Opinião

A Web Summoparolice

É por isso que neste meio se fala tanto em unicórnios – aquilo que a Web Summit vende, além de bilhetes milionários, são sonhos de sucesso que só existem num mundo de fantasia, tendo em conta que a taxa de mortalidade das startups varia entre os 90 e os 99,9%.

Ouçam, eu sou tão dado à tecnologia como qualquer um – tenho a minha quota parte de redes sociais, apps, quinquilharia da Apple e nomofobia. Mas perante a histeria que toma conta do país de cada vez que se aproxima a estrondosa, espantosa e espaventosa Web Summit, eu transformo-me num orgulhoso neandertal: acho tudo aquilo uma parolice colectiva, muito para lá do meu pobre entendimento.

Deixem-me precisar que a acusação de parolice não deriva da inutilidade que um encontro destes possa ter para quem o frequenta. Da mesma forma que um congresso de hematologia é útil para hematologistas, este também será útil para empreendedores, startups com acne e investidores em dotcoms. A parolice reside na sua cobertura mediática e no fervor religioso que desperta. A cada Novembro, o senhor Paddy Cosgrave invade jornais e telejornais com uma t-shirt piramidal. O senhor primeiro-ministro escreve artigos deslumbrados e vazios cheios de hashtags (DN de domingo, título: #websummit #thisisportugal #cantskipportugal). E até um dos meus sobrinhos me enviou uma mensagem com 24 smileys (eu contei) por ter alcançado a suprema honra de ser escolhido, entre nove mil candidatos, para ser um dos 500 voluntários no maravilhoso sarau. Definição de voluntário: trabalhar à borla durante 18 horas num evento onde a entrada normal custa 1500 euros.

Sim, o rapaz recebe – oh, maravilha! – um passe de quatro dias, e a coisa é boa para o “networking”. Mas não deixa de ser exploração do proletariado millenial. O voluntariado serve para ajudar nas recolhas do Banco Alimentar – não para alimentar um evento hiper-lucrativo, que ainda por cima está hierarquizado de forma feudal: quanto mais caro for o bilhete (há um que custa 24995€, imagino que para pagar o lugar na cama de Paddy Cosgrave), mais perto o feliz proprietário poderá estar do seu herói tecnológico – quem sabe até tocar-lhe no manto, à espera de um milagre digital.

É por isso que neste meio se fala tanto em unicórnios – aquilo que a Web Summit vende, além de bilhetes milionários, são sonhos de sucesso que só existem num mundo de fantasia, tendo em conta que a taxa de mortalidade das startups varia entre os 90 e os 99,9% (os especialistas dividem-se). A Web Summit é a Igreja Universal do Reino da Tecnologia, e Cosgrave o seu pastor, podendo dar-se ao luxo de só revelar o programa um mês antes de abrir portas, quando boa parte dos bilhetes está vendida: “As pessoas já não vêm pelos oradores”, diz ele. “Vêm porque está toda a gente no mesmo sítio ao mesmo tempo.” Certo. Chama-se a isso uma feira. E como qualquer feira, é bem melhor a promover o turismo do que o empreendedorismo.

O sucesso não se transmite por osmose e o país continua igualzinho. António Costa anunciou em 2016 o fundo 200M – só vai estar disponível em 2018. A empresa Kubo Robot, que no ano passado ganhou a competição de startups, recusou o prémio de 100 mil euros que lhe foi atribuído pela Portugal Ventures – recebeu uma proposta de um milhão do Danish Growth Fund (um fundo estatal da Dinamarca). E, segundo o Expresso, o número de startups criadas em Portugal em 2017, após o enorme sucesso da primeira Web Summit, diminuiu. Isso mesmo: diminuiu. Parece que há muita oferta de trabalho e as pessoas preferem a segurança de um bom emprego à insegurança de um novo negócio. Pois é: a Web Summit vende sonhos mas não faz milagres. Não é por haver uma feira tecnológica no Parque das Nações que a nação se vai transformar num parque tecnológico.