A cozinha da mãe por trás de um menu de autor

À frente de um restaurante com estrela Michelin, Tiago Bonito não esquece as suas origens e transporta-as para o menu a que chamou Identidade.

Robalo selvagem com sapateira
Fotogaleria
Robalo selvagem com sapateira dr
Foie-gras com especiarias
Fotogaleria
Foie-gras com especiarias dr
Pato de Landes
Fotogaleria
Pato de Landes dr
Fotogaleria
Enguia fumada dr
Fotogaleria
Lavagante azul com arroz de tinta de choco dr
Fotogaleria
Gelado de leite de cabra fumado dr
Fotogaleria
O chef Tiago Bonito na sala do Largo do Paço dr

Quando Tiago Bonito era pequeno, a mãe trazia para casa o leite tirado das cabras, acendia a lareira para fazer os seus cozinhados e pousava o tacho com o leite ao lado do fogo para ele ir coalhando. Era esse queijo, com um cheiro a fumado, que deliciava Tiago ao pequeno-almoço. E são estas memórias, profundamente enraizadas, que transporta hoje para o seu Menu Identidade, que serve no restaurante Largo do Paço, na Casa da Calçada, em Amarante (uma estrela Michelin).

Desenhou o menu a partir precisamente dessa palavra — Identidade. Com cada letra a corresponder a um conceito que é importante para ele: Criatividade, Produto, Evolução, Inspiração, Conhecimento, Memórias, Dedicação, Sabor, Tradição, Experiência. “Queria uma palavra que identificasse a gastronomia portuguesa, o Largo do Paço, mas também o produto e o chef”, explica.

Numa conversa com a Fugas depois da apresentação do seu menu de estreia na Casa da Calçada (onde sucede a André Silva e, se recuarmos um pouco mais, a Vítor Matos) regressa muitas vezes a essas memórias, transportando-nos para a sua casa de infância e para os cheiros e sabores do que a mãe cozinhava — como os do arroz doce que, com a ajuda do filho, fazia pela noite dentro em tachos de cobre para os pratinhos usados como convites de casamento. A memória do queijo fumado, por exemplo, surge no menu numa das sobremesas, sob a forma de gelado de leite de cabra fumado, caldo de beterraba, laranja, noz em ganache de chocolate e gelatina de abóbora e cardamomo.

Um chef pescador

Para se dizer que se conhece bem o produto não basta receber as encomendas que chegam à cozinha. Tiago é pescador e sabe qual o peixe que está melhor nas diferentes alturas. “No mar de Inverno há mais ondulação e espuma, por isso o robalo encosta-se mais a terra, vem atrás dos caranguejos, é um peixe mais gordo.” Daí que neste menu encontremos robalo selvagem acompanhado por sapateira, puré de tupinambor, espuma de champanhe (a lembrar a tal espuma do mar) e molho do assado.

A sapateira aparece no prato para lembrar a alimentação do robalo (que é sobretudo caranguejo de casca mole, mas esse “não tinha carne suficiente”) e o molho do assado, sublinha o chef, é feito da forma tradicional, com uma redução (durante 48 horas) de um assado da cabeça do peixe e de legumes caramelizados — “para trazer a comida de conforto, de casa, aos nossos clientes”.

Antes do robalo, Tiago já tinha servido (quase literalmente) o mar à mesa, com uma entrada de vieiras com percebes, um tártaro de carabineiro e um consomé de lavagante, que veio acompanhado por um búzio no qual ouvíamos o som do mar e das gaivotas — uma ideia que lhe surgiu quando “andava a apanhar funcho do mar em Vila do Conde, a sentir o cheiro do sargaço e a ouvir as gaivotas”. “Quis que o prato trouxesse essa recordação. Hoje a cozinha tem que conseguir criar memórias e despertar memórias antigas.”

Há também uma entrada de enguia fumada — “um peixe do rio, para trazer um bocadinho a região” — com ostra, agrião e fitoplâncton. Se é verdade que o foie-gras que serve noutra entrada não é um produto português, Tiago justifica a presença na carta pelo facto de ser servido com um creme de pistáchios, gel de pêra e um molho de especiarias e cacau. Aqui não se trata de uma memória, mas de uma homenagem aos Descobrimentos portugueses e aos produtos que nos chegaram através deles.

Já no prato de lavagante azul, o homenageado é o arroz carolino português trabalhado numa tinta de choco para lhe dar cremosidade e evitar a manteiga, com renda de açafrão, espuma de citrinos, gel de funcho e caviar.

O regresso à lareira da infância

Nos pratos de carne, surge um pato de Landes com ngocchi de batata, trufa, beterraba e geleia real. Apesar de não ser um pato português, Tiago fala da tradição portuguesa de comer arroz de pato, e explica que, como já servira arroz com o lavagante, optou aqui pela batata. Como a mãe, quando cozinhava pato, o pincelava com mel, ele usa a geleia real.

Por fim, antes das sobremesas, vem o bovino maturado (um animal com cerca de 10 anos, maturado 35 dias), que enquanto é grelhado é pincelado com a sua própria gordura, com chanterelles, alcachofras e molho bordalês. “Cheiro a terra — foi o que anotei no bloco de notas”, recorda. Anda sempre com ele e tira fotos e escreve todas as ideias que lhe passam pela cabeça para trabalhar mais tarde. Serve aqui um puré de aipo fumado, feito com o aipo deixado em cima das brasas até torrar por fora. “Cozinha nos seus próprios açúcares e depois fazemos um puré com o interior, que fica muito macio e com um sabor a fumo.”

Voltámos assim ao fumo da lareira da casa de infância de Tiago, antes de nos despedirmos com uma sobremesa inspirada nas uvas e no vinho do Porto e do Douro, na qual as folhas do Outono, nas suas várias cores, parecem ter caído das árvores para vir pousar no nosso prato.