Uma escolha que abre caminho para um presidente alemão?

Luís de Guindos como vice-presidente deve mudar pouco no BCE. Mas torna mais provável o surgimento de um candidato alemão na hora de substituir Draghi em 2019

Luís de Guindos, foi escolhido para substituir Vítor Constâncio na vice presidência do BCE
Foto
Luís de Guindos foi escolhido para substituir Vítor Constâncio na vice presidência do BCE Reuters/FRANCOIS LENOIR

Pouco conhecido pelo que defende para a política monetária europeia, Luís de Guindos não trará, com a sua chegada, alterações de relevo no rumo seguido pelo Banco Central Europeu (BCE) no curto prazo, mas a sua escolha, ainda assim, poderá vir ter um impacto decisivo na definição daquilo em que se irá transformar a autoridade monetária no futuro, já que com o espanhol na vice-presidência ficam condicionadas as opções para outros postos importantes no banco central que vagam em 2019, incluindo a própria presidência.

A escolha do ministro espanhol em vez do governador do banco central irlandês Philip Lane para o lugar de Vítor Constâncio faz com que na vice-presidência do BCE se vá sentar alguém que não tem qualquer historial de decisões de política monetária que se possa consultar. Luís de Guindos é conhecido pelo papel que assumiu na condução da política económica e orçamental em Espanha nos últimos sete anos e pelas posições tomadas nas discussões do Eurogrupo durante a crise da zona euro.

O espanhol foi o responsável pela passagem à prática da política de contenção orçamental a que a Espanha se viu forçada depois de receber a ajuda dos parceiros europeus e do FMI para limpar o sector bancário do país. A Espanha conseguiu escapar a um programa da troika ao estilo do aplicado na Grécia ou em Portugal, mas ainda assim o Governo Rajoy, do qual Guindos tem assegurado a tutela da Economia e Finanças públicas, viu as suas escolhas ficarem limitadas.

Do Executivo espanhol, contudo, não se ouviram críticas relativamente à estratégia de austeridade então adoptada em Bruxelas. Pelo contrário, Luís de Guindos esteve sempre do lado da barricada daqueles que mais defenderam a austeridade, mais concretamente apoiando Wolfgang Schäuble nas discussões do Eurgogrupo e tomando a liderança na hora de criticar os Governos dos países do Sul que ameaçavam abandonar a estratégia de austeridade. Esta posição foi uma das razões para que a Alemanha desse agora o seu apoio ao espanhol na corrida à vice-presidência do BCE.

Por outro lado, mais recentemente, quando se iniciou o debate sobre a reforma da zona euro, Luís de Guindos e o Governo espanhol alinharam-se com os países mais a Sul, apoiando a criação de um orçamento para a zona euro e de instrumentos de apoio à convergência entre os países. Foi este um dos motivos porque conseguiu também o apoio de países como a França ou Portugal.

Estas posições de Luís de Guindos dão contudo poucas pistas para aquilo que se será o seu papel em Frankfurt. As principais decisões no BCE vão estar, durante os próximos anos, na forma como irão ser retiradas as medidas de estímulo lançadas durante a crise, nomeadamente o programa de compra de dívida pública (com prazo até pelo menos Setembro deste ano) e as taxas de juro zero.

As discussões são entre aqueles que, como o governador do banco central alemão, acham que já se deveria ter terminado com as compras de dívida, e os que, em maioria, acham que é preciso muita cautela a acabar com estes apoios à economia.

Como ministro da Economia com a tutela das Finanças e agora como candidato a vice-presidente do BCE, Luís de Guindos fez declarações genéricas de apoio à política seguida por Mario Draghi e a maioria dos membros do conselho de governadores (incluindo Vítor Constâncio), que aliás muito tem ajudado a economia espanhola. E entrando num conselho em que, à partida, é a figura com menos experiência de política monetária, pouco peso deverá ter o novo vice-presidente nas decisões a tomar nos próximos tempos.

A chegada de Luís de Guindos à vice-presidência tem no entanto um significado importante que é o de dar mais força à ideia de que o substituto de Mario Draghi (que em 2019 termina o seu mandato) pode vir a ser alemão. Um vice-presidente de um país do Sul faz com que seja mais provável que o futuro presidente venha a ser de um país do Norte. E a Alemanha, que desde a criação do euro nunca teve um seu nacional nos dois lugares mais importantes do banco central, parece pensar que chegou a hora de isso suceder.

O candidato natural ao cargo é Jens Weidman, o actual governador do banco central alemão e que, no conselho de governadores do BCE, tem assumido em questões como a do programa de compra de dívida, uma posição minoritária.

Terá sido por querer evitar esse cenário que o Executivo italiano não quis publicamente dar o seu apoio a Luís de Guindos. No sentido oposto, é significativo que Berlim e Paris estiveram em permanente sintonia em relação à escolha do espanhol, o que poderá indicar que há já um acordo entre Merkel e Macron para os outros lugares a ocupar no BCE.

Para além da presidência e da vice-presidência, haverá ainda mais dois lugares para ocupar no conselho executivo do BCE, sendo um deles o de economista-chefe, que tem um peso significativo na definição das políticas. O irlandês Philip Lane, agora derrotado por Guindos, terá garantido, com a forma como evitou qualquer tipo de conflito retirando a sua candidatura, que estará entre os principais candidatos para ocupar esse posto, actualmente desempenhado pelo belga Peter Praet.