Carros da Google voltam a fotografar ruas portuguesas

São os utilizadores que “pedem, frequentemente” à empresa para actualizar o serviço. O serviço tem imagens em 360º de Portugal desde 2009.

Foto
O Google começou em 2009 a recolher fotografias de Portugal a 360º Jorge Silva / arquivo

Os carros, triciclos e mochilas com câmaras da Google vão voltar às estradas portuguesas para actualizar as imagens da Street View, a plataforma que permite visitar digitalmente espaços em todo o mundo através de fotografias em 360º. Nos próximos dias, além de recolher novas imagens das cidades de Lisboa, Porto, Évora, Aveiro, Braga, Albufeira e Lagos, a Google quer fotografar algumas regiões turísticas que ainda não estão abrangidas na plataforma.

O serviço, lançado pela Google em 2007, inclui imagens das ruas de Portugal desde 2009. A empresa clarifica, em comunicado, que são os próprios utilizadores, donos de negócios e organizações de turismo local que “pedem, frequentemente” para as imagens se manterem actualizadas. O Palácio Nacional da Pena, em Sintra, o Mosteiro dos Jerónimos e o Castelo de São Jorge, em Lisboa, e o Castelo de Guimarães, também são alguns dos monumentos portugueses disponíveis para visita na plataforma.

Como a recolha de imagens vai ser extensa, a Google acentua que a privacidade dos utilizadores é uma prioridade. No passado, existiram alguns problemas: em 2010, por exemplo, a recolha de imagens teve de ser temporariamente suspensa depois de a empresa perceber que estava a recolher, acidentalmente, informação das ligações de wi-fi. Antes de publicar quaisquer imagens, a empresa também desfoca caras de pessoas e matrículas de carros. Alguns locais, como casas de acolhimento para vítimas de violência domésticas, também surgem desfocadas para proteger as vítimas. 

Caso o utilizador encontre uma imagem sua, ou da sua propriedade, que não queira disponível na Street View, pode pedir à empresa para desfocar ou remover através da opção “comunicar um problema” (disponível ao clicar no ícone com três pontos verticais no canto superior esquerdo). Escolhe-se a porção da imagem que tem um problema (colocando-a no interior de uma caixa vermelha), e explicam-se os motivos. Passados alguns dias, o utilizador pode voltar a visitar a zona no Google Maps para ver se foi corrigida. As modificações são permanentes (ou seja, não se pode pedir à Google para repor a imagem original depois de desfocada). Ainda assim, há países, como a Alemanha e a Índia, que impõem restrições ou proíbem mesmo as fotografias da Google.

Além de incluir imagens de mais de 80 países, a Street View inclui zonas de difícil acesso, como o interior de vulcões em actividade e o fundo dos oceanos. Estas imagens são obtidas através das câmaras Trekker – um aparelho circular composto por 15 câmaras numa espécie de antena que segue presa a uma mochila. Um dos objectivos é permitir às pessoas espreitar locais aonde nunca irão.

PÚBLICO -
Foto
O utilizador pode seleccionar a parte da imagem que quer ver desfocada