Coreia do Norte anuncia encerramento de centro nuclear em Maio e em público

Kim Jong-un fez saber que quer jornalistas e observadores internacionais para o processo ser feito "de modo transparente". Cimeira histórica com Trump pode realizar-se dentro de "três ou quatro semanas".

Fotogaleria
Reuters/HANDOUT
Fotogaleria
KIM HEE-CHUL/ EPA
Fotogaleria
Reuters/HANDOUT

A Coreia do Norte vai desmantelar o seu principal centro de testes nucleares em Maio perante observadores e jornalistas estrangeiros, aplicando o acordo firmado entre as duas Coreias na sexta-feira, durante o encontro histórico entre o seu líder, Kim Jong-un, e o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in.

Segundo um porta-voz da presidência sul-coreana, Yoon Young-chan, citado pela Reuters, a Coreia do Norte propôs-se a encerrar de forma definitiva Punggye-rio centro em que realizou seis testes nucleares.

O Governo de Pyongyang vai convidar especialistas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul para verificarem o encerramento do centro de testes, de modo a “revelar o processo à comunidade internacional de forma transparente”.

No sábado, o Presidente dos Estadoss Unidos, Donald Trump, disse que as conversações com a liderança norte-coreana sobre a desnuclearização deverão ter lugar "nas próximas três ou quatro semanas". Depois da cimeira entre o Norte e o Sul, espera-se agora outra cimeira histórica entre Kim e Trump.

Segundo a Associated Press, Kim Jong-un disse que uma vez que foram iniciadas as conversações, quer deixar claro ao Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que “não é pessoa” para apontar mísseis contra os EUA, e que o compromisso que assumiu com a desnuclearização é real.

“Se mantivermos encontros frequentes e tivermos promessas de um tratado de não-agressão, por que razão iríamos viver com dificuldades por mantermos as nossas armas nucleares?”, disse Kim, segundo um porta-voz da presidência sul-coreana.

Alguns cientistas acreditam que as instalações nucleares norte-coreanas ficaram danificadas depois da sexta e mais potente detonação nuclear subterrânea realizada por Pyongyang, em Setembro de 2017.

Situado na região montanhosa a nordeste da Península Coreana, Punggye-ri é a principal instalação nuclear norte-coreana. Os testes foram realizados num sistema de túneis subtsrrâneos debaixo do Monte Mantap. Após o testte de Setembro de 2017, foram registados uma série de abalos sismicos, com os sismólogos a concluirem que, devido à intensidade dos abalos, parte do interior da montanha colapsou, danificando as instalações que podem ter ficado inutilizadas.

Mas toda a informação sobre esta zona de testes nucleares foi obtida através da análise de imagens de satélite e não no local, como frisa a BBC.

"Alguns dizem que estamos a encerrar instalações que já não funcionam, mas terão a oportunidade de confirmar que estão operacionais", disse o líder norte-acoreano citado pelo porta-voz de Seul neste domingo.

"Este é um passo pequeno mas importante”, disse ao diário britânico The Guardian o antigo diplomata norte-americano Mintaro Oba. “Não podemos ignorar que Kim quer ser visto como alguém pouco ortodoxo. Tem claramente uma inclinação para acções ousadas que surpreendam a comunidade internacional, algo que o distingue do seu pai”, disse Oba, que seguiu durante anos a Coreia do Norte. Mas alertou que os EUA e a Coreia do Sul terão de manter diálogo continuado com Kim e este é “um especialista em definir a narrativa pública”.  

O porta-voz sul-coreano disse ainda que Coreia do Norte vai reajustar os seus relógios com os da Coreia do Sul, alterando assim a decisão de 2015, quando o regime comunista do Norte criou o “tempo de Pyongyang”, adiantando os relógios 30 minutos em relação a Seul.