Segundo aviso dos cientistas à humanidade: continuamos a destruir a Terra

Vinte e cinco anos depois, cientistas de todo o mundo voltam a chamar a atenção para o que estamos a fazer ao nosso planeta, com as emissões de dióxido de carbono ou a desflorestação. Mas também há boas notícias: o buraco da camada de ozono é agora pequeno.

Vista da Terra composta por diversas imagens de satélite em órbita geoestacionária
Foto
Vista da Terra composta por diversas imagens de satélite em órbita geoestacionária ESA/Eumetsat

Os números falam por si. Cerca de 15 mil cientistas de 184 países, entre os quais mais de 200 portugueses, publicam esta segunda-feira um artigo na revista BioScience para nos avisar que estão em curso danos ambientais “irreversíveis” e “substanciais” na Terra. Algumas das principais destruições (muitas provocadas por nós) são a crescente extinção de espécies, a desflorestação, o aumento da temperatura ou das emissões de dióxido de carbono (CO2). Este já é o segundo alerta do género feito pelos cientistas à humanidade.

Recuemos a 1992. Nesse ano, mais de 1700 cientistas de todo o mundo (muitos deles premiados com o Nobel) assinavam um artigo com o título “Alerta dos Cientistas do Mundo à Humanidade”, publicado pela revista da organização Union of Concerned Scientists. “Os seres humanos e o mundo natural estão em colisão. As actividades humanas causam danos severos e, por vezes, irreversíveis no ambiente e nos recursos”, lê-se logo no início do artigo. Depois, os cientistas enumeraram uma série de danos, nomeadamente na camada de ozono, nos recursos hídricos, nas zonas costeiras, no solo, assim como a perda de espécies ou o rápido crescimento da população mundial. Também sugeriam passos a seguir, como a estabilização da população ou o controlo das actividades mais prejudiciais para o ambiente. Pediam ainda que os países desenvolvidos agissem com urgência e reduzissem o seu “superconsumo”.

PÚBLICO -
Aumentar

Agora, há um novo aviso à humanidade, com mais cientistas e também dados mais preocupantes. Elaborado por uma equipa internacional coordenada por William Ripple, da Universidade Estadual do Oregon (EUA), ao longo do artigo Cientistas do Mundo Alertam a Humanidade: Um Segundo Aviso há vários alertas e nove gráficos com dados de agências governamentais, organizações sem fins lucrativos e de investigadores.

E qual foi a evolução desde 1992? Houve uma redução de 26% na quantidade de água doce disponível per capita; uma queda na captura de peixe selvagem, apesar do crescimento do esforço de pesca; um aumento de 75% do número de zonas mortas nos oceanos; uma perda de 121 milhões de hectares de floresta, muitos convertidos para a agricultura; um aumento contínuo e significativo nas emissões globais de CO2 e nas temperaturas médias do planeta; um aumento de 35% da população humana; e uma redução de 29% nos mamíferos, répteis, anfíbios, aves e peixes. “Além disso, desencadeámos uma extinção em massa, a sexta em cerca de 540 milhões de anos, em que muitas formas de vida actuais podem ser aniquiladas ou condenadas à extinção até ao final do século”, assinala-se.

Também publicados nesta segunda-feira, enquanto decorre a conferência sobre o clima da ONU (na Alemanha), dois artigos científicos nas revistas Nature Climate Change e Environmental Research Letters dão conta de que haverá um aumento das emissões de CO2 em 2017, segundo os dados do Projecto Global do Carbono. Nos últimos três anos, as emissões estabilizaram. Mas em 2017 haverá um aumento de cerca de 2% das emissões. Ou seja, das 36,2 gigatoneladas de CO2 emitidas em 2016 passámos para 36,8 em 2017. A China é um dos principais responsáveis por estas emissões. Na conferência do clima, até 17 de Novembro, sexta-feira, discute-se o que cada país está a fazer para cumprir o Acordo de Paris, que quer limitar a subida da temperatura até aos dois graus Celsius.

“Algumas pessoas têm tentado descartar estas provas e pensam que estamos a ser alarmistas”, diz William Ripple num comunicado sobre o novo alerta. “O que os cientistas fazem é analisar os dados e olhar as consequências a longo prazo. Quem assinou este segundo aviso não está a levantar um falso alarme. Está a reconhecer os sinais óbvios de que estamos a ir num caminho insustentável.”

Secas ligadas às alterações climáticas

A bióloga Helena Freitas, da Universidade de Coimbra, está entre os signatários do novo aviso. Não assinou o primeiro alerta, mas diz que se lembra dele: “Foi na sequência do relatório de Brundtland [que colocou o conceito de desenvolvimento sustentável na agenda política] em 1987, e depois houve uma série de movimentos sociais que acabaram por culminar na cimeira [do clima de 1992] do Rio de Janeiro”. Para si, as situações mais preocupantes neste novo aviso são a perda da diversidade biológica ou a contaminação dos oceanos.

Ricardo Trigo, climatólogo da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, também é signatário do artigo e refere como alarmantes a diminuição da abundância espécies de vertebrados, o crescimento da população mundial, assim como o aumento dos gases com efeito de estufa e da temperatura global. “Agora não temos qualquer dúvida de que o aumento da temperatura nos últimos 30 ou 40 anos é em grande medida impulsionado pelos gases de efeito de estufa”, assinala. “Há cinco anos, nenhum climatólogo lhe dizia que as ondas de calor tinham uma componente das alterações climáticas. Agora posso dizer-lhe que as últimas grandes secas como a que temos agora e as de 2012 e a 2005 tiveram uma componente significativa das alterações climáticas. A probabilidade de ocorrerem já foi ampliada pelos gases com efeito de estufa e isso tem evoluído muito nos últimos anos.”

E o que é mais preocupante em Portugal? Para Helena Freitas, é a sustentabilidade dos rios. “Penso que não estamos a cuidá-los. É um dos aspectos mais críticos, até porque, não tendo qualidade de água, não só não teremos acesso à água como há implicações ao nível das práticas agrícolas”, diz, destacando ainda a falta de coesão territorial associada à desertificação da paisagem e ao despovoamento. “Há uma profunda desigualdade no país e isso reflecte-se na forma como gerimos o território. Por exemplo, os incêndios também têm a ver com isso: não cuidamos da natureza e os parques naturais e as áreas protegidas não têm tido uma política activa.” Já Ricardo Trigo destaca: “Estamos numa zona semiárida do Mediterrâneo, onde a tendência para secas e ondas de calor é gritante. Uma das razões de ser tão difícil controlar os incêndios florestais em Portugal ou na Califórnia é a grande probabilidade de secas e de ondas de calor.”

Boas notícias no ozono

Mas nem tudo é mau. Os cientistas salientam a descida das taxas de fertilidade nalgumas regiões devido ao investimento na educação, o maior uso de energias renováveis, a desflorestação mais lenta nalguns sítios, assim como redução de substâncias químicas que destroem a camada de ozono. “Apanhámos um grande susto no final dos anos 80”, frisa Ricardo Trigo. Foi aí que os cientistas descobriram que a camada de ozono estava a ser destruída pela libertação de gases constituídos sobretudo por cloro (como os clorofluorcarbonetos, ou CFC), que estavam presentes nos líquidos de refrigeração dos frigoríficos ou nos aerossóis dos desodorizantes. Por isso, em 1987, com o Protocolo de Montreal, mais de 150 países comprometeram-se a substituir essas substâncias. Este mês, a NASA revelou que o buraco da camada de ozono sobre a Antárctida encolheu para o menor tamanho desde 1988.

A humanidade não está a fazer o que deve ser feito urgentemente para salvaguardar a biosfera ameaçada”, lê-se no artigo. Por isso, também se apontam exemplos do que a humanidade deve fazer para travar estes problemas: a promoção de tecnologias verdes, voltar a tornar naturais as regiões com espécies nativas, a criação de reservas marinhas e terrestres, leis mais fortes contra a caça furtiva ou o desenvolvimento de  políticas para se combater a perda de biodiversidade. Já Ricardo Trigo considera essencial uma transição maciça para transportes de energia eléctrica, o uso de energias renováveis ou a poupança de água.

Para Helena Freitas, avisos como estes ajudam a mobilizar as pessoas e têm fundamentos científicos. “[Antes] penso que o conhecimento científico não estava tão presente nos movimentos [ambientais], que eram movimentos da sociedade civil e impulsionados por organizações não-governamentais. Agora é um movimento que tem um apoio científico grande. Hoje a comunidade científica é que ergue a bandeira do planeta.”