CP aumenta número de passageiros e reduz prejuízos

A diminuição dos encargos financeiros e o aumento dos proveitos resultantes do maior número de passageiros transportados foram decisivos para a melhoria dos resultados.

Foto
O Longo Curso (Alfas e Intercidades) continua a ser responsável pela maior fatia das receitas: 107 milhões de euros Enric Vives-Rubio

A CP encerrou o ano passado com prejuízos de 122 milhões de euros, um valor que representa uma melhoria de 23% face a 2016. Em 2017, foram transportados 122 milhões de passageiros (a que correspondeu 250 milhões de euros em rendimentos de tráfego) pela CP - Comboios de Portugal, mais 7,2 milhões do que no ano anterior (e mais 19,6 milhões de euros de proveitos).

O crescimento foi transversal a todos os serviços, mas o Longo Curso (Alfas e Intercidades) continua a ser responsável pela maior fatia das receitas: facturou 107 milhões de euros (43% dos proveitos de tráfego), seguidos dos suburbanos de Lisboa (86,3 milhões de euros), Regional (29,6 milhões de euros) e suburbanos do Porto (27 milhões de euros).

Apesar de a empresa não receber indemnizações compensatórias, a CP manteve um EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização) positivo em 14,6 milhões de euros, o que representou uma melhoria de 14,3 milhões face a 2016.

PÚBLICO -
Aumentar

Estas melhorias, contudo, não resolvem o problema estrutural da CP que tem um passivo de 2,9 mil milhões de euros. Uma melhoria, ainda assim, face a 2016 quando o passivo ascendia a 3,3 mil milhões de euros. Em 2017, a empresa pagou 76,6 milhões de euros de juros. Fonte oficial da empresa disse que “a CP tem vindo a contar com o apoio financeiro do Estado destinado a assegurar, designadamente, o serviço da dívida e o financiamento dos investimentos”.

Investimentos que foram residuais em 2017. Uma empresa com esta dimensão só aplicou 16,3 milhões de euros nesse ano e praticamente todo em investimento de substituição, na reparação de comboios envelhecidos para os poder manter operacionais. Deste valor, 4,3 milhões referem-se à reparação de meia vida da frota dos pendulares, dos quais há três em dez que já foram intervencionados.

A falta de comboios para poder operar e responder à crescente procura dos últimos anos é o calcanhar de Aquiles da transportadora, a par de uma empresa de manutenção (EMEF) paralisada por falta de pessoal e falta de verbas (ou de autorização para as gastar) para comprar peças e admitir trabalhadores.

Só num dos dias do fim-de-semana passado foram suprimidos 19 comboios na linha do Douro devido a falta de material circulante, situação que se deverá manter nos próximos dias com mais supressões. Em 2017, na linha do Oeste foram suprimidos 623 comboios (uma média de dois por dia), tendo-se registado também supressões no Alentejo e no Algarve.

A estratégia do anterior conselho de administração, presidido por Manuel Queiró até Junho de 2017, apontava para alugar comboios de longo curso a Espanha para fazer face à procura crescente de passageiros enquanto se preparava o caderno de encargos e o concurso público para a compra de novos comboios para a CP, mas o governo não aceitou. Entretanto, o PÚBLICO apurou que o concurso de material circulante irá contemplar menos comboios do que os inicialmente previstos.

Alerta da AMT

Um relatório da AMT (Autoridade da Mobilidade e dos Transportes), denominado “Ecossistema Ferroviário Português” alerta para os resultados negativos gerados neste sector, quer os do gestor de infraestruturas, quer dos diversos operadores. Segundo o documento, os resultados antes de impostos foram negativos em 1,6 mil milhões de euros na soma dos cinco exercícios analisados (2012-2016). A este valor acrescem fluxos financeiros ligados à atividade de investimento em infraestrutura no valor de mil milhõess de euros.

O relatório diz que, neste período, “os fluxos financeiros do Estado para as empresas ferroviárias foram de seis mil milhõess de euros nos últimos cinco anos, 54% dos quais relativos a dotaçõess de capital e 40% a empréstimos”. Este valor permitiu fazer face às necessidades geradas pelos resultados líquidos negativos (-1,6 mil milhões de euros), pela atividade de investimento em infraestrutura (mil milhõess de euros) e pela redução da dívida bancária e obrigacionista no valor de 3,8 mil milhões de euros.