Um SNS mais próximo da atividade física?

Sim. Médicos e enfermeiros a avaliar o nível de atividade física dos utentes. Ferramentas digitais para facilitar o seu aconselhamento e monitorização. Consultas multidisciplinares para quem precisa. E boa articulação com os promotores de exercício físico na comunidade. Já começou!

Foto

Um relatório recente da Organização Mundial de Saúde concluiu que os melhores investimentos (“best buys”) que os países podem fazer para prevenir e reduzir doenças como a diabetes, obesidade, doenças cárdio-cerebrovasculares ou o cancro passam por campanhas para aumentar a literacia e a motivação dos cidadãos para a atividade física, e pela sua promoção através dos sistemas de saúde. Ambas as estratégias são atualmente prioritárias em Portugal e aqui mostramos como o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a alterar procedimentos, e a avaliar o que deve ser alterado no futuro próximo, para atingir a meta de aumentar os níveis de atividade física dos cidadãos utilizadores.   

Como estabelecido no despacho 8932 de 10 de outubro de 2017 pelo Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, serão implementados, em 2018, vários projetos-piloto com vista à promoção da atividade física em Unidades de Saúde do SNS. Serão testados elementos como a avaliação do nível de atividade física e o seu aconselhamento breve na consulta de rotina (do médico de família ou especialista hospitalar); consultas especializadas de promoção de exercício e atividade física para a referenciação de utentes prioritários; formação dos profissionais de saúde na área da atividade física; e disponibilização de novas ferramentas digitais (ver infografia).

PÚBLICO -
Aumentar

Para todos os utentes, mas especialmente para aqueles que, sendo prioritários (ex. com diabetes ou obesidade), estão menos motivados para a prática, a mudança comportamental representa um dos desafios mais difíceis. Assim, os profissionais envolvidos nestes projetos irão também ser preparados para aplicar métodos e técnicas de modificação comportamental, como a Entrevista Motivacional, um modelo de intervenção recomendado por ser baseado na teoria e na evidência.

A atividade física é quase sempre realizada fora das Unidades de Saúde. Assim, um outro elemento decisivo será uma boa articulação entre as Unidades de Saúde e as instituições locais, como as autarquias, associações desportivas e escolas, entre outras. Serão testados vários modelos de ligação entre o SNS e os serviços e programas na comunidade com vista a um encaminhamento dos utentes em condições de elevada confiança, processo onde os profissionais de exercício mais habilitados terão certamente um papel decisivo.

De facto, um aspeto orientador de todo o modelo é a distinção entre o aconselhamento de atividade física e a prescrição de programas de exercício (ver caixa). A Organização Mundial de Saúde recomenda que o aconselhamento da atividade física deve ser feito por todos os profissionais e para todos os utentes. Já a prescrição de um programa de exercício físico é tipicamente realizada por um profissional especializado em fisiologia do exercício e é uma prática individualizada em função das características de cada pessoa (ver caixa). O modelo agora proposto contempla estas duas dimensões da promoção da atividade física, a par da redução dos comportamentos sedentários.

A atividade física é um sinal de vitalidade. E por isso é hoje considerada como um “sinal vital da saúde” agora facilmente acessível aos profissionais de saúde através de novos sistemas de informação no SNS. A prevenção é sempre, e em todas as áreas, uma matéria interdisciplinar e de todos, incluindo dos cidadãos! Daí que seja fundamental a promoção da sua literacia em saúde, como é objetivo do Projeto SNS+ Proximidade, que também inclui a literacia digital. Temos hoje smartphones e Apps para registar o exercício ou o número de passos, podemos transportar música para uma corrida, e usar aplicações informáticas para acompanhar o treino. É absolutamente indissociável o digital e o móvel.

Ferramentas digitais como o portal SNS e Área do Cidadão vão também permitir estabelecer planos individuais de cuidados onde o exercício e a atividade física são fundamentais. Com utilitários como a App MySNS Carteira vai ser possível acompanhar e conhecer melhor a atividade física que o cidadão queira partilhar com o SNS. E com a prescrição electrónica de recomendações de atividade física vai ser possível aproximar os profissionais e o cidadão, num esforço conjunto em benefício da saúde pública. No mundo real e no mundo digital.

Pedro Teixeira, professor da Faculdade de Motricidade Humana, Universidade de Lisboa
Henrique Martins, presidente do Conselho de Administração da SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde

Os autores seguem o Acordo Ortográfico. A rubrica Atividade Física é da responsabilidade do Programa Nacional de Promoção da Atividade Física da Direcção-Geral de Saúde

P24 O seu Público em -- -- minutos

-/-

Apoiado por BMW
Mais recomendações