que tem/ Muito mais do que o desdém/ e beijinhos de eleição.”

Paulo Colaço, anos a fio agarrado à sua viola campaniça, ensinando o cante às crianças das escolas e alegrando festas e convívios, garantia ao PÚBLICO: “Não sei desistir.” E para os lisboetas que olhavam dos passeios o desfile a favor de uma causa que não conheciam gritou: “Não tenham medo da gente que a gente não faz mal a ninguém.”

Estradas, comboios, saúde

Os deputados da nação, eleitos por Beja, desceram a escadaria da Assembleia da República e misturam-se com os manifestantes. João Dias, do PCP, lembrou que o seu partido há muito que defende as propostas que vêm no caderno reivindicativo do Beja Merece +: a conclusão as obras do IP8/A26, a electrificação do troço ferroviário Casa Branca-Beja-Funcheira, o aproveitamento do aeroporto de Beja e o investimento nos serviços de saúde na região. E deixa um aviso: “Se os partidos não se unirem, não haverá uma mudança no panorama das carências que persistem na região.”

Joana Mortágua do BE disse que o Alentejo “precisa de uma voz” e garante que sem investimento público “não há futuro para a região” nem se trava a “sangria dos mais jovens”. E fez um paralelismo entre as promessas veiculadas “pelas unidades de missão, ao mesmo tempo que se tira o Intercidades de Beja e se fecham serviços públicos”.

O Governo, particularmente visado nas críticas dos manifestantes, não inibiu o deputado do PS Paulo do Carmo de dar conta do seu “agrado e satisfação” pelo movimento de cidadãos, sublinhando que é o único deputado socialista eleito por Beja. “Preciso de mais força”, disse, frisando que o cerne da questão está na falta de investimento no interior.

Luís Mestre, um jovem de Serpa que faz parte da organização do Beja Merece+, insistiu que a região precisa de estradas e de comboios, anseio que mereceu a concordância da deputada do PSD Niza de Sena. “O Alentejo não pode ser uma região esquecida” e as suas reivindicações “são antigas e justas”, disse a deputada social-democrata, destacando que o problema das acessibilidades é o “calcanhar de Aquiles” do Baixo Alentejo.

A deputada do PSD foi muito solicitada para receber papoilas vermelhas, que aceitou sem um gesto de recusa ou de desagrado.

Depois de ter sido entregue ao chefe de gabinete do presidente da Assembleia da República o caderno reivindicativo do movimento, Florival Monteiro diz ter ficado satisfeito com os deputados com quem se reuniu, frisando que “eles tomaram muitos apontamentos, o que já não é mau”. “[No entanto, o Governo] tem sido surdo às nossas legítimas aspirações”, acentuou o coordenador do Beja Merece+, vincando que o hospital de Beja é o único de uma capital de distrito que não dispõe da técnica de ressonância magnética. “[Estranho o facto de] todos os deputados de todos os partidos da Assembleia da República estarem de acordo connosco, mas não tem havido resposta às nossas reivindicações”, comentou.

Terminada a acção junto à Assembleia da República, os manifestantes deslocaram para o Jardim de Belém para um piquenique em tudo igual ao que a tradição impunha na Quinta-feira de Ascensão. “Foi bonito”, disse satisfeita Margarida Ramalho, que fica na expectativa de saber se a deslocação a Lisboa “terá algum efeito”.