Cancelamentos da Ryanair preocupam, mas Porto “já não depende” das low cost

Entidades responsáveis pelo turismo desdramatizam o impacto económico do cancelamento dos voos da companhia área no Porto e em Lisboa. Mas há comerciantes que receiam que, a prazo, isso seja um problema.

Fotogaleria
Nelson Garrido
Fotogaleria
Paulo Pimenta

“Temos que encarar os cancelamentos da Ryanair sem alarmismo”, diz o vice-presidente da Associação de Turismo do Porto e Norte (ATP), Nuno Botelho. Apesar dos “transtornos” subsequentes à suspensão, na semana passada, de vinte voos de e para o Porto, e dos que resultarão ainda dos mais de 60 que serão cancelados até ao final de Outubro - como anunciou a companhia aérea low-cost - Nuno Botelho acredita que a situação não implicará grandes perdas para a economia local, nem para o fluxo de turismo da cidade. Afirma, aliás, que o Porto já não está dependente dos voos de baixo custo, como já tinha deixado de estar, há “vários anos”, Lisboa, a segunda cidade mais afectada pelo cancelamento de voos da Ryanair (38 voos, até 28 de Outubro), seguida de Faro (com seis voos cancelados).   

É uma “pedra no sapato”, considera o presidente da delegação do Porto da AHRESP - Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, Joaquim Ribeiro, que chama a atenção para a imagem negativa que poderá associar-se ao destino Porto, se este episódio não se tratar de um caso isolado. Não muito convencido com a justificação da companhia aérea, que alegou ter cancelado as viagens de forma a corrigir um erro relacionado com o agendamento das férias dos pilotos, Joaquim Ribeiro afirma faltar a garantia da companhia às entidades turísticas da região de que “erros” destes não se tornarão a repetir.

Ainda assim, tal como o responsável pela ATP, o presidente da delegação do Porto da AHRESP desdramatiza a questão, acreditando que “o peso” da factura a pagar pela cidade não será “significativo”. “O perfil do turista que cá vem mudou muito”, afirma. “Na cidade, a taxa média de ocupação no sector hoteleiro ronda os 75%. Não é uma companhia que vai pôr em causa toda uma estrutura”, sublinha, adiantando que, “naturalmente”, apesar de tudo, foram registados alguns cancelamentos de estadias em hotéis que estão relacionados com o problema que a Ryanair tem em mãos. Problema que diz ser, acima de tudo, um transtorno para os visitantes que vêem os planos de férias cair por terra. Para o Porto, “no imediato”, considera não representar um grande abalo: “Actualmente, os níveis de turismo, tanto no Porto, como em Lisboa, estão nas projecções mais optimistas que eram feitas para 2020. Poderá haver mais refeição menos refeição ou mais estadia menos estadia, mas, pelo menos por agora, não mais do que isso”.  

Em Lisboa, onde, desde a última quinta-feira até 28 de Outubro, vão ser cancelados 38 voos da Ryanair, Joaquim Ribeiro, também vice-presidente da AHRESP nacional, considera que o cenário não é muito diferente: “Já há muito que Lisboa não depende dos voos low cost. Em 2017, no Porto, isso também já não acontece”.

Comerciantes com receio

Mais receosos estão alguns comerciantes. Na semana em que foram cancelados vinte voos em três dias, entre segunda e quarta-feira passadas, havia quem garantisse que a partir, principalmente de quarta-feira, se notava uma grande quebra no negócio. “Na terça-feira tivemos a casa cheia de clientes e, no dia seguinte, houve uma descida abrupta”, diz João Melro, proprietário da mercearia de venda de produtos nacionais Casa Diogo, na Rua de Miguel Bombarda. Teme que até final de Outubro o cenário se agrave. A fatia mais representativa dos clientes é de fora do país.

Na última sexta-feira de tarde, as ruas da Baixa continuavam cheias de turistas. Na Praça Parada Leitão, uma multidão circulava pela feira de artesanato ali montada. Mais ao lado, havia fila na paragem do eléctrico que sai do Carmo. Ouvia-se falar inglês, francês e espanhol. Nada de muito diferente do que tem acontecido nos últimos anos. O mesmo acontecia perto dos Clérigos ou na Praça da Liberdade.

Contudo, apesar do movimento, na Rua da Fábrica, um dos funcionários da tasca Petiscaria, Sérgio Passos, queixava-se do mesmo que João Melro. Desde o início da semana passada há menos gente no espaço visitado “maioritariamente por estrangeiros”. Questionado se não estará relacionado com o fim da época alta do turismo, afirma não ter registado essa descida no mesmo período do ano passado e acrescenta que, nas imediações, outros comerciantes relatam um cenário semelhante.

Já na zona dos Clérigos, no restaurante Brick, a meio da tarde a esplanada e as mesas do interior estavam quase todas ocupadas. Para não ser assim, brincavam os funcionários, era preciso que houvesse “500 voos cancelados”. O mesmo acontecia na Rua da Picaria, na mercearia/petiscaria Nabos da Púcara. O proprietário, Hugo Rocha, dizia não ter sentido “em nada” o cancelamento dos voos, nem contava vir a sentir, por o Porto ter deixado de ser apenas “um destino Ryanair”.

No Oporto Ivictus Hostel, na Rua das Oliveiras, Alda Catarino, dona do espaço, confirma terem existido “alguns cancelamentos” de estadias directamente ligados ao problema com a companhia aérea. Houve quem tivesse enviado e-mail a cancelar a reserva, justificando que o motivo se prendia com a impossibilidade de conseguir remarcar voo para as datas reservadas. No entanto, facilmente as camas foram ocupadas por outros visitantes. As próximas semanas aguarda-as com alguma expectativa, temendo que o mesmo possa acontecer sem conseguir remarcar as reservas que caírem.

“É um facto que no início deste processo de angariação de turistas e de captação de rotas o nosso destino estava dependente das low cost. Hoje, o paradigma mudou”, afirma Nuno Botelho, da ATP, também presidente da Associação Comercial do Porto. Refere existirem, actualmente, “muitas mais companhias aéreas”, de bandeira e low cost, a voar para a cidade, o que reduz a dependência. Sublinha que os cancelamentos representam apenas 2% dos voos totais da empresa e, por isso, entende que impacto nunca será “muito violento”. Não ignorando os “transtornos” que os cancelamentos causaram e vão causar, pede que se evite o alarmismo e sublinha que nenhuma das rotas foi suprimida. Considerando que este tipo de “contratempos” nunca são positivos, garante que a Ryanair “foi e continuará a ser um grande parceiro da região” e que, por isso mesmo, a relação com a empresa “não será afectada”.